visite a galeria de fotos brasillm.com/gallery

últimas imagens enviadas
25.11.21

Em 2011, quatro meninas receberam a maior chance de suas vidas -formar um grupo e participar da primeira temporada da versão britânica do The X Factor. 10 anos depois, Little MixJade Thirlwall, Perrie Edwards e Leigh-Anne Pinnock – é um dos grupos mais bem sucedidos do mundo com top singles e álbuns para se tornar um dos grupos femininos com maior número de vendas e maiores posições nos charts de todos os tempos.

 

Até hoje, as conquistas continuam chegando – desde o Melhor Grupo Britânico no BRIT Awards em 2021 (primeira vez que um grupo feminino venceu), até serem imortalizadas em tamanho real no Museu de cera Madame Tussaud, em Londres. Hoje, a banda lança “Between Us”, uma coletânea dos maiores hits celebrando uma década de músicas pop.

O álbum celebra o grande trabalho de Little Mix, mas, para Jade, é em primeiro lugar uma carta de agradecimento cheia de glitter aos fãs.

“É sobre relembrar a todos exatamente quem Little Mix é.” Jade disse ao entrevistador via Zoom.

“E o motivo pelo qual nossos fãs se apaixonaram por nós”.

Apesar de passar a última década nos holofotes, a estrela do pop de 28 anos nascida na costa norte da Inglaterra, não pode acreditar no quanto sua vida mudou. Para marcar o lançamento do álbum, Jade reservou um momento para refletir sobre os últimos 10 anos – desde ser expulsa de um hotel em Londres por roubar um pernil de cordeiro, a perdoar a sua versão mais jovem e, claro, mudar a cara da música pop.

ERNESTO MACIAS: Já se passou mais de uma década desde que você começou a fazer música. Você tem algumas conquistas em seu currículo como artista solo, e muitas como parte da Little Mix. 10 anos em um grupo feminino, um novo CD chegando, e eu descobri recentemente que vocês passaram 100 semanas no top 10 oficial da parada de singles do Reino Unido. Isso é um recorde. Quando você ouve todas essas coisas, o que vem à sua mente?

JADE THIRLWALL: Ícones, querido. Eu acho que é incrível, não apenas para artistas pop, mas para um grupo feminino que já existe há 10 anos e que conquistou tudo o que conquistamos. Isso ainda me deixa boquiaberta, a ficha nunca cai. Eu sou muito grata por cada dia e, honestamente, ainda estou amando isso. Acho que naquela época, quando fui colocada no grupo, eu sabia que era especial – parecia, por mais brega que seja, que era destino. Eu tinha um bom pressentimento, mas nunca pensei que seria tão grande.

MACIAS: Vocês acabaram de lançar um novo álbum, uma celebração de 10 anos fazendo música – como você descreveria o álbum?

THIRLWALL: Exatamente isso. São todos os maiores sucessos, incluindo alguns dos nossos favoritos ao longo dos anos, assim como cinco novas faixas, que escrevemos no início deste ano. Eu não conheço nenhum grupo feminino que passou 10 anos sem nenhuma pausa. Parecia certo fazer um momento de “maiores sucessos”. É uma sensação muito especial – apenas as lendas podem dizer que tiveram um álbum dos maiores sucessos, ou que têm uma discografia grande o suficiente para isso. Vai ser uma grande celebração da Little Mix e um enorme agradecimento aos nossos fãs por nos apoiarem por tanto tempo.

MACIAS: Você disse que há cinco canções novas que todas as três escreveram nesse álbum. Como você descreveria essas músicas?

THIRLWALL: Eu acho que são pura excelência do pop. Era importante para nós que essas faixas adicionais fossem assumidamente pop, porque eu acho que é um ponto forte. Ao longo dos anos, passamos por tantas fases na indústria da música e conseguimos resistir ao teste do tempo, e acho que é porque nunca desistimos de quem éramos e nunca mudamos por ninguém. Tudo veio de nós. Eu acho que no momento o puro pop está retornando. Acho que houve um período em que talvez as pessoas pensassem que não era tão legal. Eu não sei. Sinceramente, não entendo por que às vezes as pessoas se irritam com o pop chiclete ou puro e têm esse tipo de esnobismo, como se não fosse tão digno de crédito. Eu fico tipo, “Querido, se você puder escrever, então vá em frente – e você obviamente não pode, então estamos aqui para fazer isso, vamos dar a você e você vai adorar.”

MACIAS: É melhor que sim.

THIRLWALL: Na verdade, no ano passado, em retrospectiva, de certa forma meio que ajudou. Acho que com o isolamento e tal, todos estavam sendo criativos e se sentindo bem, as pessoas queriam músicas e melodias que fizessem você cantar junto e levantar o astral. Lady Gaga lançou Chromatica no ano passado e foi uma dádiva de Deus para mim. Realmente me ajudou durante esse período e me ajudou a amar novamente o puro pop e estou aqui para isso. As novas faixas do álbum Between Us são para lembrar a todos exatamente quem é Little Mix, e o motivo pelo qual os nossos fãs se apaixonaram por nós em primeiro lugar.

MACIAS: É evidente que vocês querem fazer música pop para fãs de pop. E por falar em fãs, vocês têm muitos ao redor do mundo, mas quero te perguntar — Little Mix, e você como indivíduo, são vistas como lendárias aliadas da comunidade LGBT+. Isso é algo que levam a sério. Você pode me contar um pouco sobre seu relacionamento com a comunidade e o que isso significa para você?

THIRLWALL: Acho que, com o passar dos anos, ficou cada vez mais claro para mim que tínhamos uma enorme base de fãs LGBTQ+. Isso iniciou a jornada de ser aliadas e de garantir que os fãs sentissem que têm artistas que eles podem se inspirar e que dizem: “Tudo bem ser você mesmo”. Se você vai se beneficiar de uma base de fãs, você tem que mostrar a eles que você os apoia e que está com eles, não importa o que aconteça. Então foi isso que fizemos. Eu diria que, talvez até cinco anos atrás, eu era o que chamaria de uma aliada “vadia básica”. Tipo, eu ia a bares gays, eu estava lá e obviamente era uma aliada de alguma forma, mas não estava fazendo o suficiente para defender ou realmente mostrar o que isso realmente significava. Eu meio que me dei conta disso conforme eu recebia cartas de fãs e mensagens nas redes sociais, e isso ajudou a me estimular a fazer da forma correta: ser uma aliada mais ativista, trabalhar com as instituições de caridade certas, falar mais e usar nossa plataforma para o melhor. Eu sinto que sempre posso melhorar, então estou constantemente tentando aprender mais sobre história. Em todo o mundo, temos fãs em territórios onde ainda precisa haver muito progresso – para mim, vindo de uma origem árabe, é muito importante mostrar aos fãs que eles têm alguém para lutar por eles e dar-lhes algo que eles possam se orgulhar e amar, e ajudá-los a se sentirem bem consigo mesmos.

MACIAS: Por falar em representar pessoas que nem sempre são representadas, especialmente na indústria da música, sei que você tem ascedência mista. Você pensa sobre o peso de representar diferentes culturas na posição em que você está?

THIRLWALL: Com certeza. Quando comecei, eu tinha apenas 18 anos e ainda não tinha certeza de quem eu era. Quando criança, convivia muito com minha família iemenita – meu avô era iemenita e sempre foi um grande defensor dessa cultura. Ele faleceu quando eu tinha 13 anos e pareceu que parte da minha identidade partiu com ele. Eu estava em uma área predominantemente branca em uma escola predominantemente branca, então fiz o meu melhor para me encaixar naquele ambiente. Quando fui colocada no grupo e me mudei para Londres, fiquei com muito medo. Fiquei com medo de valorizar minha ascendência, porque quase não tinha visto nenhuma representação árabe positiva na mídia do Reino Unido. Ter orgulho de quem eu era me assustou um pouco, e até hoje carrego um pouco de vergonha e arrependimento… Mas estou compensando isso agora, então nunca é tarde para se tornar a pessoa que o seu eu mais jovem teria se inspirado.

MACIAS: Em quem você se inspirava quando pequena?

THIRLWALL: Minha ídola, além da Diana Ross, era a princesa Jasmine. Ela foi literalmente a única representação árabe que eu pude ver na TV. Até mesmo hoje, se você tem uma ascendência mista, definitivamente há uma luta de identidade – não ser branco o suficiente, não ser negro o suficiente ou árabe o suficiente, e tentar entender o que isso significaria. Ainda tenho momentos em que luto com isso internamente, é o condicionamento que absorvi ao longo dos anos. Espero que meus fãs saibam que estou trabalhando nisso todos os dias. Eu perdoei meu eu mais jovem por lutar com isso, porque não era necessariamente culpa dela estar tão condicionada a sentir que o branco é o mais bonito.

MACIAS: Agora, vou te fazer algumas perguntas que o Andy [Warhol] costumava fazer às pessoas antigamente. Você sonha?

THIRLWALL: Sim.

MACIAS: Chuveiros ou banheiras?

THIRLWALL: Banheiras.

MACIAS: Há algo de que se arrepende de não ter feito?

THIRLWALL: Não ir muito para a América com o grupo e não acolher minha ascendência antes.

MACIAS: Qual foi o seu primeiro emprego?

THIRLWALL: Eu era recepcionista de um teatro.

MACIAS: Quantos anos você tinha?

THIRLWALL: Provavelmente uns 13 anos. Eu era muito jovem, acho que na verdade não fui paga por ser muito nova, mas era algo para fazer, eu imagino.

MACIAS: Faz parte. Quando você fica nervosa?

THIRLWALL: Toda vez que eu subo no palco.

MACIAS: O que você faz para se acalmar?

THIRLWALL: Eu faço o que as garotas gostam de chamar de cocô do pânico. Respiro bastante e geralmente um pouco de meditação resolve.

MACIAS: Por que isso não pode ser simplesmente mágico o tempo todo?

THIRLWALL: Honestamente, querido, me fale você, porque eu estou vivendo minha própria fantasia diariamente.

MACIAS: O que comeu no café da manhã?

THIRLWALL: Torrada. Muito chato, é um café da manhã bem sem graça.

MACIAS: O que você está lendo no momento?

THIRLWALL: Estou terminando The Transgender Issue de Shon Faye, que causou um certo rebuliço no Twitter. Mas eu não dou a mínima, então leia.

MACIAS: Onde você dança?

THIRLWALL: No quarto, querido. Todos os dias. Eu danço todos os dias. É tão bom para você, todo mundo deveria dançar todos os dias.

MACIAS: Quem é o namorado dos seus sonhos?

THIRLWALL: Meu namorado, Jordan Stephens.

MACIAS: O que você acha do amor?

THIRLWALL: Acho que amor é algo que você tem que dar a si mesmo antes de poder dar aos outros.

MACIAS: Qual é a coisa mais maluca que um fã já te enviou?

THIRLWALL: Ai, Deus. Estou tentando pensar se há algo esquisito.

MACIAS: Ou a mais fofa…

THIRLWALL: Bom, na verdade uma das coisas mais malucas – uma pessoa pagou, sabe aqueles aviões que voam pelo céu e têm uma faixa neles?

MACIAS: Pagaram para você?

THIRLWALL: Sim, eu estava em um festival e de repente todo mundo estava tipo, “Olhe para cima” e dizia “Eu te amo, Jade” no céu. Um fã pagou por isso.

MACIAS: Isso é muito louco. Qual o segredo sujo que você pode compartilhar conosco?

THIRLWALL: É um pouco desagradável, na verdade, mas eu raramente lavo meu cabelo. Essa é a chave para esses cachos exuberantes.

MACIAS: Qual é o seu filme favorito?

THIRLWALL: O Show de Truman.

MACIAS: Você se interessa por móveis?

THIRLWALL: Eu amo móveis. Gosto de sentar nas coisas. Quem não gosta de móveis? Acho que quanto mais velha fico, mais gosto, o que é definitivamente um sinal de envelhecimento.

MACIAS: Te entendo totalmente. Que tipo de roupa você gosta?

THIRLWALL: Eu sou bem oito ou 80. Ou sou super casual, com roupas de alfaiataria e tracksuits, ou uma drag queen completa. Não há meio-termo.

MACIAS: Você tem televisão?

THIRLWALL: Não, não no meu quarto. Isso me impede de assistir TV na cama.

MACIAS: O que você adora na cidade de Nova Iorque?

THIRLWALL: Acho que a vibe, principalmente. As pessoas. É como Londres, mas mais amigável.

MACIAS: Acha que os americanos têm bom gosto?

THIRLWALL: Na moda?

MACIAS: No geral.

THIRLWALL: Eu pessoalmente acho que Londres tem um gosto melhor.

MACIAS: Você tem um diário?

THIRLWALL: Sim, sim.

MACIAS: Escreve nele todos os dias?

THIRLWALL: Eu tento, porque sou uma pessoa muito esquecida, então gosto de ter memórias escritas.

MACIAS: Do que você mais se orgulha?

THIRLWALL: Tenho orgulho do império que construí para mim.

MACIAS: Você dorme oito horas por noite?

THIRLWALL: Não, eu durmo muito mal.

MACIAS: Quantas horas você dorme?

THIRLWALL: Provavelmente de quatro a cinco.

MACIAS: De quantos hotéis você já foi expulsa?

THIRLWALL: Um.

MACIAS: Foi sua culpa?

THIRLWALL: Na verdade, eu fui acusada de roubar um pernil de cordeiro. É uma história muito longa, mas resultou em mim sendo expulsa de um hotel muito chique em Londres e sendo colocada em um buraco em vez disso.

 

Fonte: Interview Magazine

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil



18.11.21
Publicado por: Mel
Little Mix: O número mágico

Há dez anos dentro do jogo, Little Mix ainda estão no pico de seus poderes criativos. Na véspera de lançamento do seu Greatest Hits, elas falam sobre pop, pressões e as vantagens de irritar políticos.

Little Mix não é apenas uma girlband: elas são um GRUPO feminino. Já fazem dez anos dentro da indústria, com seis álbuns de estúdio, 27 singles, 100 indicações de premiações e um exército de fãs ao redor do mundo que não param de crescer, o recente trio que consiste de Jade Thirlwall, Leigh-Anne Pinnock e Perrie Edwards cementaram sua posição como um dos – se não “O” – grupos pop definitivos da nossa geração. Elas são compositoras, performers, ativistas, aliadas, mães e mulheres de negócios. E ainda assim com o passar dos anos, elas passaram uma quantidade enorme de tempo defendendo todas as opções acima/anteriores.

“Quando você vem de um programa como o The X Factor, sempre é presumido que você é um fantoche que apenas sobe no palco e te dizem o que fazer,” disse Jade. “Mas desde o começo, isso realmente não foi o nosso caso. O fato de que estamos juntas por 10 anos sugere que talvez nós estejamos fazendo um bom trabalho…”

Com suas vidas atadas a de “celebridade”, os fãs frequentemente tem estado frustrados com a maneira que Little Mix tem sido retratada na imprensa. Com o exemplo de um que colocou no Twitter, “Há mais sobre a Little Mix do que seus cachorros, namorados e atividades na quarentena.” E portanto, na véspera do lançamento de seu álbum de Greatest Hits “Between Us”, não haverá perguntas de tabloides: nada de bebês, namorados, treta fabricada. Para a ligaçao de vídeo feita pelo DIY (O website) via zoom com o grupo genuíno pop da realeza, estamos nos prendendo nas coisas que interessam; o que é preciso para prosperar no topo do jogo da música pop por uma década inteira e ainda aproveitar a companhia de cada uma.

Você sabe como a história original aconteceu depois desse tempo todo. Em 2011, quatro meninas da classe trabalhadora – Jade, Leigh-Anne, Perrie e Jesy Nelson – fizeram audição como solistas para o The X Factor, ingênuas e completamente despreparadas pelo que iria vir. Elas não passaram como solistas, mas foram colocadas juntas pelo olhar alquímico da lenda que surgiu de um girl group, Kelly Rowland, cativando a nação com sua animação colorida.Quando elas foram coroadas vitoriosas, elas foram catapultadas para dentro do redemoinho da percepção pública, agarrando-se umas as outras para sobreviver a tempestade.

“Fomos tão sortudas que nos gostamos, não é?” reflete Leigh-Anne. “Nós éramos tão jovens, eu acho que precisávamos umas das outras. Quando cantamos juntas pela primeira vez, foi tipo, nossa. Isso vai ser algo grande.”

“Honestamente, eu não consigo imaginar se eu teria sido capaz de fazer isso naquela época sozinha,” concorda Jade. “Eu acho que sabíamos desde cedo que queríamos ser a banda que teríamos gostado quando estávamos crescendo. Nós tivemos The Spice Girls, TLC, Destiny’s Child, mas já havia um tempo desde um grupo com aquele tipo de empoderamento feminino. Nós impomos certas barreiras para nós mesmas desde o início; não haveria uma vocalista líder, e nós concordamos coletivamente que o som seria pop com um pouco de R&B. Desde o começo, estivemos juntas em nossas decisões.”

Das harmonias doces de ‘Wings’ até a coreografia bombástica de ‘Sweet Melody’, é difícil de pensar em tantos grup os pop femininos que as integrantes estiveram tão igualitárias em seu crescimento coletivo. Cada garota teve sua justa divisão de figurinos que as destacavam, notas altas e compromissos extra-curriculares, e tem sido a mesma coisa com a composição de músicas; desde o começo, todas estiveram por dentro do processo criativo de suas músicas, elaboração de baladas dilacerantes e hinos com uma elegância igualitária.

No entanto, quando elas venceram o prêmio de Melhor Grupo Britânico no Brit Awards 2020 – o primeiro grupo feminino na história – numerosos artistas da cena do rock’n’roll entraram numa fila para opinar, incluindo Noel Gallagher. Afirmando que a banda “nem mesmo estava na mesma modalidade” que o Oasis, Noel Gallagher acusou a vitória das meninas, lamentando a difamação da música ‘de verdade’. Jade usou uma aparição no programa Never Mind the Buzzcocks para prover uma resposta lendária:

“Realmente é uma pena, de forma que somos o grupo feminino mais sucedido no país, mas ele nem mesmo é o performer mais sucedido na sua família.”

A recordação de sua fala abre nela um sorriso, mas Jade continua frustrada.

“Sempre é o homem que tende a estar a frente dessas bandas com destaque de instrumentais; a indústria como um todo é muito liderada por homens velhos brancos,” ela inicia. “Do começo, há a ideia de que mulheres não conseguem fazer tão bem quanto eles. É um estigma tão estranho; foi preciso seis anos para que eu e Leigh tivéssemos um contrato como compositoras, porque as pessoas simplesmente não acreditavam que pudéssemos compor. Só porque você não tem uma guitarra, não quer dizer que não é capaz de sentar numa sessão e criar músicas pop brilhantes. E isso é o que fazemos!”

“Nós trabalhamos tão duro, e estamos tentando fazer as coisas mudarem na indústria. Queremos continuar a mudar as opiniões das músicas.”Perrie Edwards

Apesar de que grupos femininos tenham encarado o sexismo, a formação do Little Mix na era do Twitter talvez tenham dado para elas um caminho mais duro do que daquelas que vieram anteriormente. Logo no início, elas deram seu melhor para se defenderem (veja ‘Reality’, uma captura sobre revistas de fofoca que não entrou no álbum de estreia), mas quando elas se separaram da Syco do Simon Cowell em 2018, fora permitido para elas finalmente falarem sobre variados problemas. Na linha de fogo veio as especulações sobre suas autonomias criativas, o controle da imagem corporal, e a sugestão maliciosa do vilão Piers Morgan de que a sensualidade que há em suas coreografias invalida o status de ‘modelo a ser seguido’, dando mal exemplo a seus fãs jovens.

“Você meio que tem que rir disso, porque é simplesmente o maior mimimi de todos,” disse Jade. “Para nós, metade dos motivos pelos quais nós usamos collants ou aqueles tipos de figurinos é pelo conforto – quando você faz um show de duas horas em um palco, você soa pra caramba! Nós sempre ignoramos essas opiniões, porque queremos mostrar a outras mulheres que você pode ser empoderada pelo seu próprio corpo, da maneira que quiser.”

Reforçadas pela quarta onda do feminimo da era digital, essas músicas tomaram um rumo ainda mais direto. Enquanto ‘Salute ‘ e ‘Shout Out To My Ex’ provaram há muito tempo a habilidade delas de compor um hino girl power, o lançamento de ‘LM5’ em 2018 marcou um passo em frente para o grupo, construindo um som maduro com informações profundamente pessoais – a positividade corporal de ‘Strip’, o amor próprio de ‘Joan Of Arc’ e a favorita dos fãs ‘Wasabi’ cheia de impecáveis dedos do meio (“A merda que os jornais escrevem sobre mim / Eu dobro igual origami”).

Não quebrando a quarta parede, mas demolindo-a, ‘Not A Pop Song (de ‘Confetti’ de 2020) provou ser um momento mais profundo de lançamento catártico, tratando da separação com o Cowell com comédia elegante.

“Nós sempre deixamos a música falar,” Jade assentiu. “Eu sinto que nós nunca realmente fomos vistas como artistas controversas, e esta música é sobre como nós não estamos tentando provar um ponto. Nós somos quem nós somos; somos artistas pop, e não vamos nos desculpar por isso, porque somos as melhores nisso. É SIM uma música pop. Aceitem!”

Não surpreendentemente, elas não ouviram um pio do homem.

“Não, não. Mas não há rixa [com Simon Cowell], Jade confirma.

No entanto, ela não consegue resistir a outro momento do Buzzcocks de ironia…

“Para falar a verdade, nós quase nunca vimos ele durante nossa carreira. Nós apenas aparecemos na casa dele algumas vezes para um jantar de graça, tá me entendendo?”

“Paraaaaaa!” exclama Leigh-Anne, dividida enquanto as outras entram em colapso enquanto riem.
“Mas sim, ele faz um ótimo jantar de assados.”

Apesar delas terem se desculpado pelo cansaço – “Fizemos 17 entrevistas ontem!” – o carisma natural e o bom humor de Little Mix te lembra de que elas realmente são um grupo com uma amizade genuína, todavia um que talvez esteja se contendo um pouco mais do que o normal em nome da diplomacia. DIY, como muitos outros, foram perguntados especificamente para não comentar sobre sua ex-colega, e os motivos são óbvios; apesar de que Jesy Nelson tenha deixado o grupo em aparente bons termos no final de 2020, as coisas azedaram um pouco mais tarde, com a nova solista envolta de acusações de blackfishing, de ser cúmplice em indiretas via redes sociais de Nicki Minaj, e pontuar – repetidamente – que ela não está mais falando com suas ex-colegas de grupo. Para um grupo cuja mensagem “nós contra todos” parecia ser o centro do seu apelo, tem sido um tempo difícil para os Mixers que não querem tomar lados.

Para seu crédito, as três integrantes restantes de Little Mix manteram-se quietas, mas confirmaram em recente entrevista que, anterior a partida de Jesy, preocupações sobre blackfishing foram comunicadas de uma “maneira educada e amigável”.

No entanto, a mudança de formação é uma parte inevitável da história do grupo, e apesar de que muito do ciclo da imprensa tenha centrado na Jesy – sua saúde mental, partida, insatifação contínua com o grupo – as coisas não devem ter sido fácil para as três restantes. Houve um momento em que elas pensaram, nós não queremos fazer isso também?

“Com certeza,” assente Perrie. “Eu acho que já chegamos nesse ponto uma hora ou outra. Houve um período de tempo em que eu literalmente voltava para casa e chorava toda noite e não sabia o que havia de errado comigo. Eu acho que era apenas cansaço; transbordando de trabalho, sentir como se não pudesse escapar. Você não consegue mudar a chavinha entre estar no grupo por uma semana e não ter nenhuma merda jogada em você.”

Opinativa sobre suas dificuldades com a ansiedade, Perrie aprendeu a falar sobre isso com suas colegas.

“Botar o que está sentindo para fora – eu consigo me virar e dizer, ‘estou com dificuldades de verdade, não sei se consigo fazer isso’, e assim que elas fizem ‘Amor, nós entendemos’, eu me sinto melhor. As vezes esqueço que não estou nessa sozinha. Tudo que experienciamos, nós experienciamos juntas pela primeira vez, e temos uma a outra pra chorar no ombro e deixar tudo melhor. O bom sempre, sempre, é maior que o ruim.”

“Acho que o que eu realmente amo sobre nós 3 é que todas já sofremos de alguma maneira, mas sempre garantimos que cada uma de nós tenha a oportunidade de contar nossa história da maneira certa,” disse Jade. “O que quer que estejamos passando, nós garantimos que ninguém esteja sentindo como se seus problemas não são tão importantes quanto o da outra pessoa. Então sim, obviamente uma grande mudança aconteceu conosco, mas este ano tem sido mais que tudo uma celebração. Uma década nesta indústria sem um fim; não são muitas as bandas que podem dizer o tal. Nós tivemos uma verdadeira mudança de energia neste ano apenas de sentirmos em paz umas com as outras; queremos agradecer cada uma e celebrar a vitória da outra não importa o que aconteça no futuro, e esse é um sentimento muito bom de se ter.”

Se a conversa do ‘não importa o que aconteça’ soe um pouco assustadora no ar dos rumores da separação, os fãs não deveriam ficar muito preocupado ainda. Todas estão claramente comprometidas em ser a torcedora da outra, uma generosidade que frequentemente se extende para fora do grupo. O ativismo de Jade pelos direitos LGBTQIA+ foram documentadas há um tempo, e todo o ativismo do grupo, mais recentemente com o poderoso documentário de Leigh-Anne sobre as políticas de raça na indústria musical.

“Há ainda um longo caminho para percorrer, mas tanto está mudando que eu nunca achei que seria possível,” ela sorri. “As coisas parecem sim, esperaçosas.”

Problemas sociais a parte, o trio verdadeiramente parecem estar num lugar contente. Quando feita a decisão de fazer o Greatest Hits, elas manteram as coisas simples, apenas adicionando as músicas novas que realmente pareciam certas.

“Quando fomos ao estúdio nós não pusemos pressão alguma: as músicas novas são literalmente mais do que as pessoas amam da Little Mix,” disse Jade.

Com tantos hits para escolher entre, algumas músicas mais antigas inevitavelmente foram retiradas;

“Oops pode ir para a lixeira na minha opinião – sem ofensa,” confessa Perrie.

Enquanto Leigh-Anne está feliz em dar adeus a ‘Change Your Life’:

“Apenas porque me fizeram falar nela, e eu não consio fazer nada a não ser sentir vergonha de mim mesma toda vez. Desculpa!”

Apesar de que os vários destaque da sua década juntas pudesse fazer incontáveis memórias, elas retornam a vitória do BRITs como o auge coletivo delas; um emblema de exatamente o quão longe eras chegaram como um grupo.

“Quando nós 3 andamos até aquele palco, olhei para as duas, e pensei tipo, nós conseguimos porra!” disse Jade. “Nós passamos por tanta coisa, ainda estamos aqui, nós 3, e estamos sendo ditas por essas pessoas renomadas na indústria, que FINALMENTE após 10 anos, somos merecedoras desse prêmio. Eu sei que quando está morta ninguém liga para o que tem em sua prateleira, mas para mim, pareceu uma mensagem para que a indústria pense tipo, ‘Isto é maravilhoso, mas demorou pra caralho.’ Houve tanto momentos ótimos, mas esse em particular, pareceu que o tempo parou.”

“Nós 3 no palco ano que vem na turnê, acho que vai ser o momento em que olharemos ao redor e pensaremos, nossa,” disse Leigh-Anne. “Me sinto tão completa pessoalmente; eu cheguei tão longe comigo mesma, mas também ser capaz de olhar para nós e pensar em DEZ. ANOS. REVOLUCIONÁRIOS! Tipo, nós fizemos ISSO, sabe?”

“Demos tão duro, e estamos tentando fazer as coisas mudarem na indústria,” concorda Perrie. “É isso o que queremos, continuar mudando a opinião das pessoas. E você sabe,” – ela imita um sotaque australiano, um clássico da Little Mix – “Apenas queremos continuar fazendo do mundo um lugar melhor!”

Pegando emprestada uma frase pop icônica, o futuro de Little Mix ainda é muito não-escrito. Elas têm se mantido ocupadas; bebês, aniversário de 30 anos, uma marca de roupa para Perrie e um novo projeto para Leigh-AnneThe Black Fund – que a permite apoiar caridades e grupos comunitários negros. No lado musical das coisas, Perrie não descarta a ideia de Little Mix fazer pop-punk (“Olivia Rodrigo e todo o retorno daquele som – é algo que quero!”), enquanto Jade tem emprestado suas composições para o K-Pop, trabalhando com o grupo de 9 membros, Twice, no seu mini-álbum, ‘A Taste Of Love’.

“Uma coisa que eu amo sobre o K-Pop é que é pop e não estão nem aí, e a cultura respeita e apoia essa ideia,” ela diz. “Não há julgamento de como uma música deve se comportar; você pode escrever uma música de pop pura, brincar bastante com ela, e esses grupos adoram e gostam disso. Não está muito longe do que nós fazemos – talvez um pouco mais irônico as vezes.”

Onde quer que a jornada musical delas as leve na próxima, uma coisa é muito clara; Little Mix estão mais inclinadas ao seu poder. De meninas à mulheres, o caminho da resiliência que elas percorreram para si sem dúvidas facilitou para outros artistas seguirem, sabendo que podem suceder sem jogar fora sua voz no processo.

“Por muito tempo, estivemos aterrorizadas,” disse Jade. “É assustador quando você não se sente educada o suficiente, e quando é uma estrela pop, as pessoas meio que acham que você deve apenas fazer o seu trabalho, ser um rostinho bonito e calar a porra da boca. Se está em entrevistas e fala uma coisa errada, é nisso que as pessoas focam. As consequências disso é que é meio intimidador e te deixa com medo de falar algo de novo, mas ao passar dado anos e você amadurece e se educa mais e mais, você constrói essa resiliência para esse tipo de merda.”

Mesmo que numerosos homens tenham tentado derrubar Little Mix com o passar dos anos, isso apenas serviu para as fortalecer.

“A primeira vez que falei propriamente no Twitter, foi falando sobre os ataques aéreos sírios. O massacre de desgosto vindo de políticos masculinos – ao invés de me deixar cagada de medo, literalmente me fez pensar tipo, foda-se,” Jade ri. “Isso iniciou algo dentro de mim; sei que estão assustados, e sei que estão tentando me diminuir, e é porque sabem que temos uma enxurrada de jovens fãs que podem ser ensinados a falar quando vêem algo que não é correto.”

“Acho que nós 3 tivemos esses tipos de momentos durante nosso caminho, onde achamos a força para falar,” ela continua. “Acho que chegamos em um momento das nossas carreiras onde finalmente ganhamos o respeito para fazermos isso. Definitivamente levou mais tempo do que deveria, mas sabe, aqui estamos nós!”

E é aqui que esperamos que Little Mix mantenha-se: engraçadas, empáticas, sinceras e, francamente, muito mais verdadeiras consigo mesmas do que muitas de suas críticas. Elas chegam muito longe, então o que são mais outros dez anos? Qualquer que seja o tempo, o delas é uma bolha pop que nunca queremos estourar.

 

Fonte: DIY Magazine

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil

 



17.11.21

Acredite ou não, mas há grupos que sobrevivem à “maldição dos cinco anos”. Little Mix é prova viva disso! Em 2021, nossas rainhas celebram o aniversário de — pasmem — uma década de muito sucesso juntas! A equipe do hugogloss.com bateu um papo com Perrie Edwards, Leigh-Anne Pinnock e Jade Thirlwall, que refletiram sobre as conquistas ao longo desse período, além de falarem mais sobre a nova turnê, maternidade e passagem pelo Brasil.

Nesta sexta-feira (12), elas coroam a jornada de dez anos com “Between Us”, coletânea que reúne os maiores sucessos da banda, como “Black Magic” e “Shout Out to My Ex”, além de cinco canções inéditas. O projeto de ‘Greatest Hits’, entretanto, gerou desconfianças. Ainda mais depois que o jornal britânico The Sun reportou que as meninas estariam planejando se separar após a próxima turnê. Logo, os mixers se desesperaram com a possibilidade de que o disco fosse feito para celebrar o fim do grupo.

O hugogloss.com questionou o trio sobre o assunto, e Perrie Edwards deu apenas a melhor e mais animadora resposta!

Eu acho que o lance com o Little Mix, pra nós, é que o Little Mix é pra sempre. Little Mix não deixará de ser Little Mix porque nós não conseguimos viver sem as outras. Por mais patético que isso soe, nós não conseguimos viver sem as outras”, declarou a cantora, afastando qualquer rumor de ‘disband’. 

“Acho que quando cada uma de nós embarca em seus próprios projetos, seja na música, moda, televisão, cinema… que seja, qualquer coisa que fazemos individualmente, nós nos apoiamos. Nós queremos estar ali para a outra, para apoiar cada uma individualmente, mas nós sempre voltamos a ser um grupo. Então, nós nunca, jamais, vamos nos separar. Nunca. Desculpe, não vai acontecer”, enfatizou. Ufa!

Maternidade

Além de seus muitos trabalhos, sejam individuais ou coletivos, as artistas têm, claro, que reservar espaço na agenda para seus compromissos pessoais. Perrie e Leigh, inclusive, se tornaram mamães ainda em agosto e estão bastante dedicadas aos filhinhos. Abertas, elas contaram mais sobre esse processo tão novo em suas vidas e avaliaram quais têm sido os maiores desafios da maternidade. 

“Bem, primeiro de tudo, tem sido incrível! Me sinto muito sortuda e abençoada de ter meu bebezinho. Eu acho que é muito mágico. A gente sempre diz que ter filhos dá uma nova perspectiva às coisas e te faz reconhecer o que é importante na vida e o que não é. Você deixa de ligar pra certas coisas bobas… e eu me sinto muito sortuda de ter meu filho. Sério. E você, Leigh?!”, quis saber Perrie.

“Pra mim também! Eu acho que é a benção mais linda e incrível, me faltam palavras pra explicar. Mas a coisa mais difícil… é que você não se prepara para algo assim. Não dá pra se preparar pra maternidade. Não importa o quanto você leia, tipo, é difícil! É bem difícil! Você meio que não sabe o que fazer, até ter que fazer, entende?”, explicou Leigh. “Acho que você vai seguindo o fluxo”, acrescentou Edwards.

“Sim, era isso que ia dizer! Por mais que seja difícil, as respostas vêm até você. Eu nunca tive esse instinto maternal até ter os bebês, mas agora que estão aqui, eu sei como segurá-los, sei como fazer todas as coisas. É estranho, né, como é algo natural?! Simplesmente acontece”, refletiu Pinnock. Ah, e elas ainda disseram que os pequenos já se conheceram pessoalmente! A Leigh veio aqui em casa e minha mãe fez um banquete. Foi muito fofo, na verdade. Foi legal pra eles poderem se conhecer, porque serão melhores amigos pra sempre!”, antecipou a mãe de Axel. Own!

Estreia no cinema

Além do evento inesquecível que é dar à luz, outro grande marco acontecerá na carreira de Leigh-Anne neste ano: sua estreia como atriz. A britânica é uma das protagonistas do longa “Boxing Day”, comédia romântica natalina que tem lançamento marcado para 3 de dezembro, no Reino Unido. Questionada sobre como foi a experiência nos sets, ela caiu no riso e lançou uma pergunta para as colegas:

Vocês não acham que vai ser muito estranho me ver num filme?! Vai ser tão esquisito!”.

Oh, eu mal posso esperar! Porque nós te conhecemos tão bem, então acho que vai ser muito engraçado assistir… Vai ser tão bizarro… Mas eu te acho incrível”, elogiou Perrie.

Na sequência, Pinnock então lembrou da reação de sua mãe ao vê-la nas telonas.

Sabe de uma coisa? Eu fui assistir ao filme pela primeira vez e levei meus pais e minha irmã, e minha mãe chorou quatro vezes. Então eu mal posso esperar pra que vocês assistam! Tá muito bom”, declarou.

Além disso, ela também mencionou o quão especial foi integrar um elenco composto, majoritariamente, por pessoas pretas.

“Foi uma honra, também, poder fazer parte de um elenco com todas as pessoas pretas. É uma das primeiras comédias românticas britânicas com elenco preto. Eu acho que é muito maneiro! Acho que foi legal poder fazer parte de algo diferente também, pra sair da minha zona de conforto e atuar, que é algo que nunca tinha feito antes”, pontuou.

Jade, por sua vez, também avaliou a possibilidade de se aventurar em produções cinematográficas:

“Eu e Perrie somos muito fãs de musicais, tipo ‘O Rei do Show’. Isso é algo que eu com certeza posso nos ver fazendo no futuro. E como a Leigh disse, é muito legal e empolgante podermos experimentar coisas novas ao mesmo tempo que temos nosso grupo. É muito legal poder fazer essas outras coisas pelas quais somos apaixonadas e, talvez, nunca tivemos tempo para focar antes. Então nunca se sabe!”. 

“Between Us”

Ainda na entrevista, claro, as donas do Reino Unido nos contaram sobre o processo de criação e organização do novo disco, com os maiores hits da carreira. De acordo com Jade Thirlwall, não foi nada fácil decidir quais músicas entrariam na tracklist, e quais ficariam de fora. 

“Foi muito divertido reviver memórias e escutar todas as músicas antigas para definir qual delas faria parte. Algumas canções acabaram passando despercebidas, como ‘Little Me’, que eu meio que tinha esquecido que existia. (risos) É, foi difícil escolher as músicas!”, admitiu.

“E sobre as novas… Acho que entramos no estúdio sem nenhuma pressão, só queríamos nos divertir e escrever músicas incríveis. E foi isso que a gente fez. Eu acredito que as cinco faixas são uma combinação adorável de música pop de qualidade, que fizemos como presente para nossos fãs de ‘feliz dez anos’”, completou ela.

“Confetti Tour”

Depois de quase dois anos afastadas dos palcos por conta da pandemia, nossas misturinhas entrarão em turnê em 2022 — e elas já avisaram que a “Confetti Tour” virá acompanhada de novas coreografias, arranjos e looks!

Vai ser a melhor turnê que já fizemos. Tem que ser, é nosso aniversário de dez anos! Tem alguns hinos que não vemos a hora de cantar, como ‘Sweet Melody’. Quanto tempo faz que não saímos em turnê? Dois anos?! Três?!”, indagou Leigh.

Tempo demais! É tão estranho”, comentou Perrie.

“Pois é! Então, eu acho que vai ser provavelmente a melhor coisa de todas. Nós não vemos a hora de voltar pros palcos”, animou-se Pinnock, que também disse torcer para que a turnê ganhe datas aqui no Brasil!

Oh, eu amaria isso! Temos que fazer isso acontecer! Não importa o que aconteça, temos que fazer isso rolar!”, avisou. Nós precisamos!”, acrescentou Edwards, que não pôde se juntar às amigas da última vez que o grupo esteve em nosso país.

A passagem do Little Mix pelo Brasil aconteceu em março de 2020, num dos últimos shows antes do isolamento, e causou frenesi entre os fãs. As cantoras, inclusive, ficaram muito emocionadas com a recepção calorosa que tiveram.

“Nós já tínhamos visto esse amor todo do Brasil online — de toda a América do Sul num geral, mas o Brasil especificamente, nós víamos os fãs, sabíamos que tínhamos uma fanbase gigantesca aí, mas acho que não imaginávamos a proporção que isso teria. Foi algo… eu nem sei explicar. Foi provavelmente um dos melhores shows que já fizemos! Foi a recepção mais incrível, minha nossa… Foi muito emocionante. Vocês são barulhentos! Uau! A melhor plateia de todas!”, afirmou Leigh, com um sorriso no rosto.

Agora, nos resta esperar pra ver as rainhas em solo brasileiro novamente, né?! 

Assista à íntegra da entrevista:

Fonte: Hugo Gloss



16.11.21

“Eu estou muito orgulhosa por nós três termos conseguido estabelecer esse vínculo juntas.”

Se você puder acreditar, já fazem 10 anos do grupo britânico Little Mix. De seus dias no X Factor até atualmente, sem a ex-membro Jesy Nelson, as garotas têm feito uma longa jornada – é por isso que seu álbum de aniversário, “Between Us”, é de hit atrás de hit e um pouco de coisas novas por vir. Então, conversamos com Perrie Edwards, Leigh-Anne Pinnock e Jade Thirlwall pelo Zoom para falar sobre a nova coletânea de sucessos, suas colaborações favoritas e como elas uma vez foram subornadas com frango grátis para lançar um “certo single”.

Quem vocês têm ouvido recentemente?

Perrie: Britney [Spears] – por causa de todo o movimento #FreeBritney – Mariah [Carey], Celine [Dion]. Todos os ícones pop, na verdade.

Leigh-Anne: Todos os clássicos. Tenho ouvido lovers rock reggae – o reggae da velha guarda. Às vezes, você simplesmente passa por fases, e essa é a minha fase agora.

Jade: Tenho caído em buracos negros do YouTube, estou apenas o deixando que me digam o que assistir. Normalmente sempre começamos com “Bouncin ‘” de Tinashe, e então leva a “Wild Side” de Normani, e sempre termina em “Get Me Bodied” de Beyoncé. Você acha que o YouTube sempre entrega as mesmas músicas para vocês?

Leigh-Anne: Sim, o seu é Beyoncé, o meu é “Na fazenda tinha um cachorro chamado Bingo, B-I-N-G-O.”

 

Descreva essa compilação em três palavras:

Leigh: Icônica.

Jade: Celebração.

Perrie: Ah, celebração é uma boa! Talvez jornada, porque é literalmente um catálogo da Little Mix. A jornada das nossas carreiras.

 

Qual foi a inspiração por trás das músicas novas?

Perrie: “Between Us” – gosto de como Jade a descreve, como uma canção de amor umas para as outras. É sobre nossa amizade, nossa irmandade, sobre o amor que temos umas pelas outras, como estamos em sincronia. Tem referência de várias outras músicas lá também, o que eu acho muito inteligente. É uma daquelas músicas que não vamos conseguir tocar sem chorar, e os fãs provavelmente vão chorar toda vez que a tocarmos.

“Trash” é uma música muito atrevida. É uma música muito forte e poderosa que é tipo, “Se você não está fazendo isso, e você tem sido um idiota, vá para o lixo.”

“No” – basicamente, nós somos mulheres muito obstinadas e experientes em negócios. Mas, muitas vezes, no passado e na indústria, sempre dizíamos sim. É uma merda admitir, mas há momentos em que as pessoas nos atropelam, nos encurralam e temos que seguir em frente com tudo o que eles dizem. Nós temos sido fracotes, até certo ponto! E decidimos escrever uma música sobre dizer não, para variar.

“Cut You Off” é sobre alguém que é realmente tóxico em sua vida e você não quer mais. Na verdade, fomos para a terapia em grupo, o que achamos muito, muito útil. Disseram-nos para imaginar as pessoas que são negativas em nossas vidas e as pessoas que não nos fazem sentir muito bem com nós mesmas. Imaginamos uma tesoura grande para cortar as pessoas – e então Jade veio com o conceito para transformá-la em uma música, o que eu achei muito legal.

Então nós temos “Love Sweet Love”, que todo mundo já ouviu e é um hino!”

BuzzFeed: Eu adoro que tenha surgido por meio de terapia, isso é muito legal.

Perrie: Nós realmente amamos terapia – porque realmente precisávamos dela. Fizemos isso individualmente e como um grupo também, o que é incrível. Para que possamos estar todas juntas e chorar juntas. É muito bom.

 

Este álbum é para marcar o aniversário de 10 anos da Little Mix – quais são algumas das maiores coisas que você aprendeu com o seu tempo juntas?

Jade: Uma das principais coisas que aprendi é que essa indústria é muito instável. É muito difícil lidar com isso como mulheres e como parte de uma banda de garotas. Mas ao longo de toda essa experiência, nós nos encontramos e ajudamos umas as outras. Aprendi que não importa o que aconteça agora e ao longo do caminho no futuro, sempre terei elas para me ajudar sempre que tiver problemas e isso é realmente lindo. Estou muito orgulhosa por nós três termos conseguido estabelecer esse vínculo juntas. Sim, isso é um pouco clichê.

Perrie: Eu aprendi que Jade tem um ótimo gosto para xícaras [gesticula para a caneca de Jade]. Acho que concordo com o que Jade disse.

 

O álbum abre com “Shout Out to My Ex” – Sempre fico curiosa sobre como o processo de composição / gravação / videoclipe evolui. Quais foram algumas das principais mudanças que aconteceram desde a primeira vez que vocês começaram a compor até o produto final?

Jade: Estávamos em turnê quando ela foi escrita. O que fizemos naquela época, por estarmos muito ocupadas, foi enviar nossas próprias experiências e conceitos para nossos escritores favoritos e então eles fizeram uma sessão de escrita com base no que queríamos que fosse escrito. Então, recebemos um “Shout Out” de KAMILLE, e lembro que mudamos o segundo verso da letra para ser mais parecido com nós. Essa foi a maior mudança, mas no minuto em que ouvimos, pensamos: “Isso é um sucesso”.

 

Olhando para trás, há alguma faixa que você teria feito diferente agora?

Jade: Eu honestamente não me arrependo de nenhum de nossos singles. Vocês?

Leigh-Anne: Não me arrependo deles, porque todos serviram ao seu propósito. Mas eu não teria escolhido “Change Your Life”, pessoalmente.

Perrie: Eu sabia que você ia dizer isso.

Leigh-Anne: Mas adoro como isso teve um impacto positivo em muitas pessoas.

Jade: Não me lembro se era o Nando’s, mas estávamos em um restaurante e basicamente fomos subornadas com uma refeição grátis para [lançar] “Change Your Life” como single.

Perrie: Aposto que eles pensaram: “Sei como anunciar a novidade: vamos alimentá-las com um monte de frango e vai ficar tudo bem.”

 

Qual foi sua lembrança favorita de trabalhar com o Machine Gun Kelly?

Jade: No minuto em que entramos no set, ele disse, “Aqui está uma rodada de drinks!” No final da filmagem, eu estava bastante bêbada. Em seguida, fomos tomar uma bebida – uma bebida amigável. Ele é um grande fã do Oasis, o que eu achei bastante interessante e é por isso que “Wonderwall” é referenciado no rap de “No More Sad Songs”.

Perrie: Ele é uma pessoa tão gente boa. Ele é muito legal.

Leigh-Anne: Na verdade, foi uma de nossas colaborações favoritas. Colaboramos com pessoas incríveis, mas ficamos obcecadas por seu rap desde a primeira vez que o ouvimos. Apenas levou a música a outro nível.

 

Vocês podem compartilhar uma lembrança de trabalhar com o Jason Derulo?

Leigh-Anne: Ele é um amor. Meu sobrinho era obcecado por ele quando pequeno e ele foi tão adorável e tirou uma foto com ele. Ele conheceu seu ídolo e foi muito legal!

 

Eu tenho que agradecer seus dias no X Factor – como seus pensamentos sobre os reality shows evoluíram, se é que evoluíram, desde então?

Jade: Eu acho que programas assim, e como eles eram executados, provavelmente não poderiam mais existir. É um equilíbrio difícil, porque obviamente sabíamos o que era aquela experiência, mas ao mesmo tempo, sempre seremos gratas a esse show porque ele literalmente nos deu a oportunidade de formar o grupo. Por isso, temos muito orgulho e muita gratidão por essa experiência.

Quando criamos The Search , nosso próprio reality show na TV, meio que usamos isso para criar a nossa forma de fazer o programa em termos de dar um pouco mais de apoio, porque naquela época aqueles programas eram muito programas de entretenimento.

BuzzFeed: Eu fiz 25 anos este ano e vi um tweet  “Você estaria na categoria dos participantes mais velhos no The X Factor” e me senti muito humilhada.

Perrie: Isso é estranho, porque quando eu costumava assistir, pensava “Oh, Deus, eles são velhos!”

Jade: Isso é absolutamente louco, que todos nós fazemos parte da categoria “veteranos” agora.

Leigh-Anne: Meu Deus [risos]. Sim, isso é louco.

 

Leigh-Anne e Perrie, como tornar-se mães afetou a abordagem na música, se é que afetou?

Leigh-Anne: Mal posso esperar para voltar ao estúdio e escrever sobre eles.

Perrie: Eles colocaram as coisas em perspectiva, e você ouve música de forma diferente – o que é estranho.

 

O que você espera do próximo ano? Como será essa interação da Little Mix?

Perrie: Mal posso esperar para entrar em turnê: ver todos os fãs, tocar, sinto muita falta. Eu só quero cantar, dançar, estar perto de todos e ter a equipe próxima novamente.

 

Fonte: Buzzfeed

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil



16.11.21

Jade Thirlwall e Leigh-Anne Pinnock também dão spoilers de sua nova turnê e mencionam quais são as suas músicas autorais favoritas.

Comemorando 10 anos de carreira, o Little Mix lançou nesta sexta-feira (12) o seu mais novo álbum de estúdio, a coletânea de sucessos “Between Us”. Com 26 faixas no total, a versão deluxe do projeto traz sucessos dos 10 anos de carreira das artistas, além das inéditas “No”, “Love (Sweet Love)”, “Trash”, “Cut You Off” e a faixa título do álbum, “Between Us”.

Em conversa com o Tracklist, as integrantes Jade Thirlwall Leigh-Anne Pinnock comentam a nova era do trio, dão spoilers de sua nova turnê, revelam quem são seus artistas brasileiros favoritos e mencionam quais são as suas próprias músicas favoritas.

Tracklist: Olá meninas, como vocês estão?

Jade: Olá!

Leigh: Estou bem, e você?

Tracklist: Estou bem. Eu sou o Allan do Portal Tracklist aqui no Brasil, e acompanho vocês desde o “The X Factor”, é um prazer falar com vocês.

Leigh e Jade: Uau! Obrigada!

Tracklist: Primeiramente eu gostaria de parabenizá-las pelos 10 anos. É muito tempo! Como vocês se sentem vendo tanta gente ouvindo suas músicas desde o início de tudo, é uma loucura, não?

Jade: É fenomenal! Eu acho que até hoje nos ainda nos beliscamos, ainda parece estranho mesmo depois de 10 anos nós ainda estarmos aqui, termos tantos fãs, vê-los crescendo a cada dia… Nós temos um grande catalogo de músicas que faz pessoas sorrirem, que as inspiram, é o melhor sentimento do mundo.

Tracklist: Isso é incrível. Bom, “Love (Sweet Love)” foi a primeira mostra oficial de vocês como trio em algo inédito e o primeiro single do “Between Us”, certo? Confesso que é uma das minhas músicas preferidas do Little Mix. Como ela surgiu?

Leigh: Hum, nós escrevemos essa música… Jade… nós escrevemos Love Sweet Love e pra mim parece que tudo do ano passado se tornou um borrão.

Jade: Não consigo lembrar muito bem mas estava eu, Leigh-Anne, MNEK, Lauren Aquilina e Sakima. O Little Mix sempre escreve sobre amor próprio e empoderamento feminino e todas essas coisas, então foi isso que quisemos fazer com Love Sweet Love, e pode ser interpretada de várias formas, da forma que você quiser mas eu a amo muito porque me traz uma vibe nostálgica, todo mundo fazendo grandes vocais, ad-libs e harmonias, então pra mim é Little Mix no seu melhor.

Tracklist: O videoclipe é também é muito legal, possui vários dançarinos. Vocês serviram beleza, atuação, aquela dança com as mãos. Como foi gravar isso?

Leigh-Anne: Ai, meu Deus! O vídeo foi um trabalho duro, eu lembro que estava muito quente, era uma casa verde, não é, Jade? Era deslumbrante. Eu e a Perrie estávamos com a gravidez muito avançada, então foi um grande esforço. E nós finalizamos, não sei como, mas conseguimos. E eu amo o fato que nós parecíamos deusas.

Tracklist: Eu imagino. Meninas, o “Between Us” é uma celebração para vocês e já vi alguns spoilers nas suas redes sociais, porém eu gostaria de saber qual é a favorita de vocês entre as inéditas.

Jade: Das musicas inéditas?

Tracklist: Uhum!

Jade: Das músicas novas, eu diria que “Between Us” é a minha favorita porque é sobre nós e a nossa relação. É uma música muito linda, marca o lugar que chegamos e isso é muito especial.

Leigh-Anne: Sim! Eu também diria “Between Us”. É como você disse, Jade, marca muito bem os nossos 10 anos e eu acho que isso é muito lindo.

Tracklist: Legal. Eu imagino que com a situação da pandemia vocês devem estar loucas para voltar aos palcos. Turnês são a praia de vocês. O que os fãs podem esperar da turnê que está sendo preparada? Novas dinâmicas, novas coreografias, novos figurinos?

Jade: Tudo isso! Vai ser uma festa, um festival, uma grande celebração dos 10 anos de Little Mix. Também vamos dar o momento ao álbum “Confetti”, vão ter muitas musicas do “Confetti” assim como músicas de todos os outros álbuns, inclusive do “Between Us”, então acho vai ser o maior investimento que já fizemos para celebrar. Eu acho que está todo mundo empolgado para finalmente ver shows ao vivo de novo, nós estamos muito empolgadas para voltar à estrada e ver nossos fãs, acho que vai ser emocionante e vai ser maior do que nunca, estamos agradecidas por estamos voltando aos palcos nos apresentando.

Tracklist: Falando em shows, eu não poderia deixar de mencionar a apresentação de vocês aqui no Brasil, em março de 2020. Que show!

Jade e Leigh-Anne: Ai, meu Deus! Uau! Eu amei!

Leigh-Anne: Foi um dos melhores shows da nossa carreira, sem dúvidas.

Tracklist: Quais foram seus momentos favoritos no Brasil?

Leigh-Anne: Com certeza o show!

Jade: Óbvio que sabíamos que tínhamos fãs brasileiros, nós víamos o tempo inteiro nas redes sociais, mas acho que só quando chegamos aí que realmente percebemos o quanto vocês são incríveis. Quando subimos no palco, eu lembro de ofegar e ficar tão impressionada vendo o mar de pessoas, a maioria com roupas do Little Mix, e eles sabiam cada palavra de todas as músicas, dançando e cantando… foi uma das plateias que barulhentas que já tivemos. Foi muito impressionante ver que, mesmo quando performamos músicas como “Wasabi”, eu lembro de pensar: “Como eles vão saber essa música?”, já que não foi um single… mas vocês sabiam cada palavra.

Tracklist: Jade, o Brasil ama Little Mix, todos os fãs sabem todas as músicas do Little Mix.

Jade e Leigh: Awww, isso é incrível!

Jade: Isso é muito lindo e faz tudo valer a pena. Estar no Brasil foi um dos melhores momentos da nossa carreira, andar por São Paulo e ver como era, foi lindo. Eu agora tenho uma paixão por aquelas bolinhas de queijo.

Tracklist: Pão de queijo!

Jade: Sim, eu realmente fiquei obcecada.

Tracklist: Falando em Brasil…Vocês conhecem algum artista brasileiro?

Jade e Leigh: Sim!

Leigh-Anne: Eu amo, é IZA?

Tracklist: IZA! Ela é uma ótima cantora, eu a amo.

Leigh-Anne: Pra mim ela é um ícone fashion também, está sempre incrível, eu a amo.

Jade: Eu realmente amo Pabllo Vittar, icônica!

Tracklist: Pabllo é incrível, a maior Drag Queen do mundo pra mim, ela canta, ela dança, ela é tudo!

Jade: Ela é tudo! É muito inspirador como ela é o que é, sem medo de julgamentos… Eu espero que possamos trabalhar com ela algum dia.

Tracklist: Essa era a minha próxima pergunta. Vocês gostariam de trabalhar com a IZA ou a Pabllo?

Jade e Leigh: Sim! Ai, meu Deus, sim! Com certeza! Nós amaríamos!

Tracklist: Mudando um pouco de assunto, nós ainda estamos enfrentando uma pandemia e o período de isolamento social foi muito difícil para todos. Uma das coisas que me ajudou bastante foi a música e até hoje me salva, tenho escutado tanta gente… Mas e vocês, meninas? Gostaria de saber o que vocês escutaram ou tem escutado nos últimos meses.

Leigh: Minha artista favorita do momento é a Tems, ela é incrível! Eu não sei se você faz isso, mas eu gosto de colocar uma playlist de novidades e ouvir novas músicas, descobrir novos artistas.

Tracklist: Eu costumo fazer isso também e amo a Tems! Ela tem a vibe. E você, Jade? O que tem escutado?

Jade: Eu realmente gostei do álbum recente da Tinashe, é muito bom. O videocilpe de ‘Bouncin’ com o trampolim, sério, muito bom!

Tracklist: Jade, você tem que fazer isso!

Jade: Ai, meu Deus! Talvez na turnê vamos levar alguns trampolins e fazer um versão da Tinashe. E eu acho que no lockdown, pra mim, álbuns como o “Chromatica”, da Lady Gaga, foram muito necessários naqueles dias em que todo mundo estava preso dentro de suas casas e precisando de um motivo para sorrir. É por isso que eu amo genuinamente a música pop, acho que quando você está para baixo ela levanta o astral, é fácil de cantar junto e dançar. Então para mim, o “Chromatica” foi o topo da lista ano passado.

Tracklist: Tudo. Antes de terminar, tenho dois jogos. O primeiro é o seguinte: vou dar a vocês quatro músicas da discografia Little Mix e vocês terão que classificar em: “Pop Perfeição”, “É ok”, “Boa música”, e “Poderia ser melhor”

Jade e Leigh: Hum! Vamos nessa!

Tracklist: As músicas são: “Love a Girl Right”, “Sweet Melody”, “Touch” e “Mr Loverboy“.

Jade: Isso é muito dificil! Ai meu Deus! Como classificar em uma ordem?

Leigh: São todas ótimas músicas, você só pode estar brincando! (risos)

Jade: Eu colocaria “Sweet Melody” no topo, acho que seria uma batalha com “Touch”.

Leigh: Eu acho que tem que ser “Touch” por tudo que fez por nós.

Jade: Justo!

Tracklist: Então “Touch” é “Pop Perfeição”, certo? E qual seria uma “boa música”?

Jade e Leigh: Isso!

Jade: Eu diria que “Sweet Melody”, mas ela não é apenas uma boa música, ela é brilhante! (risos)

Tracklist: Agora só temos “Música Ok” e “Poderia ser melhor”. “Love a Girl Right” e “Mr Loverboy”.

Leigh: Eu prefiro “Mr. Loverboy” do que “Love a Girl Right”, mas eu amo as duas!

Jade: Então “Mr Loverboy” fica com “OK” e “Love a Girl Right” com “Poderia ser melhor”, mas o que teria para melhorar nessa música? Se bem que nós tentamos colocar na setlist para fazer ao vivo, não consigo lembrar por que não deu certo, nós performamos uma vez e tiramos da setlist, então isso vai como algo a melhorar.

Tracklist: Certo. O segundo não seria bem um jogo, mas uma curiosidade: se vocês tivessem que escolher uma música do Little Mix para cantar para sempre, qual seria?

Jade: Eu escolheria “Sweet Melody” porque é uma musica recente e eu nunca me canso de ouvir, ela sempre me pega.

Leigh: Eu escolheria “Wings”, eu a amo muito.

Tracklist: É isso! Obrigado por apoiarem minha comunidade, minha raça, vocês são uma inspiração.

Jade e Leigh: Awww! Nós te amamos! Obrigada por tirar um tempo para falar com a gente. Você sempre deve ter muito orgulho de quem é, pois você está aqui conosco e nós somos tão gratas por tê-lo nos apoiando todos esses anos.

Tracklist: Eu espero ver vocês no Brasil de novo, hein!

Leigh: Por favor, me levem para o Brasil! Mal podemos esperar!

Tracklist: Vocês podem mandar uma mensagem para seus fãs brasileiros?

Leigh: Eu amo vocês! De verdade, nós amamos muito vocês. Obrigada do fundo dos nossos corações por tudo que vocês fazem por nós, pela dedicação, por acreditarem na gente. Vocês são incríveis e eu mal posso esperar para vê-los novamente.

Tracklist: Obrigada meninas, mandem um beijo para Perrie.

Jade e Leigh: Vamos mandar! Beijos!


O novo álbum de estúdio das meninas do Little Mix já está disponível em todas as plataformas digitais e veio acompanhado de um clipe para a faixa “NO”. Vida longa ao grupo!

 

Fonte: Tracklist



16.11.21

A espera acabou! Na noite desta sexta-feira (12) o Little Mix liberou o tão esperado “Between Us“, uma coletânea que une hits de sucesso e cinco músicas inéditas! O álbum marca uma nova era para PerrieJade Leigh-Anne, que sairão em turnê em 2022. Ao POPline, as meninas contaram com exclusividade seus planos futuros, falaram sobre um possível feat. com Pabllo Vittar e, de quebra, se podemos esperá-las em solo brasileiro novamente.

Between Us chega no aniversário de 10 anos do Little Mix como uma verdadeira celebração. São 26 faixas no total, incluindo as inéditas “No“, “Love (Sweet Love)“, “Between Us“, “Cut You Off” e “Trash“.

Ao POPlineJade disse que o novo álbum traz “o melhor do Little Mix“, principalmente porque elas o produziram de maneira muito natural: “Nós não colocamos pressão umas nas outras, só queríamos escrever músicas pop muito boas e é isso que fizemos. Nós esperamos que os fãs amem elas assim como nós”.

Elas, inclusive, confirmam o desejo de testar coisas novas, inclusive parcerias, reunindo na coletânea canções de destaque que contam com outros artistas. Sean PaulMachine Gun KellyStormzyCNCONicki MinajSaweetieGalantisDavid Guetta e Anne-Marie, por exemplo, foram confirmados na tracklist.

“Estamos sempre abertas a tentar novas aventuras, conhecer novas pessoas, eu acho que é isso que tentamos fazer ao longo dos anos. Nós fizemos bastante colaborações, tentamos coisas bem diferentes e continuamos fazendo isso”, completou Jade.

A seguir, confira a entrevista entrevista exclusiva do Little Mix ao POPline!

POPLINE — Vocês podem nos dizer quando as músicas novas do “Between Us” foram gravadas e que tipo de som podemos esperar?

JadeAs músicas novas do álbum “Between Us” foram gravadas neste ano e eu acho que são cinco músicas bem pop, o melhor do Little Mix. Quando fomos ao estúdio nós sabíamos que seriam divulgadas neste álbum de celebração e essas músicas adicionais, nós não colocamos pressão umas nas outras, só queríamos escrever músicas pop muito boas e é isso que fizemos. Nós esperamos que os fãs amem elas assim como nós.

POPLINE — “Between Us” também incluirá uma compilação de clássicos do Little Mix. As canções serão regravadas ou teremos novos arranjos no álbum?

Leigh-AnneNós queríamos nos empenhar bastante nas faixas novas, então eu acho que é por isso que nós meio que, dedicamos mais o nosso tempo. Quer dizer, você nunca sabe o que pode vir, você vai precisar esperar para ver. Talvez tenhamos alguma surpresa.

POPLINE — Em termos musicais, o que mudou para vocês no último ano? Vocês querem experimentar novos sons no futuro?

JadeEu acho que nós estamos sempre tentando coisas novas e colaborando com pessoas. Neste ano nós trabalhamos com Galantis, com quem nós nunca tínhamos colaborado, quando nós liberamos “Heartbreak Anthem“. Eu nem cheguei a imaginar o quão grande essa música iria se tornar. Foi algo que nós nunca tínhamos feito antes e foi incrível, então sim, estamos sempre abertas a tentar novas aventuras, conhecer novas pessoas, eu acho que é isso que tentamos fazer ao longo dos anos. Nós fizemos bastante colaborações, tentamos coisas bem diferentes e continuamos fazendo isso.

POPLINE — Estão ansiosas para a turnê?

Leigh-AnneSim, eu mal posso esperar. Eu não acho que fiquei tão animada, eu só quero chegar naquele palco, ver nossos fãs e performar nossas músicas. É por isso que trabalhamos, então pode vir.

POPLINE — E a vida de mãe, como está?

Leigh-AnneÉ maravilhoso, eu acho que é provavelmente a maior benção que eu já tive. É lindo. Eu continuo dizendo que não tenho palavras. A hora que eu vi meus dois campeões é o que importa. É lindo. Mas eu estou cansada, bem cansada.

POPLINE — Após a turnê, quais são os planos futuros do Little Mix?

JadeEu sinto que o Little Mix nunca vai morrer, Little Mix sempre vai estar ali não importa o que acontecer. Eu acho que é isso, nós vamos fazer coisas que gostamos bastante tanto individualmente como em grupo. Leigh-Anne está em um filme que vai lançar neste ano, estamos fazendo nossos pequenos negócios e eu acho que é muito amável ter essa segurança e conforto em saber.

POPLINE — Podemos esperar uma colaboração com a Pabllo Vittar? Muitas pessoas suspeitavam que a veriam se juntar a vocês, David Guetta e Galantis em “Heartbreak Anthem“.

JadeSeria incrível na verdade. Nós, honestamente, amaríamos colaborar com a Pabllo. Eu acho ela incrível, uma artista incrível, muito inspiradora e obviamente uma ícone. Vamos ver, talvez no futuro.

POPLINE — E um novo show no Brasil? Existe essa possibilidade?

Leigh-AnneÉ um sonho, né. Nós queremos muito. Fazer uma turnê pela América do Sul seria o sonho. De um jeito ou de outro nós vamos voltar. Nós precisamos, nós sentimos tanta falta de vocês, de verdade.

JadeFoi nosso último show. Eu lembro, Covid-19 tinha acabado de acontecer, estávamos em turnê e esse foi o nosso último show. Nós ficamos tão gratas por conseguir fazer aquele show porque foi tão fenomenal e nós finalmente conhecemos e vimos nossos fãs brasileiros, foi um dos melhores momentos na nossa carreira.

POPLINE — Gostariam de deixar uma mensagem aos seus fãs brasileiros?

JadeObrigada, eu acho. Nós adoramos eles, somos muito gratas. Vemos eles todos os dias nas redes sociais. Eles têm sido tão leais com a gente ao longo dos anos. Muito obrigada por nos dar um dos melhores shows que nós já fizemos. De verdade, foi um dos nossos shows favoritos. Demorou um pouco para chegarmos ao Brasil, mas a espera valeu a pena. 100%.

 

Fonte: Popline



16.11.21

O legado da Little Mix: Como um dos melhores grupos femininos que já fez isso ainda está, bem, fazendo isso

Enquanto Jade Thirlwall, Leigh-Anne Pinnock e Perrie Edwards se preparam para lançar seu álbum de maiores sucessos, “Between Us”, o trio se abriu para o BuzzFeed News sobre sua irmandade de dez anos, as lições que aprenderam ao longo do caminho e o que podemos esperar a seguir.

No decorrer das atividades de sexta-feira, dissecar a discografia titânica de um dos maiores e mais bem-sucedidos grupos femininos do mundo definitivamente está entre as melhores. A única maneira de melhorar, na verdade, é discutir essa discografia com as mulheres que cantaram essas canções.

É assim que me encontro em uma tarde de sexta-feira em outubro, vestindo um moletom de “Wasabi” e dizendo à Jade Thirlwall pela enésima vez que a Little Mix só serviu hinos nos 10 anos em que estão juntas. Leigh-Anne Pinnock está fora da câmera cuidando de seus gêmeos recém-nascidos quando nossa ligação começa, enquanto a nova mãe Perrie Edwards está um pouco atrasada, o que me dá a oportunidade perfeita para encher os ouvidos da Jade sobre seu catálogo icônico antes de começarmos.

“Eu sei, é hino atrás de hino”, diz Jade, de 28 anos. Mas com sucessos ao longo de uma década, deve ter sido uma jornada e tanto relembrar para escolher quais músicas entrariam em “Between Us”, o próximo álbum de maiores sucessos da banda, que também oferece cinco faixas novas.

“Quando você está nessa indústria, a cada ano você faz um ciclo, você passa por isso, blá, blá, blá,” diz Jade. “Mas quando você realmente tem que sentar e olhar para todas as faixas e ouvi-las pela primeira vez depois de um tempo, eu fiquei tipo, ‘Nossa, nós realmente conseguimos. Nós realmente fizemos isso.'”

E é impossível argumentar contra isso. A edição standard de “Between Us”, com lançamento em 12 de novembro, apresenta quatro sucessos número um, dez singles top 5 e 16 músicas que chegaram ao top 10. Somadas, a tracklist recebeu mais de 3,5 bilhões de streams no Spotify. O legado de Little Mix continua a tomar forma, sua magia perdura e sua longevidade é inegável.

Uma coisa que mudou é a própria composição do grupo. Em 2020, Jesy Nelson anunciou sua saída da Little Mix, citando razões de saúde mental. No entanto, o foco desta entrevista é falar com as integrantes restantes, enquanto elas comemoram mais um marco em suas carreiras.

Mas por onde você começa quando está entrevistando um grupo que está junto há uma década e teve o sucesso com o qual a maioria das pessoas só pode sonhar? Bom, do início, é claro…

DNA
Depois de se tornar o primeiro grupo a vencer o The X Factor UK em 2011, Little Mix recebeu um single de estreia que não representava muito bem o seu estilo. Então, elas voltaram no verão de 2012 com “Wings” – uma música que realmente fez jus a quem elas eram – e encerraram o ano com o lançamento de seu álbum de estreia, DNA.

“Não acho que estávamos realmente preparadas”, diz Leigh-Anne, 30, olhando para o início de sua carreira. “Aprendemos literalmente ao longo do caminho. Acho que nem lemos nosso maldito contrato quando o assinamos. Éramos ingênuas e jovens nesse nível”.

Mas se elas estavam sentindo a pressão, isso não transpareceu – “Wings” se tornou o segundo single número um do grupo, com o álbum “DNA” alcançando o 3º lugar no Reino Unido e o 4º nos Estados Unidos – algo tradicionalmente difícil de conseguir.

Naquele início, o grupo era despreocupado, absorvendo a nova vida como jovens estrelas do pop.

“De certa forma, sinto falta da inocência”, diz Perrie, 28, depois de alguns segundos sem perceber que ela está no mudo e não conseguimos ouvir o que ela está dizendo.

Um breve interlúdio para relembrar o pesadelo de nos comunicarmos virtualmente durante o primeiro isolamento nos distrai por um momento, mas estamos rapidamente de volta aos trilhos.

“Acho que sinto falta de como tudo era novo e empolgante. Eu ficava meio, ‘Ai, meu Deus, uau! Ai, meu Deus, uau!’ em relação a tudo, era tão especial no começo.”

Como mulheres que viram e experimentaram mais do mundo agora, há algo que elas gostariam de dizer a si mesmas quando entraram na indústria?

“Eu diria: ‘Querida, não gaste esse pagamento antecipado em uma viagem para Marbella. Você poderia ter guardado isso e colocado como um depósito em um apartamento ou algo assim”, brinca Jade. “Acho que no início, obviamente, éramos tão ingênuas, não sabíamos o que estávamos assinando, recebemos um pagamento antecipado, pensamos que de repente éramos muito ricas e eu desperdicei todo o dinheiro em seis meses. Ele se foi.”

“Você se lembra daquele prato de camarões que eu pedi no hotel?” Leigh-Anne pergunta a Jade e Perrie enquanto ambas caem na risada com a memória. “Eles eram tão caros que não tinham o preço ao lado… Eu basicamente achei que a gravadora pagava por tudo, então quando nós estávamos saindo do hotel, minha conta estava muito alta e as garotas ficaram tipo ‘O que diabos você fez?’ E eu ‘’Bom, já está pago, não é?’ E elas disseram, ‘Não, não está!”

“Ela pedia as coisas mais caras todas as noites pensando que a gravadora estava pagando”, acrescenta Perrie entre risos. “Ela estava tipo, ‘Vou querer dois desses. Vou querer esses camarões. Sazonais, não são? Bom, é melhor eu pedir!’ Sua conta ficou bizarra.”

Jade também se lembra de um momento em que foi acusada de roubar um pernil de cordeiro de um hotel, uma memória que Perrie acrescenta que nunca vai esquecer.

“Nós, do norte, chegamos àquele hotel chique, e eles pensaram que éramos necessitadas”, diz Jade. “Essa foi uma lição rápida aprendida. Foi muito estilo Pretty Woman.”

Mas camarões, pernil de cordeiro e torragem de dinheiro de lado, há mais alguma coisa que elas diriam a si mesmas?

“Não confie tanto em todos ao seu redor”, diz Jade. “Éramos tão jovens e, obviamente, nossa família e amigos também não faziam ideia de como as coisas funcionavam, então literalmente não havia ninguém para nos aconselhar. Isso é uma coisa que eu diria.”

Salute
As integrantes do grupo são as primeiras a reconhecer que enfrentaram uma pressão imensa com o lançamento do segundo álbum – elas queriam capitalizar o sucesso do primeiro enquanto continuavam a elevar seu som.

“Acho que o DNA foi uma grande estreia para nós, então definitivamente houve muita pressão em trazer o Salute”, diz Leigh-Anne, apontando que a Little Mix sempre quis se inclinar para o R&B e se mostrar como um grupo de harmonia vocal. “O DNA foi muito pop, e queríamos voltar ao que originalmente queríamos ser. Por isso que o Salute foi muito mais voltado para R&B.”

Embora o álbum não tenha chegado ao mesmo sucesso que o “DNA” nas paradas, alcançou o 4º lugar no Reino Unido e o 6º nos Estados Unidos, nas palavras de Leigh-Anne, “serviu ao seu propósito” em continuar a construir a reputação da Little Mix, e é um trabalho de que o grupo ainda “se orgulha muito”.

“Acho que estávamos bem à frente do nosso tempo quando lançamos essas músicas”, diz Perrie em resposta ao meu monólogo sobre a atemporalidade de “Move” e “Salute”.

“Sim, atemporais, definitivamente. O que eu amo é que sempre tentamos fazer um esforço consciente para lançar músicas que [não] eram comuns na época. Quando lançamos ‘Move’ – digo, sim, esse tipo de som estava estourando na América, mas acho que não no Reino Unido.”

E “Salute” fala por si.

“Se você pensar bem, já temos dez anos de carreira e muitas vezes ainda abrimos nossos shows ou festivais, com ‘Salute’, porque essa música é aquela vadia”, continua Perrie. “Ela te dá um soco na cara, e é isso que eu amo nela. Então, sim, você está certa – são atemporais.”

Eu pergunto se elas consideraram regravar as músicas para o seu álbum de maiores sucessos, dado o quanto já mudou. No entanto, embora a ideia fosse atraente, não era realista devido à licença-maternidade de Leigh-Anne e Perrie. E Jade também destaca que preservar as músicas comprova o quão longe elas foram.

“Eu gosto de não termos feito isso, porque é bacana ouvir o crescimento e a evolução”, diz ela. “É legal ouvir como nossas vozes mudaram, como mudamos como grupo. Mas acho que quando lançarmos [Between Us], haverá algumas coisinhas que faremos, obviamente nós três, o que vai ser bom.”

Get Weird
Os dois primeiros álbuns da Little Mix as estabeleceram como grupo. Mas o terceiro atirou-as para a estratosfera e deu-lhes o sabor adequado da adoração global.

No cerne de “Get Weird” – um projeto nascido das cinzas de um álbum que o grupo descartou depois da era “Salute” – estava, claro, a música “Black Magic”. A canção incrivelmente cativante pode ter disparado direto para o número um, mas Jade estava inicialmente desconfiada quando o grupo a ouviu pela primeira vez.

“Ninguém poderia negar que era uma boa música”, diz ela. “Lembro de quando ouvimos pela primeira vez, eu não tinha tanta certeza sobre ‘Black Magic’ porque era muito pop.”

Mas Jade também estava preocupada porque o grupo não havia escrito a música, em um período em que elas estavam desesperadas para provar que eram mais do que apenas cantoras.

“Foi a primeira música que não tínhamos escrito ativamente, e acho que tive um pouco de orgulho, porque era muito importante para nós também sermos vistas como compositoras de credibilidade”, diz Jade. “Então, ficar com essa música sem ter feito parte dela foi difícil de engolir, eu acho. Mas, quanto mais nos envolvíamos, e uma vez que gravamos, eu fiquei tipo ‘sim!’”.

No entanto, como o próprio grupo admite, “Black Magic” foi oferecida exatamente quando elas estavam procurando por um hit – e o então chefe de sua gravadora, Sonny Takhar, acreditou tanto na música que lançou um enorme orçamento e uma grande campanha.

“A campanha foi incrível”, lembra Jade. “Voamos para LA e gravamos o clipe. Foi uma filmagem de dois dias. Pela primeira vez em nossa carreira, realmente sentimos algo borbulhando, tipo, ‘Isso vai ser enorme e vai ser um momento’. E assim foi. Isso nos catapultou mais internacionalmente. Foi número um por semanas.”

Mas, embora sua terceira era tenha sido um sucesso em todos os sentidos, o melhor ainda estava por vir.

Glory Days
Pensando bem, Glory Days é apropriadamente nomeado. É a Little Mix no auge de seus poderes, descobrindo novos níveis de fama e de sucesso que as puxaram por todo o mundo.

“Eu olho para trás e acho que foi um dos momentos mais felizes e incríveis da minha vida”, diz Perrie com um sorriso, após ser repreendida por sua mãe por não carregar seu celular antes da entrevista.

“Me deixa feliz, e acho que é por isso que sou tão apegada ao álbum e aos singles, porque só me lembro de nós nos divertindo. Isso é tudo que me lembro dessa campanha. Viajávamos pela Europa, dávamos cambalhotas nos corredores dos hotéis, pedíamos serviço de quarto e dormíamos juntas. Foram bons momentos.”

Mesmo que pareça impossível, eu pergunto se o turbilhão em torno de Little Mix neste momento aproximou o grupo.

“Acho que sim”, diz Perrie. “Sempre fomos próximas e sempre apoiamos umas às outras, mas acho que por algum motivo naquela época, lembro de pensar ‘Meu Deus, não consigo sobreviver sem essas meninas’. Mesmo que eu já pensasse assim antes, aquela época realmente consolidou isso.”

Mas Perrie também aponta que elas estiveram lá uma para a outra nos momentos difíceis também.

“Sim, nós nos divertimos e rimos juntas, mas também choramos juntas e apoiamos umas as outras quando estamos passando por merdas e coisas pessoais”, diz ela. “Só acho que realmente consolidamos nossa irmandade naquela época. Tudo significou muito para nós.”

“Shout Out to My Ex” deu início à era com uma declaração difícil de distorcer. Era óbvio que términos anteriores foram uma inspiração. Mas isso torna difícil lançar uma música que é tão pessoal para você, especialmente quando você sabe que o público vai querer examinar cada letra em busca de significados ocultos?

“As músicas podem ser interpretadas da maneira que a pessoa quiser, o que às vezes é uma coisa boa, mas também pode gerar rumores e causar todo o tipo de confusão”, diz Jade. “Mas, você sabe, se você está orgulhosa da sua música e se mantém fiel à mensagem dela, você tem que assumir, não é?”

“Especialmente se as pessoas se identificam” Perrie concorda. “Se você lança uma música e centenas de milhares – milhões, até – de pessoas podem ouvir, se relacionar com ela e se sentirem fortalecidos por ela, então vale a pena nos sentirmos um pouco desconfortáveis, porque é muito maior do que nós. É muito maior do que isso.”

Como se o single principal de “Glory Days” não fosse grande o suficiente, Little Mix então seguiu com outro hino na forma de “Touch”, uma música que eu ressalto que tem muita versatilidade quando você compara a versão original com a acústica.

“Acho que arrasamos. Na verdade, acho que não fazemos o suficiente”, diz Leigh sobre o acústico.

“Touch é provavelmente um dos acústicos mais bonitos que já fizemos.” Jade deixa escapar que elas têm outro saindo em breve, mas o grupo permanece calado sobre qual música.

Mas quando se trata da primeira apresentação acústica de “Touch”, em 2016, eu e todos os outros fãs percebemos que, enquanto o grupo brilhava como de costume, foi Leigh-Anne que realmente reluziu, dominando o palco e atingindo aquela impressionante nota alta que ela continuou a fazer desde então. Eu pergunto se essa música e apresentação em particular ajudaram a aumentar sua confiança, ou se isso foi apenas uma interpretação de alguém de fora que pode estar muito errada.

“Não, você está totalmente certa. Definitivamente aumentou a minha confiança, nunca vou esquecer o dia em que tocamos ao vivo pela primeira vez”, diz Leigh-Anne. “Deu alguma coisa em mim. Eu só pensei ‘Dane-se, eu simplesmente vou com tudo’. E me conhecendo, eu provavelmente estava no camarim enlouquecendo com isso, tipo, ‘Será que vou alcançar a nota?’ Eu simplesmente fui em frente, então fico muito orgulhosa de mim mesma por ter feito isso.”

A apresentação deu a Leigh-Anne uma nova perspectiva, que ela tem levado adiante desde então.

“A partir daquele momento, eu penso ‘Meu Deus, pare de ser tão dura consigo mesma. Vá fundo”

A era “Glory Days” também permitiu que a Little Mix elevasse sua moda ao começar a trabalhar com os estilistas Zack Tate e Jamie McFarland, cujo perfil do BuzzFeed News foi feito em 2020. Até aquele ponto, o grupo estava feliz em se vestir apenas para o conforto, algo que as colocou em apuros com sua gravadora.

“Lembra quando levamos bronca da gravadora?” Perrie diz, levando todas as três para outra rodada de risos. “Íamos para o trabalho ou para reuniões vestindo moletom. Disseram que basicamente parecíamos um pouco desleixadas, então tínhamos que fazer mais esforço.”

E foi aí que Zack e Jamie entraram em ação. Todas as três notam que seus estilistas têm um trabalho incrivelmente difícil, não menos porque, de alguma forma, têm que atender a cada um de seus gostos individuais, ao mesmo tempo que se certificam de que elas têm um visual coeso como grupo. Mesmo assim, eles parecem conseguir sempre.

“Acho que foi a primeira vez que eles entraram em cena onde tudo se tornou individual, mas coeso”, diz Jade, enquanto as outras concordam. “Zack e Jamie são muito importantes para nos fazer parecer um grupo feminino elegante e incrível.”

LM5
Enquanto “Glory Days” era uma perfeição pop jovem e despreocupada, “LM5” era elegante e descolado, com seu single principal, “Woman Like Me”, estabelecendo o grupo como mulheres crescidas e independentes. No entanto, enquanto a Little Mix estava pronta para desfrutar de outra campanha promocional de grande orçamento, as coisas logo mudaram quando elas deixaram sua gravadora dias antes do lançamento do “LM5”.

“[“Woman Like Me”] estava realmente servindo tudo. O conceito era incrível. Então era muito grandioso e especial”, Jade diz agora. “Então, obviamente, a mudança de gravadora aconteceu no meio disso e meio que dificultou as coisas, o que foi uma pena, porque fomos para a América tentar criar um álbum americano e não fomos lá nenhuma vez para promover.”

Ela acrescenta:

“Foi uma grande curva de aprendizado para nós. Não me lembro de ter sentido muita pressão em termos de fazer o álbum, porque acho que LM5 é um álbum fenomenal. Está entre os nossos melhores, então merecia a campanha como a do Glory Days e a campanha mundial, mas você sabe, estava meio que fora de nosso controle.”

Mas uma coisa que mais se destaca no “LM5” é a maneira como seu som divergia drasticamente de seu antecessor, “Glory Days”. É a prova mais uma vez que a Little Mix está sempre tentando mudar, em vez de fazer o que é seguro.

“Adoro o fato de não termos feito apenas outro álbum semelhante ao Glory Days”, diz Leigh-Anne. “Temos que progredir continuamente, temos que continuar, e acho que isso é o que há de bom nele também.”

Confetti
Infelizmente para Little Mix, a campanha de seu próximo álbum também estaria fora de suas mãos, com seu sexto álbum, “Confetti”, pego no fogo cruzado pandêmico. Como outros artistas lançando música na época, o grupo teve que promover o álbum em casa e desistir de ideias para um videoclipe para acompanhar o single principal, “Break Up Song”.

“Foi difícil, não foi?” Jade fala da época. “Foi muito difícil, porque estamos acostumadas a literalmente fazer o máximo, tudo o que somos capazes. Little Mix é tão extra. Não fazemos nada pela metade.”

No entanto, elas não deixaram o isolamento abalar seus ânimos.

“Você tem que se manter em movimento”, diz Jade. “Acho que só queríamos ter certeza de que nossos fãs também teriam algo pelo qual ansiar. Foi uma época de merda – não queríamos privar nossos fãs de músicas novas, então simplesmente fizemos acontecer.”

Agora, o grupo está feliz que as coisas aconteceram da maneira que aconteceram, até porque isso acabou dando a elas seu single número um na forma de “Sweet Melody”, pelo qual elas foram capazes de dar tudo de si após seu lançamento. Mas há um universo alternativo onde “Sweet Melody” poderia ter sido vítima do destino de “Break Up Song” enquanto Perrie pressionava para que fosse o single principal, até mesmo ameaçando deixar o grupo se não fosse, em uma chamada de Zoom. Isso pode ter sido uma piada, mas é claro que ela amou a faixa desde o início – mesmo que outras pessoas não gostassem.

A história diz que Jade e Leigh-Anne estavam em LA com Tayla Parx, que já trabalhou com a amiga Ariana Grande no hit “7 Rings”, quando Tayla tocou a faixa para elas. No entanto, embora o grupo e sua equipe sejam geralmente um tanto “coesos” em seus sentimentos por uma música, “Sweet Melody” inicialmente causou uma reação mista. Jade afirma, no entanto, que ela teve o “mesmo sentimento” que teve com “Wings” e “Shout Out”, em que ela soube imediatamente que a música era um sucesso.

“Eu sinto que ‘Sweet Melody’ cumpre todos os requisitos do que uma música pop deve ser.”

Between Us
Isso nos leva aos dias atuais, quando Little Mix se prepara para lançar seu álbum de grandes sucessos, “Between Us”, marcando sua primeira era como um trio.

Gravar as cinco novas músicas foi um processo “natural” e “fácil” de acordo com Leigh-Anne, até porque não houve qualquer pressão.

“Queríamos apenas ir lá e descobrir o que nos inspirou na época ou falar sobre as coisas que estávamos passando”, diz ela. “Foi bem natural.”

Ela acrescenta que “Between Us”, que foi lançada como uma música na semana passada, é a favorita do grupo, pois é sobre sua irmandade depois de dez anos juntas.

“É uma música que não vamos conseguir terminar na turnê. Todas nós vamos chorar. Os fãs vão chorar. Sim, peguem os lencinhos para essa.”

A turnê é algo que as empolga, especialmente porque marcará sua primeira apresentação para os fãs desde o início da pandemia.

“Muito ansiosa. Desesperada. Mal posso esperar. Por mais que eu ame estar em licença maternidade, eu vou ficar tipo, ‘Mãe, segure meu bebê’”, diz Perrie enquanto Leigh-Anne ri e concorda.

“É para isso que vivemos. Performar é o que fazemos. É para isso que fazemos tudo isso – ver os fãs e sentir em nossas barrigas a ansiedade antes de subir no palco. Eu sinto muita falta de tudo isso. Então, esperem grandes coisas dessa turnê, porque eu acho que estamos desesperadas para voltar ao palco. Nós queremos que seja o melhor show de todos.”

Então, depois de 47 minutos de bate-papo e minha sugestão para me tornar o quarto membro da Little Mix, eu só tenho uma pergunta final: Quando elas pensam em sua carreira, com todas as conquistas e sucesso que isso lhes trouxe, qual elas querem que seja o seu legado?

“Eu quero ser o grupo que, daqui a 40 anos, ainda somos citadas como um modelo de como ser um grupo feminino”, diz Jade. Todas elas concordam. “E abrir o caminho para outros grupos femininos no futuro, porque é muito difícil para grupos femininos prosperarem e florescerem, então espero que tenhamos aberto um pouco o caminho para que isso aconteça.”

“Eu só quero que resistamos ao teste do tempo, e acho que faremos isso”, ela conclui. “Acho que conquistamos tantas coisas, e acho que ainda estaremos aqui em dez anos, 20 anos. Estaremos fazendo isso de vez em quando, outra turnê, tenho certeza – não importa o que aconteça.”

 

Fonte: Buzzfeed News

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil



11.11.21

Leigh-Anne, Jade e Perrie revisam seu catálogo e refletem sobre por que 2021 foi um “ano incrível para todas nós”

“Este ano foi tão lindo,” Jade Thirlwall diz com seu forte sotaque Geordie, apenas alguns minutos em uma chamada Zoom com a Billboard. “Houve muitas mudanças importantes para todas nós neste ano.”

Ela não está exagerando: o grupo feminino britânico de enorme sucesso está passando por um momento de transformação em vários níveis. O agora trio está celebrando seu 10º aniversário – uma vida inteira para um artista pop, especialmente um gerado pelo The X Factor em 2011 – e fechando a sua primeira década com “Between Us”, um projeto de grandes sucessos que será lançado nesta sexta-feira. Em agosto, as integrantes Leigh-Anne Pinnock e Perrie Edwards também se tornaram mães pela primeira vez, dando boas vindas a gêmeos e um menino, respectivamente, com apenas alguns dias de diferença nos partos. (As duas estavam conciliando os deveres de mães com as obrigações de estrelas do pop quando falaram com a Billboard no final de outubro – Edwards disse ao grupo para começar a entrevista sem ela e se juntou à videochamada um pouco mais tarde.)

“Você nunca pode se preparar para como sua vida vai mudar. Ser mãe é a bênção mais incrível e linda e eu realmente não tenho palavras para isso ”, diz Pinnock“Tem sido um ano realmente incrível para nós. Crescemos muito e tantas coisas lindas aconteceram para todos. Tem sido um bom ano.”

Little Mix descrever o ano de 2021 em termos tão brilhantes pode ser uma surpresa para alguns, dada a outra grande mudança pela qual o grupo passou recentemente – tornar-se um trio e o tumulto que se seguiu. No final do ano passado, não muito depois de lançar seu sexto álbum, Confetti”, Jesy Nelson anunciou que estava saindo do grupo, explicando que as pressões de estar em um grupo de garotas estavam afetando muito a sua saúde mental.

No entanto, quando ela lançou sua carreira solo neste outono com a colaboração de Diddy com Nicki Minaj no single “Boyz”, as coisas ficaram mais complicadas. Depois que os críticos acusaram Nelson de“Blackfishing” e promover estereótipos raciais na música e no clipe, ela se juntou a Minaj para uma live no Instagram, na qual ela disse que suas colegas de grupo nunca a abordaram preocupadas com sua aparência até o último clipe filmado [de “Sweet Melody”]; por sua vez, Minaj atacou os outros membros do grupo na live e nas redes sociais, referindo-se a elas como “ciumenta” e “palhaça [s]” e acusando Little Mix de “assédio moral” contra Nelson. (Desde então, Nelson disse que “não há rivalidade” com as integrantes restantes.)

Até agora, o grupo se absteve de comentar sobre as polêmicas em detalhe; em conversa com a Billboard , elas não falam da saída de Nelson, apenas enquadram os últimos meses em termos de crescimento pessoal.

“Observando as meninas e eu mesma, e eu sinto que este é o ano em que conquistamos a nossa própria independencia e sucesso”, diz Thirlwall.

Pinnock acena com a cabeça em concordância. “Estamos em um ponto em que somos mulheres adultas, todas temos muita confiança em nossa própria pele e sabemos exatamente quem somos agora, tanto individualmente quanto dentro do grupo. Sinto uma energia calma com nós três agora. Nós sabemos quem somos. Nós temos ums as outras. E é sobre isso.”

Então elas se fortaleceram como um trio, planejando uma turnê no Reino Unido-Irlanda em 2022 e continuando a lançar novas músicas em seu ritmo constante – desdeConfetti”, elas lançaram cinco singles e clipes, além de gravar novas músicas para Between Us”. Para um grupo que nunca parou por mais de dois anos entre os álbuns de estúdio, mesmo durante a pandemia, Thirlwall diz que uma coletânea de grandes sucessos ofereceu ao trio a chance de apertar o botão de pausa.

“Relembrando quando estávamos escolhendo faixas para o álbum – ouvindo a discografia e escolhendo o que entraria na coletânea – foi incrível voltar no tempo e revisitar essas memórias”, diz ela. “Quando você não para e está apenas dentro deste processo, esquece o quanto evoluiu e mudou ao longo dos anos.”

“Os últimos anos foram mais silenciosos do que o normal, obviamente, com tudo acontecendo”, acrescenta Pinnock“Mas ainda conseguimos fazer clipes, muitas divulgações- fizemos muito considerando a situação! A principal coisa que sentimos falta é a turnê. Todas nós tivemos nosso tempo para relaxar. Agora, coloque-nos de volta na frente de nossos fãs. ”

Enquanto o grupo reflete sobre uma década com o lançamento do “Between Us”, a Billboard pediu a Little Mix para olhar para trás em sua discografia – não apenas os sucessos, mas osas músicas profundas, as favoritas dos fãs e muito mais.

A música que você diria a um novo fã para ouvir primeiro:

Leigh-Anne: Jade, acho que você pode concordar – “Sweet Melody”?

Jade: Sim. Essa preenche todos os requisitos. Está te dando vocais, está te dando coreografia, é uma batida brilhante, é dançante, é edificante, é sexy, é divertida.

Leigh-Anne: Representa Little Mix!

A música que você tem que incluir na setlist do show ou os fãs vão se revoltar:

Leigh-Anne: “Shout Out To My Ex”, né? Essa é o hino. É um fato. “Shout Out” tem que estar na setlist, 100 por cento.

Jade: É a que geralmente tende a reagir melhor. Cada pessoa naquele público pode se relacionar com essa música. Todo mundo tem um ex. Todo mundo tem essa pessoa. E então, quando tocamos, você pode ver um mar de pessoas gritando no refrão e fazendo o movimento de punho para cima como nós fazemos. É um hino de bem-estar adequado ao qual todos podem se relacionar.

A música que você sempre deseja cantar – mesmo que ninguém mais se importe:

Jade: Oh meu Deus. Lembro que na turnê do “Glory Days” eu teria lutado até a morte para encaixar “Nothing Else Matters na setlist.

Leigh-Anne: Oh sim! [Risos]

Jade: Eu estava tipo, “eu não dou a mínima para quem gosta disso ou não, está acontecendo.” E eu realmente acho que reagiu muito bem na turnê, o público realmente gostou. É um momento adorável para respirar. “Nothing Else Matters” foi um hino subestimado no álbum “Glory Days”.

Leigh-Anne: Eu sinto que tudo que eu amo nunca entra! [Perrie entra no chat de vídeo.] Oi Perrie! Estamos falando sobre a música que você adora cantar e você não dá a mínima se ninguém gosta dela. Eu estava apenas dizendo que cada música que amo nunca entra no setlist porque amo as músicas mais subestimadas.

Perrie: Oh não! Isso deve ser tão irritante! Mas eu sinto que é verdade.

Leigh-Anne: É verdade! [Risos] Em “Confetti”, eu adoro “Breathe,” mas essa realmente não é uma favorita, o que é perturbador. Outra favorita é “I Love You” [do Get Weird]. Nunca cantamos essa. Isso é triste.

Perrie: Para mim, sempre quero cantar todas as baladas. Eu só quero entrar no palco e cantar por meia hora [as baladas]. Mas em um show da Little Mix, isso realmente não acontece. Nós temos “Secret Love Song” e todos os grandes singles que foram baladas, mas eu sempre quero cantar “Monster In Me” ou “Love Me Or Leave Me”. É difícil porque – isso soa tão terrível e arrogância – nós temos tantas músicas incríveis! Quando escolhemos as setlists, é muito difícil colocar nossas favoritos lá.

A música que levou sua carreira a um novo nível:

Perrie: “Touch”. É aquela vadia, não é?

Leigh-Anne: Mudou o jogo.

Perrie: Quando lançamos “Touch”, abrimos muito mais nossa base de fãs. As pessoas estavam ouvindo no rádio e pensando: “Meu Deus, isso é um hino”. Muitas pessoas começaram a curtir Little Mix pensando: “Isso é incrível, isso é tão legal”.

Jade:  Eu lembro que estávamos [promovendo] “Shout Out to My Ex”, mas realmente sentimos que “Touch” deveria ter sido o single principal quando fomos para os EUA para a turnê da Ariana Grande [para Dangerous Woman Tour]. Além disso, o clipe realmente não era o que esperávamos. O plano de fundo [com a tela verde] não era o que pensávamos que seria, e no início ficamos um pouco desanimadas. E então nós vimos o clipe e se tornou viral e foi tipo “Oh! Isso é muito bom!”

Perrie: E a Coreografia de Parris Goebel é simplesmente irreal.

E a moda também – Perrie, eu achei o corset de couro sobre o moletom tão legal e original.

Perrie: Obrigada! Todo mundo odeia isso! A quantidade de merda que recebo por aquele espartilho diariamente está além de mim.

Jade: Foi um momento!

A música que você está mais animada para tocar na turnê:

Perrie: “Sweet Melody!” Já foi lançada há mais de um ano, fez muito sucesso, mas nunca tocamos na frente de uma multidão. Não é estranho? Fizemos apresentações na TV, mas nunca fizemos isso para nossos fãs.

Jade: Quando eu estive em LA recentemente, fui a um bar gay em uma noite e “Sweet Melody” começou. Muitos caras no bar começaram a fazer a coreografia. É aí que você sabe que é bom: se você puder ir a um bar gay e eles souberem refazer a coreografia.

Uma música que não foi single e se tornou uma das favoritas dos fãs:

Jade: “Wasabi” [do LM5 de 2018].

Leigh-Anne: Decolou, não foi?

Jade: Merecia ser um single, mas não deu certo. “Wasabi” teve mais streams do que alguns dos singles desse álbum, o que é bem louco. E também “Secret Love Song, parte 2” realmente ganhou vida própria no álbum “Get Weird”. Isso foi meio que reivindicado como um hino para a comunidade LGBTQ+ entre nossos fãs. Então foi bom que ele fez sucesso organicamente e teve um mundo próprio.

Leigh-Anne: “Love Me or Leave Me” [do Get Weird] tem muitos streams.

Perrie: Sério?!

Leigh-Anne: Sim, está, tipo, no topo de nossas músicas com mais streams.

Perrie: Eu não acredito!

Leigh-Anne: Essa e “Wasabi” são os não singles com mais streams.

Perrie: Isso é incrível. Eu não sabia disso.

A música antiga com a qual você se reconectou recentemente:

Leigh-Anne: Lembram de “Towers ” do álbum Salute? Acho que a gravadora queria que fosse um single, e nós pensamos, “Não, não queremos!” Mas agora eu amo isso. É adoravel. Não é estranho como você muda de ideia?

Jade: Eu me sinto assim com“Woman Like Me” porque tanta merda aconteceu durante aquela época [se referindo a elas deixando a gravadora Syco], e isso me fez não gostar da música. Fiquei um pouco impactada com as experiências que cercaram a música. Mas, anos depois, posso olhar para trás e pensar, “Na verdade, é uma ótima música pop, é brilhante.” E o vídeo é fenomenal, um dos nossos melhores.

Perrie: Tem uma aleatória que eu quase não quero dizer, mas é – oh meu Deus, eu não consigo nem lembrar, como se chama? [Cantando] “Então, oh, diga-me…”

Jade: Ah! “They Just Dont Know You.”

Perrie: Sim! Eu ouvi essa não faz muito tempo e pensei, “Oh sim, essa é realmente uma boa música”.

Leigh-Anne: [Cantando] “Ela não gosta da maneira como você usa o seu cabelo…”

Perrie: Essa letra me faz sentir um pouco embaraçada, mas é uma boa música.

A música que recebeu uma recepção diferente no exterior:

Leigh-Anne: “Reggaetón Lento” [com CNCO] foi muito vibrante no Brasil. Eu sinto que essa foi huge mundialmente

Jade: Sim, mais do que no Reino Unido

Perrie: Por que eu sinto que quando cantávamos  “How Ya Doin’?” no Japão eles se animavam?[As outras duas caíram na gargalhada.]

Jade: Sim, foi.

Perrie: Assim que eles ouviam [cantando] “Hey, how ya doin”, eles adoravam! Eu lembro!

Leigh-Anne: “Secret Love Song” também no Japão.

Perrie: O Japão adora baladas. É um silêncio absoluto na arena. Você pode ouvir um alfinete cair quando canta uma balada porque eles apreciam muito.

A colaboração da qual você não pode acreditar que faz parte:

Jade: Quando fizemos “More Than Words” no LM5 com o Timbaland. Ele é uma lenda na produção de músicas. E embora não tenhamos trabalhado diretamente com ele na faixa, quando você ouve “More Than Words”, pode dizer que é uma faixa de Timbaland. Ele foi tão monumental na indústria da música. Ele trouxe todas aquelas músicas incríveis, com Nelly Furtado e tudo mais – e aquele álbum que ele fez [Shock Value], que era hino após de hino. É simplesmente icônico. Então, para mim, foi um bom momento.

Leigh-Anne: Uma sobre a qual não falamos o suficiente é “Red Planet” com T-Boz de TLC. 

Perrie: Um membro do TLC participando de uma de nossas músicas assim que começamos foi louco. Tivemos muita sorte.

Jade: E Missy Elliott também no álbum de DNA. Missy Elliott! Eu sinto que não percebi na época o quão icônico isso era. Nós literalmente temos a rainha do rap original, Missy Elliott, uma lenda absoluta, apenas casualmente fazendo um verso em “How Ya Doin ‘?” E ela foi mentora de Sharaya J, quem está na música “strip”[do LM5]. Portanto, foi um momento de círculo completo, saber que uma das protegidos de Missy está em uma de nossas canções anos depois. Isso é bem legal.

A música que você gostaria de dar uma segunda vida com um remix:

Leigh-Anne: “Sweet Melody” com Cardi B?

Jade: Isso seria incrível.

Perrie: Ou algo como “FU,” mas com o Bruno Mars?

Jade: Sim! Amo isso.

Perrie: Isso seria incrível, não é?

A música que você gostaria de consertar com mais um dia no estúdio:

Perrie: Para mim seria o álbum inteiro do DNA ou apenas “Turn Your Face”. Eu tinha amígdalas naquela época e não tenho amígdalas agora. Então, quando ouço, fico tipo: “Quem é essa?” É uma loucura. Então, eu iria regravar esse álbum, eu acho.

Jade: Você soa tão diferente naquele álbum, é insano.

Perrie: É louco. Lembro-me de estar sempre doente, de ter amigdalite constantemente. E eu apenas tive que gravar de qualquer maneira. Você pode dizer que eu soo horrível.

A nova música que você mais deseja que os fãs ouçam:

Perrie: “Between Us”.

Leigh-Anne: Aw!

Perrie: Todas nós vamos chorar toda vez que ouvirmos isso. Jade chama isso de nossa canção de amor de umas para as outras. É basicamente sobre nossa amizade, nossa irmandade e o amor que temos umas pelas outras. É muito fofo, e sabemos que quando cantarmos em turnê, não vamos passar por isso sem chorar.

As músicas que melhor mostram umas às outras:

Jade: Para Perrie, com certeza  é “Secret Love Song”. Porque sempre que cantamos ao vivo, ela sempre segura a última nota no final: “I’m yooooours!” E em algumas noites parece que a nota dura por 10 minutos, mas da melhor maneira possível. É fenomenal. Esse controle de respiração é realmente incomparável.

Leigh-Anne: Concordo!

Perrie: Obrigada!

Jade: E os fãs adoram. E então com Leigh-Anne, ooh, qual é o meu momento da Leigh-Anne favorito?

Perrie: Eu me lembro de “Your Love” quando ela faz [cantando as notas altas] “Your love make me feel like!”e toda a multidão grita “Aaaaaaah!”

Leigh-Anne: Eu amo essa música.

Perrie: Leigh-Anne na Versão acústica “Touch”, as pessoas também enlouquecem.

Jade: Há uma apresentação que Leigh-Anne faz em termos de dança, qual é? Eu vi no Instagram recentemente. Minha página Explorar mostra apenas as outras garotas tendo momentos incríveis no palco. O Instagram sabe que é isso que eu amo.

Perrie: Quando cantamos “Secret Love Song” ao vivo no nosso programa “The Search” – isso me pega todas as vezes.

Leigh-Anne: Eu ia dizer essa para você!

Perrie: E você ?!

Leigh-Anne: A nota final, você literalmente faz como Céline Dion. Você nunca tinha feito assim antes.

Jade: “Secret Love Song” no “The Search” foi ótima para todos nós.

Perrie: Acho que somos fantásticos cada vez que cantamos! [Risos]

Leigh-Anne: Você sabe qual foi realmente boa? O último acústico que acabamos de fazer,“Confetti.” Essa foi ótima.

Perrie: Os Adlibs da Jade, ela detonou. Eles eram muito bons.

Jade: Em termos de clipe, para mim “Shout Out” foi um momento da Perrie muito bom. Todo mundo adorou a maquiagem e os fios rosa em seu cabelo. Para Leigh-Anne, lembro-me de assistir o clipe de “No More Sad Songs” [com Machine Gun Kelly] tipo, “Yeaaaaaah.”

Perrie: E “Power, “quando ela desfila pela rua com o cachorro? Surreal. E a Jade no clipe de “Sweet Melody” – quer dizer, vamos lá!

Leigh-Anne: Sim!

Jade: Poderíamos continuar por horas.

 

Fonte: Billboard

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil



05.10.21

Acho que tenho uma vida bastante agitada – ou tive uma vida bastante agitada, antes da pandemia”, Jade reflete enquanto conversávamos ao telefone em uma (surpreendentemente) fria manhã de final de setembro. “Mas a pandemia deu a todos uma chance para refletir e pensar sobre suas prioridades – e assim saí dessa experiência com ainda mais motivação e mais ambição de alcançar todas as coisas que desejo.”

Fora da música? Para Jade Thirlwall, de 28 anos, fazer movimentos na indústria da beleza está no topo dessa lista de prioridades.

Sempre que fazemos vídeos, sou eu quem envia ideias de looks e maquiagens para nosso maquiador e estilistas e fico tipo, ‘Ohhh, deveríamos experimentar este look e deveríamos fazer este olho‘”, ela ri. “Eu sabia que juntos poderíamos criar minha paleta dos sonhos, algo que meus fãs pudessem usar para criar looks fora deste mundo de loucos.”

Falando de seu apartamento em Londres, Jade está relaxada, aberta e cheia de paixão – por sua vida no Little Mix, sua vida pessoal e seus próximos empreendimentos de beleza. E para não mencionar: muito feliz que o tempo esteja mudando, para que ela possa lançar sua paleta apropriada para o outono nas noites pós-pandemia, imediatamente. “Eu sou uma garota do inverno. Eu gosto do frio. Eu gosto de me sentir confortável. Sim. Para ser sincera, o verão não é minha vibe”.

Amo beleza – sempre amei desde muito cedo.

Isso é meio que um retrocesso, mas eu fiz um curso de maquiagem na faculdade naquela época, então sempre tive um amor por maquiagem ao longo dos anos. Acho que o Little Mix tentou de tudo que você pode pensar quando se trata de estilos e tendências diferentes.

Acho que meus fãs sabem que adoro experimentar cores.

E eu amo todo o glamour de tudo isso e todas as diferentes sombras. Cada vez que faço uma sessão de fotos ou um vídeo, é uma chance de fazer um visual diferente – e sou muito versátil quando se trata disso. Então, sim, parecia que quando eu e Beauty Bay começamos a trabalhar juntos, eles eram conhecidos por fazer as melhores paletas, então parecia que iria dar certo.

Nos últimos anos, especialmente, eu e as meninas começamos a nos aprofundar nas coisas pelas quais somos individualmente apaixonadas ou nas quais trabalhamos juntas, e tem sido adorável.

Obviamente, apoiamos muito os empreendimentos umas das outras, e acho que isso deu aos fãs mais uma chance de ver o que está dentro de nós. Isso dá às pessoas uma visão de que elas realmente não sabem muito sobre Little Mix ou sobre nós individualmente, elas podem pensar: ‘ah, na verdade Jade gosta desse tipo de coisa e Leigh gosta desse tipo de coisa e Perrie curte tal cor…Tem sido adorável, e acho que o último ano e meio deu a todos nós a chance de refletir e pensar sobre as coisas que queremos fazer sozinhas e em grupo.

Estou em uma fase da minha vida em que estou tão confortável na minha própria pele.

Eu sei exatamente o que funciona para mim. Não tenho medo de tentar coisas novas e experimentar cores e tal. Eu acho que, como alguém que ama arte e outras coisas em geral, isso funciona. É uma forma de arte para mim, me maquiar e me expressar dessa forma é realmente incrível. Então me senti muito bem [em fazer uma paleta de sombras com Beauty Bay. Acho que a pandemia deu a todos a chance de obter uma perspectiva melhor de todas as coisas que são prioridade.

A melhor versão de mim mesma em termos de maquiagem é apenas elevar minha beleza natural.

Acho que todo mundo deveria fazer isso! Acho que quando comecei no Little Mix e quando era adolescente, a maquiagem era usada como uma máscara para cobrir quem eu realmente era, entende? E a medida em que fui amadurecendo, percebi que não é uma máscara; maquiagem é mais uma expressão de quem você realmente é, e não serve para se cobrir. É para se elevar. Então agora não costumo exagerar tanto quanto antes. Eu faço coisas que já acentuam minhas características ao invés de esconder.

Eu acho que minha maquiagem favorita em uma noite fora ou algo assim é apenas um clássico olho esfumado dourado.

Essa é a minha escolha porque combina com o meu tom de pele e sinto que todo mundo consegue ficar lindo com um olho esfumado dourado. E isso está definitivamente na paleta.

Acho que essa paleta foi uma oportunidade de mostrar a todos um pouco sobre mim que talvez elas não conhecem – como meu amor por pedras e cristais de cura; minha espiritualidade, que é definitivamente algo pelo qual me tornei cada vez mais apaixonada nos últimos anos.

Eu precisava de algo que me mantivesse com os pés no chão e me mantivesse bem, mental e fisicamente. Se tornou parte disso espiritualmente e eu sou obcecada por cristais. Minha mãe é obcecada por cristais e esse foi um dos meus primeiros pensamentos ao fazer a paleta. Essa é a inspiração original. Eu me sinto como a paleta – era importante para mim ter algo para todos, porque estou bem ciente de que algumas pessoas não gostam de experimentar muito ou algumas pessoas adoram se divertir muito. Então, quando concordei em fazer isso com Beauty Bay, queria ter certeza de que atenderia a todo tipo de pessoa e cada tom de pele diferente. Não importa o quanto você queira se aventurar ou não, está tudo aí.

Sempre tenho cristais comigo onde quer que esteja.

Alguns atendem a certos aspectos da sua vida ou ao que você precisa naquele momento. Eu nomeei alguns tons na paleta depois dos meus cristais favoritos – turmalina é a minha pedra favorita, afasta qualquer negatividade. Eu acho que não importa o quanto as pessoas acreditem nisso ou não, apenas de uma perspectiva psicológica, para mim, é tudo uma questão de se aprofundar. Eu acho que é muito importante se livrar de qualquer energia negativa e constantemente manter a positividade. Suponho que não tenho uma religião específica, então uso isso como um meio de acreditar em algo maior do que eu e que funciona para mim.

Definitivamente, houve muitas mudanças em minha vida recentemente. Muita coisa aconteceu.

Obviamente, eu e as meninas somos três – duas das meninas acabaram de ter filhos, então houve muitas mudanças em minha vida. Eu conheci alguém, me apaixonei e todas essas coisas sentimentais, então – sim! Definitivamente parece que, mais do que nunca, muita coisa aconteceu ao mesmo tempo. Mas é tão emocionante e, como dissemos antes, a pandemia deu a todos a chance de refletir e pensar sobre suas prioridades e pensar sobre as coisas em que realmente querem se concentrar. Saí dessa experiência com ainda mais motivação e mais ambição de alcançar todas as coisas que quero alcançar e estar mais presente para minha família e amigos – e, obviamente, sair mais e usar mais maquiagem! Porque eu passei um ano e meio no apartamento sem nada e estava toda relaxada, então foi bom começar a me vestir de novo.

As outras meninas estão adorando ser mães, honestamente, elas se adaptaram a isso muito bem.

Eu sempre soube que seriam ótimas mães, fui ver Leigh na semana passada e conheci as gêmeas que são tão lindas, elas dormiam o tempo todo – mas quer saber, foi tão estranho porque sempre éramos só nós. Pela primeira vez, estamos realmente percebendo que elas tiveram filhos – na verdade, vendo-os ali na nossa frente, realmente são reais; não era um adereço. Eu sinto que, por causa de todos os videoclipes que temos feito com elas grávidas, não sei por que, mas na minha cabeça eu meio que não pensei que fosse real ou tipo – todas as vezes que estávamos fazendo um videoclipe, cada personagem que elas interpretavam em um videoclipe giraria em torno de sua gravidez também, então foi quase como um pequeno teatro divertido que estávamos fazendo. Ver Leigh e os bebês foi como, “Oh, eles estão aqui e são perfeitos e você é mãe agora e tem que fazer isso”. Mas estou tão orgulhosa delas e elas arrasaram. Elas são rainhas absolutas, trabalhando duro – e tinham uma a outra o que eu acho que realmente as ajudou. É incrível. Espero ver Perrie em breve e ser a melhor tia que posso ser.

Nunca pensei em me comparar – não sou eu, é todo mundo.

São outras pessoas ao meu redor que tentam me pressionar, não sei se estar em uma dinâmica de grupo pode significar que me acostumei com a comparação e por isso não me afeta tanto.

Todos estão em lugares diferentes em suas vidas e às vezes presume-se que eu deveria sentir, porque sou uma mulher, que estou atrasada e deveria me sentir de uma certa maneira que ainda não estou naquele ponto da minha vida…

Mas estou incrivelmente orgulhosa de onde estou na minha vida e do que conquistei e da minha carreira. Eu tenho um namorado incrível, tenho amigos e família incríveis e sou uma mulher de negócios – por que me sentiria excluída?! Mas é interessante como toda entrevista sou perguntada “Você está se sentindo pressionada?”, E eu fico tipo “Não, querido! Você está?! Quer que eu pergunte se você quer ter um filho ou dois?” Tipo, é uma pergunta bem pessoal, não é? Então, às vezes parece um pouco invasivo. Acho que todo mundo se move em ritmos diferentes e estou feliz com o meu.

Se minha necessaire de beleza estivesse pegando fogo, há três coisas que eu salvaria.

Obviamente, vou dizer a paleta porque coloquei muito trabalho nisso para não deixa-la queimar, então ela tem que vir conosco. Eu me sinto tão orgulhosa de olhar para ela – quando vejo Jade em cima dela e abro e são todas as tonalidades que eu nomeei e são todas as cores que eu gosto – não há nenhuma maneira de eu deixar isso pegar fogo. Então, isso está vindo conosco. Eu diria que talvez apenas um batom nude clássico, eu teria que salvar. Porque eu sinto que se você está sem maquiagem, contanto que você tenha um pouco de batom nudes e nada mais, você está classificada – você sabe o que quero dizer? E finalmente o terceiro produto pode ser uma escova de sobrancelha? O que eu nunca pensei que diria, mas as sobrancelhas estão tão grandes agora, não estão? Elas são uma prioridade. Contanto que elas sejam retocadas e estejam todas no lugar certo, estamos bem.

A Jade do The X Factor teria economizado três produtos de maquiagem muito diferentes.

Um lábio rosa fúcsia, um cílio enorme e, o que mais… sobrancelhas simplesmente não eram uma coisa para mim, então é tão louco para mim… talvez um brilho labial ou algo assim? Mas quero dizer, naquela época, especialmente para nós, meninas, acho que os maquiadores ficavam tão animados com a ideia de uma nova banda de garotas que tudo dava certo. Era apenas jogar qualquer coisa em nossos rostos e esperar pelo melhor naquele momento. Foi uma bagunça! Naquela época as estrelas pop estavam realmente fazendo o máximo – tinha a Katy Perry…era tudo muito colorido, não era? Nicki Minaj…todos esses artistas que estavam fazendo uma maquiagem ousada realmente brilhante e a cor dos olhos era muito diferente dos lábios… tínhamos penas em nossos cílios. Realmente foi aprender de uma vez então nós definitivamente aprendemos a abrandar ao longo dos anos, com certeza.

Daqui a dez anos, gostaria de ainda me apresentar com as meninas.

Estaremos fazendo algo juntas. Terei construído mais do meu império. Talvez mais coisas de beleza e mais outras coisas que eu gosto, como arte e meus negócios em minha cidade natal.

Do jeito que está, a cada ano que envelheço, fico mais confiante em mim mesma, então gostaria de imaginar que daqui a dez anos estarei em um lugar onde literalmente nenhum corpo vai me afetar quando se trata de amor-próprio.

E talvez eu estivesse ajudando a apoiar outra banda de garotas também. Está ficando um pouco solitário aqui. Nós precisamos de mais. Então, sim – estarei ajudando a hastear a bandeira lá, suponho.


Confira as fotos da cantora para campanha em nossa galeria:

 

 

Tradução e Adaptação: Equipe BrasilLM | Fonte



27.09.21

Jade Thirlwall falou sobre como suas parceiras de banda, Perrie Edwards e Leigh-Anne Pinnock, estão lidando com a falta de sono desde que viraram mães.

Perrie e Leigh deram as boas vindas aos seus primeiros filhos em agosto com poucos dias de diferença e desde de então tem se dedicado a maternidade além de suas carreiras musicais.

Leigh-Anne teve gêmeos com o jogador do QPR, Andre Gray, enquanto Perrie teve um filho, chamado Axel, com o meio campista do Liverpool, Alex Oxlade-Chamberlain.

E com duas do trio agora em licença maternidade, Jade, 28, brincou com a dupla ‘não sabe que existe sono’. Em uma entrevista ao The Strawberry Alarm Clock do FM104 , o cantor disse:

Elas têm dito que simplesmente não sabem mais como dormir, elas não lembram mais que o sono existe. Acabei de decidir o que vou comprar porque demorei muito para pensar em algo. Você sabe como é – todo mundo compra roupas e as mesmas coisas, tenho certeza de que elas têm tudo que precisam.

Jade revelou que recebeu um conselho doce do hitmaker Ed Sheeran:

‘A última vez que falei com Ed Sheeran, foi depois do Euro quando fomos tomar uma bebida. Ele estava me dizendo que quando ele teve seu filho, todo mundo sempre se esquece da mãe e que eles podem precisar de algo também. Eu estava tipo,’ esse é um conselho muito bom’. Acho que vou dar às meninas algo como um dia de spa interno para que elas recebam um bom agrado. Elas merecem!

A banda celebrou recentemente seu aniversário de dez anos, desde que ganhou o X-Factor em 2011. Seu último hit Love (Sweet Love) foi lançado em 3 de setembro. O videoclipe apresenta as estrelas grávidas vestidas como deusas.

Tradução e Adaptação: Equipe BrasilLM | Fonte



Little Mix Brasil • Hospedado por Flaunt • Layout por Lannie D &