visite a galeria de fotos brasillm.com/gallery

últimas imagens enviadas
22.11.21

Little Mix venceu pela sexta vez o prêmio de melhor artista do Reino Unido e Irlanda no MTV Europe Music Awards 2021. A banda feminina teve uma competição bastante forte para a categoria este ano, sendo indicada ao lado de Dua Lipa, Dave, Ed Sheeran e KSI, mas ainda assim conseguiu levar para casa o prêmio.

A banda não pôde comparecer à cerimônia deste ano, já que Leigh-Anne Pinnock e Perrie Edwards se tornaram mães pela primeira vez recentemente, mas Jade Thirlwall aceitou o prêmio por mensagem de vídeo, dizendo:

“Muito obrigada, é incrível ganhar o prêmio de melhor artista do Reino Unido e Irlanda de novo … Não podemos acreditar. Ficamos tão chateadas ​​que não podemos estar na premiação hoje à noite, mas muito obrigado à MTV e a todos os nossos incríveis, incríveis fãs por este prêmio. realmente significa o mundo para mim e para as meninas. “

A Little Mix também comentou a notícia no Twitter, compartilhando um tweet que dizia:

“Jxoswkdocokwwnxici nós ganhamos !!!!!! Muito obrigado. Nós te amamos e somos muito gratas”.

Nem é preciso dizer que Little Mix teve um ano muito especial, com duas das três integrantes da banda dando à luz, completando 10 anos, ganhando figuras de cera no icônico Madame Tussauds de Londres e lançando um álbum de maiores sucessos, “Between Us”. Não é nenhuma surpresa que as meninas tenham sido eleitas a melhor artista deste ano do Reino Unido e na Irlanda, e estamos felizes por elas.



20.11.21

Aconteceu ontem (19 de novembro), em Londres, o evento GAY Times, que homenageou os indivíduos e organizações que tiveram um efeito profundo na vida de pessoas LGBTQ + nos últimos 12 meses.

Jade compareceu deslumbrante em saltos Versace no evento, onde posou para fotos no red carpet e logo mais tarde também recebeu o prêmio de honra por ser uma grande aliada da comunidade. Ela começou seu discurso citando Lady Gaga: “Podem haver 100 anti-LGBTs em um lugar, basta apenas um aliado para mudar tudo”.

O cantor e produtor MNEK anunciou a vitória de Jade Thirlwall diante de um público cheio de membros da comunidade LGBTQ + e aliados na Magazine London no coração da capital.

Jade provou ser uma das maiores aliadas que a comunidade tem hoje por marchar no UK Black Pride e trabalhar com a instituição de caridade Stonewall que é LGBTQ +, a plataforma de artistas queer em videoclipes de Little Mix e se tornar a embaixadora não oficial da marca RuPaul’s Drag Race.

Kevin Kilpatrick, o líder LGBTQ + do Instagram EMEA, elogiou a estrela da Little Mix por ser “um exemplo estelar” de uma aliada da comunidade.

“Aliados podem assumir muitas formas; desde exibir pronomes em seu perfil do Instagram, até compartilhar o conteúdo de seus criadores queer favoritos ”, explicou ele.

A homenagem do GAY TIMES por aliados foi apresentada pelo Instagram, que Kevin reveloucom mais detalhes:

“Estamos emocionados em apoiar este prêmio e muito gratos pela vibrante comunidade LGBTQ + que existe no Instagram hoje. Jade mostrou repetidamente que está disposta a defender esta comunidade e é um exemplo excelente de como ser aliada, parabéns! ”

 

Confira abaixo todas as fotos e vídeos do evento

Chegando no evento:

Red Carpet:

Recebendo seu prêmio de honra:

Sala de imprensa:

Ensaio fotográfico:

Recebendo seu prêmio:

Durante a sessão de fotos:



18.11.21
Publicado por: Mel
Little Mix: O número mágico

Há dez anos dentro do jogo, Little Mix ainda estão no pico de seus poderes criativos. Na véspera de lançamento do seu Greatest Hits, elas falam sobre pop, pressões e as vantagens de irritar políticos.

Little Mix não é apenas uma girlband: elas são um GRUPO feminino. Já fazem dez anos dentro da indústria, com seis álbuns de estúdio, 27 singles, 100 indicações de premiações e um exército de fãs ao redor do mundo que não param de crescer, o recente trio que consiste de Jade Thirlwall, Leigh-Anne Pinnock e Perrie Edwards cementaram sua posição como um dos – se não “O” – grupos pop definitivos da nossa geração. Elas são compositoras, performers, ativistas, aliadas, mães e mulheres de negócios. E ainda assim com o passar dos anos, elas passaram uma quantidade enorme de tempo defendendo todas as opções acima/anteriores.

“Quando você vem de um programa como o The X Factor, sempre é presumido que você é um fantoche que apenas sobe no palco e te dizem o que fazer,” disse Jade. “Mas desde o começo, isso realmente não foi o nosso caso. O fato de que estamos juntas por 10 anos sugere que talvez nós estejamos fazendo um bom trabalho…”

Com suas vidas atadas a de “celebridade”, os fãs frequentemente tem estado frustrados com a maneira que Little Mix tem sido retratada na imprensa. Com o exemplo de um que colocou no Twitter, “Há mais sobre a Little Mix do que seus cachorros, namorados e atividades na quarentena.” E portanto, na véspera do lançamento de seu álbum de Greatest Hits “Between Us”, não haverá perguntas de tabloides: nada de bebês, namorados, treta fabricada. Para a ligaçao de vídeo feita pelo DIY (O website) via zoom com o grupo genuíno pop da realeza, estamos nos prendendo nas coisas que interessam; o que é preciso para prosperar no topo do jogo da música pop por uma década inteira e ainda aproveitar a companhia de cada uma.

Você sabe como a história original aconteceu depois desse tempo todo. Em 2011, quatro meninas da classe trabalhadora – Jade, Leigh-Anne, Perrie e Jesy Nelson – fizeram audição como solistas para o The X Factor, ingênuas e completamente despreparadas pelo que iria vir. Elas não passaram como solistas, mas foram colocadas juntas pelo olhar alquímico da lenda que surgiu de um girl group, Kelly Rowland, cativando a nação com sua animação colorida.Quando elas foram coroadas vitoriosas, elas foram catapultadas para dentro do redemoinho da percepção pública, agarrando-se umas as outras para sobreviver a tempestade.

“Fomos tão sortudas que nos gostamos, não é?” reflete Leigh-Anne. “Nós éramos tão jovens, eu acho que precisávamos umas das outras. Quando cantamos juntas pela primeira vez, foi tipo, nossa. Isso vai ser algo grande.”

“Honestamente, eu não consigo imaginar se eu teria sido capaz de fazer isso naquela época sozinha,” concorda Jade. “Eu acho que sabíamos desde cedo que queríamos ser a banda que teríamos gostado quando estávamos crescendo. Nós tivemos The Spice Girls, TLC, Destiny’s Child, mas já havia um tempo desde um grupo com aquele tipo de empoderamento feminino. Nós impomos certas barreiras para nós mesmas desde o início; não haveria uma vocalista líder, e nós concordamos coletivamente que o som seria pop com um pouco de R&B. Desde o começo, estivemos juntas em nossas decisões.”

Das harmonias doces de ‘Wings’ até a coreografia bombástica de ‘Sweet Melody’, é difícil de pensar em tantos grup os pop femininos que as integrantes estiveram tão igualitárias em seu crescimento coletivo. Cada garota teve sua justa divisão de figurinos que as destacavam, notas altas e compromissos extra-curriculares, e tem sido a mesma coisa com a composição de músicas; desde o começo, todas estiveram por dentro do processo criativo de suas músicas, elaboração de baladas dilacerantes e hinos com uma elegância igualitária.

No entanto, quando elas venceram o prêmio de Melhor Grupo Britânico no Brit Awards 2020 – o primeiro grupo feminino na história – numerosos artistas da cena do rock’n’roll entraram numa fila para opinar, incluindo Noel Gallagher. Afirmando que a banda “nem mesmo estava na mesma modalidade” que o Oasis, Noel Gallagher acusou a vitória das meninas, lamentando a difamação da música ‘de verdade’. Jade usou uma aparição no programa Never Mind the Buzzcocks para prover uma resposta lendária:

“Realmente é uma pena, de forma que somos o grupo feminino mais sucedido no país, mas ele nem mesmo é o performer mais sucedido na sua família.”

A recordação de sua fala abre nela um sorriso, mas Jade continua frustrada.

“Sempre é o homem que tende a estar a frente dessas bandas com destaque de instrumentais; a indústria como um todo é muito liderada por homens velhos brancos,” ela inicia. “Do começo, há a ideia de que mulheres não conseguem fazer tão bem quanto eles. É um estigma tão estranho; foi preciso seis anos para que eu e Leigh tivéssemos um contrato como compositoras, porque as pessoas simplesmente não acreditavam que pudéssemos compor. Só porque você não tem uma guitarra, não quer dizer que não é capaz de sentar numa sessão e criar músicas pop brilhantes. E isso é o que fazemos!”

“Nós trabalhamos tão duro, e estamos tentando fazer as coisas mudarem na indústria. Queremos continuar a mudar as opiniões das músicas.”Perrie Edwards

Apesar de que grupos femininos tenham encarado o sexismo, a formação do Little Mix na era do Twitter talvez tenham dado para elas um caminho mais duro do que daquelas que vieram anteriormente. Logo no início, elas deram seu melhor para se defenderem (veja ‘Reality’, uma captura sobre revistas de fofoca que não entrou no álbum de estreia), mas quando elas se separaram da Syco do Simon Cowell em 2018, fora permitido para elas finalmente falarem sobre variados problemas. Na linha de fogo veio as especulações sobre suas autonomias criativas, o controle da imagem corporal, e a sugestão maliciosa do vilão Piers Morgan de que a sensualidade que há em suas coreografias invalida o status de ‘modelo a ser seguido’, dando mal exemplo a seus fãs jovens.

“Você meio que tem que rir disso, porque é simplesmente o maior mimimi de todos,” disse Jade. “Para nós, metade dos motivos pelos quais nós usamos collants ou aqueles tipos de figurinos é pelo conforto – quando você faz um show de duas horas em um palco, você soa pra caramba! Nós sempre ignoramos essas opiniões, porque queremos mostrar a outras mulheres que você pode ser empoderada pelo seu próprio corpo, da maneira que quiser.”

Reforçadas pela quarta onda do feminimo da era digital, essas músicas tomaram um rumo ainda mais direto. Enquanto ‘Salute ‘ e ‘Shout Out To My Ex’ provaram há muito tempo a habilidade delas de compor um hino girl power, o lançamento de ‘LM5’ em 2018 marcou um passo em frente para o grupo, construindo um som maduro com informações profundamente pessoais – a positividade corporal de ‘Strip’, o amor próprio de ‘Joan Of Arc’ e a favorita dos fãs ‘Wasabi’ cheia de impecáveis dedos do meio (“A merda que os jornais escrevem sobre mim / Eu dobro igual origami”).

Não quebrando a quarta parede, mas demolindo-a, ‘Not A Pop Song (de ‘Confetti’ de 2020) provou ser um momento mais profundo de lançamento catártico, tratando da separação com o Cowell com comédia elegante.

“Nós sempre deixamos a música falar,” Jade assentiu. “Eu sinto que nós nunca realmente fomos vistas como artistas controversas, e esta música é sobre como nós não estamos tentando provar um ponto. Nós somos quem nós somos; somos artistas pop, e não vamos nos desculpar por isso, porque somos as melhores nisso. É SIM uma música pop. Aceitem!”

Não surpreendentemente, elas não ouviram um pio do homem.

“Não, não. Mas não há rixa [com Simon Cowell], Jade confirma.

No entanto, ela não consegue resistir a outro momento do Buzzcocks de ironia…

“Para falar a verdade, nós quase nunca vimos ele durante nossa carreira. Nós apenas aparecemos na casa dele algumas vezes para um jantar de graça, tá me entendendo?”

“Paraaaaaa!” exclama Leigh-Anne, dividida enquanto as outras entram em colapso enquanto riem.
“Mas sim, ele faz um ótimo jantar de assados.”

Apesar delas terem se desculpado pelo cansaço – “Fizemos 17 entrevistas ontem!” – o carisma natural e o bom humor de Little Mix te lembra de que elas realmente são um grupo com uma amizade genuína, todavia um que talvez esteja se contendo um pouco mais do que o normal em nome da diplomacia. DIY, como muitos outros, foram perguntados especificamente para não comentar sobre sua ex-colega, e os motivos são óbvios; apesar de que Jesy Nelson tenha deixado o grupo em aparente bons termos no final de 2020, as coisas azedaram um pouco mais tarde, com a nova solista envolta de acusações de blackfishing, de ser cúmplice em indiretas via redes sociais de Nicki Minaj, e pontuar – repetidamente – que ela não está mais falando com suas ex-colegas de grupo. Para um grupo cuja mensagem “nós contra todos” parecia ser o centro do seu apelo, tem sido um tempo difícil para os Mixers que não querem tomar lados.

Para seu crédito, as três integrantes restantes de Little Mix manteram-se quietas, mas confirmaram em recente entrevista que, anterior a partida de Jesy, preocupações sobre blackfishing foram comunicadas de uma “maneira educada e amigável”.

No entanto, a mudança de formação é uma parte inevitável da história do grupo, e apesar de que muito do ciclo da imprensa tenha centrado na Jesy – sua saúde mental, partida, insatifação contínua com o grupo – as coisas não devem ter sido fácil para as três restantes. Houve um momento em que elas pensaram, nós não queremos fazer isso também?

“Com certeza,” assente Perrie. “Eu acho que já chegamos nesse ponto uma hora ou outra. Houve um período de tempo em que eu literalmente voltava para casa e chorava toda noite e não sabia o que havia de errado comigo. Eu acho que era apenas cansaço; transbordando de trabalho, sentir como se não pudesse escapar. Você não consegue mudar a chavinha entre estar no grupo por uma semana e não ter nenhuma merda jogada em você.”

Opinativa sobre suas dificuldades com a ansiedade, Perrie aprendeu a falar sobre isso com suas colegas.

“Botar o que está sentindo para fora – eu consigo me virar e dizer, ‘estou com dificuldades de verdade, não sei se consigo fazer isso’, e assim que elas fizem ‘Amor, nós entendemos’, eu me sinto melhor. As vezes esqueço que não estou nessa sozinha. Tudo que experienciamos, nós experienciamos juntas pela primeira vez, e temos uma a outra pra chorar no ombro e deixar tudo melhor. O bom sempre, sempre, é maior que o ruim.”

“Acho que o que eu realmente amo sobre nós 3 é que todas já sofremos de alguma maneira, mas sempre garantimos que cada uma de nós tenha a oportunidade de contar nossa história da maneira certa,” disse Jade. “O que quer que estejamos passando, nós garantimos que ninguém esteja sentindo como se seus problemas não são tão importantes quanto o da outra pessoa. Então sim, obviamente uma grande mudança aconteceu conosco, mas este ano tem sido mais que tudo uma celebração. Uma década nesta indústria sem um fim; não são muitas as bandas que podem dizer o tal. Nós tivemos uma verdadeira mudança de energia neste ano apenas de sentirmos em paz umas com as outras; queremos agradecer cada uma e celebrar a vitória da outra não importa o que aconteça no futuro, e esse é um sentimento muito bom de se ter.”

Se a conversa do ‘não importa o que aconteça’ soe um pouco assustadora no ar dos rumores da separação, os fãs não deveriam ficar muito preocupado ainda. Todas estão claramente comprometidas em ser a torcedora da outra, uma generosidade que frequentemente se extende para fora do grupo. O ativismo de Jade pelos direitos LGBTQIA+ foram documentadas há um tempo, e todo o ativismo do grupo, mais recentemente com o poderoso documentário de Leigh-Anne sobre as políticas de raça na indústria musical.

“Há ainda um longo caminho para percorrer, mas tanto está mudando que eu nunca achei que seria possível,” ela sorri. “As coisas parecem sim, esperaçosas.”

Problemas sociais a parte, o trio verdadeiramente parecem estar num lugar contente. Quando feita a decisão de fazer o Greatest Hits, elas manteram as coisas simples, apenas adicionando as músicas novas que realmente pareciam certas.

“Quando fomos ao estúdio nós não pusemos pressão alguma: as músicas novas são literalmente mais do que as pessoas amam da Little Mix,” disse Jade.

Com tantos hits para escolher entre, algumas músicas mais antigas inevitavelmente foram retiradas;

“Oops pode ir para a lixeira na minha opinião – sem ofensa,” confessa Perrie.

Enquanto Leigh-Anne está feliz em dar adeus a ‘Change Your Life’:

“Apenas porque me fizeram falar nela, e eu não consio fazer nada a não ser sentir vergonha de mim mesma toda vez. Desculpa!”

Apesar de que os vários destaque da sua década juntas pudesse fazer incontáveis memórias, elas retornam a vitória do BRITs como o auge coletivo delas; um emblema de exatamente o quão longe eras chegaram como um grupo.

“Quando nós 3 andamos até aquele palco, olhei para as duas, e pensei tipo, nós conseguimos porra!” disse Jade. “Nós passamos por tanta coisa, ainda estamos aqui, nós 3, e estamos sendo ditas por essas pessoas renomadas na indústria, que FINALMENTE após 10 anos, somos merecedoras desse prêmio. Eu sei que quando está morta ninguém liga para o que tem em sua prateleira, mas para mim, pareceu uma mensagem para que a indústria pense tipo, ‘Isto é maravilhoso, mas demorou pra caralho.’ Houve tanto momentos ótimos, mas esse em particular, pareceu que o tempo parou.”

“Nós 3 no palco ano que vem na turnê, acho que vai ser o momento em que olharemos ao redor e pensaremos, nossa,” disse Leigh-Anne. “Me sinto tão completa pessoalmente; eu cheguei tão longe comigo mesma, mas também ser capaz de olhar para nós e pensar em DEZ. ANOS. REVOLUCIONÁRIOS! Tipo, nós fizemos ISSO, sabe?”

“Demos tão duro, e estamos tentando fazer as coisas mudarem na indústria,” concorda Perrie. “É isso o que queremos, continuar mudando a opinião das pessoas. E você sabe,” – ela imita um sotaque australiano, um clássico da Little Mix – “Apenas queremos continuar fazendo do mundo um lugar melhor!”

Pegando emprestada uma frase pop icônica, o futuro de Little Mix ainda é muito não-escrito. Elas têm se mantido ocupadas; bebês, aniversário de 30 anos, uma marca de roupa para Perrie e um novo projeto para Leigh-AnneThe Black Fund – que a permite apoiar caridades e grupos comunitários negros. No lado musical das coisas, Perrie não descarta a ideia de Little Mix fazer pop-punk (“Olivia Rodrigo e todo o retorno daquele som – é algo que quero!”), enquanto Jade tem emprestado suas composições para o K-Pop, trabalhando com o grupo de 9 membros, Twice, no seu mini-álbum, ‘A Taste Of Love’.

“Uma coisa que eu amo sobre o K-Pop é que é pop e não estão nem aí, e a cultura respeita e apoia essa ideia,” ela diz. “Não há julgamento de como uma música deve se comportar; você pode escrever uma música de pop pura, brincar bastante com ela, e esses grupos adoram e gostam disso. Não está muito longe do que nós fazemos – talvez um pouco mais irônico as vezes.”

Onde quer que a jornada musical delas as leve na próxima, uma coisa é muito clara; Little Mix estão mais inclinadas ao seu poder. De meninas à mulheres, o caminho da resiliência que elas percorreram para si sem dúvidas facilitou para outros artistas seguirem, sabendo que podem suceder sem jogar fora sua voz no processo.

“Por muito tempo, estivemos aterrorizadas,” disse Jade. “É assustador quando você não se sente educada o suficiente, e quando é uma estrela pop, as pessoas meio que acham que você deve apenas fazer o seu trabalho, ser um rostinho bonito e calar a porra da boca. Se está em entrevistas e fala uma coisa errada, é nisso que as pessoas focam. As consequências disso é que é meio intimidador e te deixa com medo de falar algo de novo, mas ao passar dado anos e você amadurece e se educa mais e mais, você constrói essa resiliência para esse tipo de merda.”

Mesmo que numerosos homens tenham tentado derrubar Little Mix com o passar dos anos, isso apenas serviu para as fortalecer.

“A primeira vez que falei propriamente no Twitter, foi falando sobre os ataques aéreos sírios. O massacre de desgosto vindo de políticos masculinos – ao invés de me deixar cagada de medo, literalmente me fez pensar tipo, foda-se,” Jade ri. “Isso iniciou algo dentro de mim; sei que estão assustados, e sei que estão tentando me diminuir, e é porque sabem que temos uma enxurrada de jovens fãs que podem ser ensinados a falar quando vêem algo que não é correto.”

“Acho que nós 3 tivemos esses tipos de momentos durante nosso caminho, onde achamos a força para falar,” ela continua. “Acho que chegamos em um momento das nossas carreiras onde finalmente ganhamos o respeito para fazermos isso. Definitivamente levou mais tempo do que deveria, mas sabe, aqui estamos nós!”

E é aqui que esperamos que Little Mix mantenha-se: engraçadas, empáticas, sinceras e, francamente, muito mais verdadeiras consigo mesmas do que muitas de suas críticas. Elas chegam muito longe, então o que são mais outros dez anos? Qualquer que seja o tempo, o delas é uma bolha pop que nunca queremos estourar.

 

Fonte: DIY Magazine

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil

 



18.11.21

Para celebrar os dez anos de Little Mix, nós revelamos o Top 20 dos maiores hits do grupo até agora do Official Chart do Reino Unido.

Desde que venceram as chances que tinham ao serem coroadas ganhadoras do The X Factor em 2011, Little Mix incansavelmente entregaram hits e agora estão no ranking de maiores grupos femininos britânicos de todos os tempos.

Agora o grupo está completando uma década juntas com o novo álbum Between Us – uma retrospestiva com cinco novas faixas, que já foi lançado. E elas tiveram bastante hits para escolher para um álbum com dos melhores: 31 singles Top 40, incluindo cinco Número 1.

 

Cannonball
Alcance no Official Chart : Número 1
Lançamento: 2011
Vendas dos charts britânicos: 561,000

O Número 1 do grupo menos vendido é o single de venderor do X Factor – um cover de Cannonball de Damien Rice, que foi um hit de Top 40 para o músico de folk em 2003. Chegando da 18ª colocação no seu Top 20, é uma música que Little Mix raramente reconhece esses dias, mas sabendo que Simon Cowell provavelmente nem mesmo as reconheciam campeãs do programa quando selecionou o single de vencedor delas deixa tudo mais aceitável.

 

Heartbreak Anthem (com Galantis e David Guetta)
Alcance no Official Chart: 3
Lançamento: 2021
Vendas dos charts britânicos: 633,000

Em 15º, esta colaboração com a dupla sueca Galantis e David Guetta é a adição mais recente de Little Mix no seu Top 20. Lançamento pouco tempo depois de sua vitória mais do que merecida de Melhor Grupo nos BRITs em maio de 2021, este hino europop é um relativo quase, chegando perto do Número 1 de Shout Out To My Ex – mais sobre ele mais tarde…

 

Sweet Melody
Alcance no Official Chart: Número 1
Lançamento: 2020
Vendas combinadas: 801,000

O quinto e mais recente Número 1 de Little Mix, a super-carregada Sweet Melody completou uma subida de 10 semanas no início de janeiro de 2021, alcançando o topo em menos de um mês após a saída de Jesy Nelson. A faixa teve uma partida séria, aproveitando 30 semanas no Top 100 – uma das maiores conquistas no Chart – e já está em 12º n seu Top 20.

 

Hair
Alcance no Official Chart: Número 11
Lançamento: 2015
Vendas dos charts britânicos: 927,000

Hair é o maior single do grupo que não entrou no Top 10, chegando em nono lugar no Top 20, e em termos de vendas nas paradas, supera alguns dos singles mais altos nas paradas incluindo Salute, Move, DNA e Word Up. Hair foi primeiramente lançado como um single de promoção do álbum Get Weird, antes de ser promovido a single oficial em 2016 com um novo mix com a participação de Sean Paul.

 

Wings
Alcance no Official Chart: Número 1
Lançamento: 2012
Vendas dos charts britânicos: 969,000

O primeiro single de Little Mix foi um hino de afirmação encorajando a todos a esquecerem dos haters e viver o melhor da vida. Ele passou uma semana no Número 1 no Official Single Chart e envelheceu notavelmente bem, ficando em oitavo no Top 20 com 51 milhões de streams até hoje, apesar de ter sido lançado dois anos antes da era dos streams.

 

Secret Love Song
Alcance no Official Chart: Número 6
Lançamento: 2015
Vendas dos charts britânicos: 1,33 milhões

A maior balada de Little Mix fica em Número 5 no Top 20, com 1,4 milhões de vendas até hoje. A colaboração com Jason Derulo – que co-escreveu a música – aparentemente estava inspirado pela participação do grupo no Radio 1 Live Lounge que fez um cover do seu single Want To Want Me.

 

Touch
Alcance no Official Chart: Número 4
Lançamento: 2016
Vendas dos charts britânicos: 1,6 milhões

Apesar de ter perdido o top 3, Touch é um dos singles mais sucedidos de Little Mix. A faixa produzida por MNEK passou dez semanas no Top 10, das quais seis foram em Número 4. A música ficou em terceiro no Top 20, e também é o terceiro hit com mais streams, com gigantescos 150 milhões de streams até hoje.

 

Shout Out To My Ex
Alcance no Official Chart: Número 1
Lançamento: 2016
Vendas dos charts britânicos: 2 milhões

O alegre hino de tchauzinho – lançado alguns meses depois da separação de Perrie com Zayn Malik, nada menos – foi direto para o Número 1 e passou três semanas lá, fecebendo 95,000 vendas em sua semana de estreia. Também foi o único single a chegar no topo naquele ano tendo uma liderança feminina – Girl Power de fato!

Lista completa:

Os maiores álbuns de Little Mix

Quando o assunto é álbuns, Little Mix recebeu 3,6 milhões através de seus seis discos. Glory Days de 2017 termina no topo com poderosos 1,2 milhões de vendas, seguido de Get Weird de 2015 com 929,000.

Seu álbum de estreia DNA está se aproximando da marca de meio milhão com 470,000 de vendas combinadas, enquanto seu segundo disco Salute está em quarto lugar com 426,000. LM5 de 2018 está com 321,000, e finalmente Confetti de 2020 tem até agora 221,000 de vendas acumuladas.



17.11.21

Little Mix lançou recentemente o incrível videoclipe de seu último single, “No”, e é tudo sobre mães glamorosas.

No clipe, Perrie Edwards, Leigh-Anne Pinnock e Jade Thirlwall esbanjam cores brilhantes em suas vidas cotidianas de mães do subúrbio.

Começa com as meninas empurrando carrinhos de bebê rosas e azuis (com três ‘bebês’ sentados neles) enquanto usam calças de moletom combinando com os seus nomes estampados em suas costas.

A cena então muda para os ‘bebês’ (dançarinos) brigando por um videogame enquanto Perrie miseravelmente faz sanduíches intermináveis ​​e Leigh-Anne passa o ferro.

Elas então clicam no controle a opçã0 ‘MAN-ual’ que faz reconfigurar os três homens de bebês em ‘deuses domésticos’, fazendo com que eles cuidem perfeitamente da casa em que estão.

Perrie apareceu deslumbrante em um vestido roxo, enquanto Jade usava um lindo vestido azul e Leigh-Anne em um incrível vestido verde.

 

Confira:



17.11.21

Acredite ou não, mas há grupos que sobrevivem à “maldição dos cinco anos”. Little Mix é prova viva disso! Em 2021, nossas rainhas celebram o aniversário de — pasmem — uma década de muito sucesso juntas! A equipe do hugogloss.com bateu um papo com Perrie Edwards, Leigh-Anne Pinnock e Jade Thirlwall, que refletiram sobre as conquistas ao longo desse período, além de falarem mais sobre a nova turnê, maternidade e passagem pelo Brasil.

Nesta sexta-feira (12), elas coroam a jornada de dez anos com “Between Us”, coletânea que reúne os maiores sucessos da banda, como “Black Magic” e “Shout Out to My Ex”, além de cinco canções inéditas. O projeto de ‘Greatest Hits’, entretanto, gerou desconfianças. Ainda mais depois que o jornal britânico The Sun reportou que as meninas estariam planejando se separar após a próxima turnê. Logo, os mixers se desesperaram com a possibilidade de que o disco fosse feito para celebrar o fim do grupo.

O hugogloss.com questionou o trio sobre o assunto, e Perrie Edwards deu apenas a melhor e mais animadora resposta!

Eu acho que o lance com o Little Mix, pra nós, é que o Little Mix é pra sempre. Little Mix não deixará de ser Little Mix porque nós não conseguimos viver sem as outras. Por mais patético que isso soe, nós não conseguimos viver sem as outras”, declarou a cantora, afastando qualquer rumor de ‘disband’. 

“Acho que quando cada uma de nós embarca em seus próprios projetos, seja na música, moda, televisão, cinema… que seja, qualquer coisa que fazemos individualmente, nós nos apoiamos. Nós queremos estar ali para a outra, para apoiar cada uma individualmente, mas nós sempre voltamos a ser um grupo. Então, nós nunca, jamais, vamos nos separar. Nunca. Desculpe, não vai acontecer”, enfatizou. Ufa!

Maternidade

Além de seus muitos trabalhos, sejam individuais ou coletivos, as artistas têm, claro, que reservar espaço na agenda para seus compromissos pessoais. Perrie e Leigh, inclusive, se tornaram mamães ainda em agosto e estão bastante dedicadas aos filhinhos. Abertas, elas contaram mais sobre esse processo tão novo em suas vidas e avaliaram quais têm sido os maiores desafios da maternidade. 

“Bem, primeiro de tudo, tem sido incrível! Me sinto muito sortuda e abençoada de ter meu bebezinho. Eu acho que é muito mágico. A gente sempre diz que ter filhos dá uma nova perspectiva às coisas e te faz reconhecer o que é importante na vida e o que não é. Você deixa de ligar pra certas coisas bobas… e eu me sinto muito sortuda de ter meu filho. Sério. E você, Leigh?!”, quis saber Perrie.

“Pra mim também! Eu acho que é a benção mais linda e incrível, me faltam palavras pra explicar. Mas a coisa mais difícil… é que você não se prepara para algo assim. Não dá pra se preparar pra maternidade. Não importa o quanto você leia, tipo, é difícil! É bem difícil! Você meio que não sabe o que fazer, até ter que fazer, entende?”, explicou Leigh. “Acho que você vai seguindo o fluxo”, acrescentou Edwards.

“Sim, era isso que ia dizer! Por mais que seja difícil, as respostas vêm até você. Eu nunca tive esse instinto maternal até ter os bebês, mas agora que estão aqui, eu sei como segurá-los, sei como fazer todas as coisas. É estranho, né, como é algo natural?! Simplesmente acontece”, refletiu Pinnock. Ah, e elas ainda disseram que os pequenos já se conheceram pessoalmente! A Leigh veio aqui em casa e minha mãe fez um banquete. Foi muito fofo, na verdade. Foi legal pra eles poderem se conhecer, porque serão melhores amigos pra sempre!”, antecipou a mãe de Axel. Own!

Estreia no cinema

Além do evento inesquecível que é dar à luz, outro grande marco acontecerá na carreira de Leigh-Anne neste ano: sua estreia como atriz. A britânica é uma das protagonistas do longa “Boxing Day”, comédia romântica natalina que tem lançamento marcado para 3 de dezembro, no Reino Unido. Questionada sobre como foi a experiência nos sets, ela caiu no riso e lançou uma pergunta para as colegas:

Vocês não acham que vai ser muito estranho me ver num filme?! Vai ser tão esquisito!”.

Oh, eu mal posso esperar! Porque nós te conhecemos tão bem, então acho que vai ser muito engraçado assistir… Vai ser tão bizarro… Mas eu te acho incrível”, elogiou Perrie.

Na sequência, Pinnock então lembrou da reação de sua mãe ao vê-la nas telonas.

Sabe de uma coisa? Eu fui assistir ao filme pela primeira vez e levei meus pais e minha irmã, e minha mãe chorou quatro vezes. Então eu mal posso esperar pra que vocês assistam! Tá muito bom”, declarou.

Além disso, ela também mencionou o quão especial foi integrar um elenco composto, majoritariamente, por pessoas pretas.

“Foi uma honra, também, poder fazer parte de um elenco com todas as pessoas pretas. É uma das primeiras comédias românticas britânicas com elenco preto. Eu acho que é muito maneiro! Acho que foi legal poder fazer parte de algo diferente também, pra sair da minha zona de conforto e atuar, que é algo que nunca tinha feito antes”, pontuou.

Jade, por sua vez, também avaliou a possibilidade de se aventurar em produções cinematográficas:

“Eu e Perrie somos muito fãs de musicais, tipo ‘O Rei do Show’. Isso é algo que eu com certeza posso nos ver fazendo no futuro. E como a Leigh disse, é muito legal e empolgante podermos experimentar coisas novas ao mesmo tempo que temos nosso grupo. É muito legal poder fazer essas outras coisas pelas quais somos apaixonadas e, talvez, nunca tivemos tempo para focar antes. Então nunca se sabe!”. 

“Between Us”

Ainda na entrevista, claro, as donas do Reino Unido nos contaram sobre o processo de criação e organização do novo disco, com os maiores hits da carreira. De acordo com Jade Thirlwall, não foi nada fácil decidir quais músicas entrariam na tracklist, e quais ficariam de fora. 

“Foi muito divertido reviver memórias e escutar todas as músicas antigas para definir qual delas faria parte. Algumas canções acabaram passando despercebidas, como ‘Little Me’, que eu meio que tinha esquecido que existia. (risos) É, foi difícil escolher as músicas!”, admitiu.

“E sobre as novas… Acho que entramos no estúdio sem nenhuma pressão, só queríamos nos divertir e escrever músicas incríveis. E foi isso que a gente fez. Eu acredito que as cinco faixas são uma combinação adorável de música pop de qualidade, que fizemos como presente para nossos fãs de ‘feliz dez anos’”, completou ela.

“Confetti Tour”

Depois de quase dois anos afastadas dos palcos por conta da pandemia, nossas misturinhas entrarão em turnê em 2022 — e elas já avisaram que a “Confetti Tour” virá acompanhada de novas coreografias, arranjos e looks!

Vai ser a melhor turnê que já fizemos. Tem que ser, é nosso aniversário de dez anos! Tem alguns hinos que não vemos a hora de cantar, como ‘Sweet Melody’. Quanto tempo faz que não saímos em turnê? Dois anos?! Três?!”, indagou Leigh.

Tempo demais! É tão estranho”, comentou Perrie.

“Pois é! Então, eu acho que vai ser provavelmente a melhor coisa de todas. Nós não vemos a hora de voltar pros palcos”, animou-se Pinnock, que também disse torcer para que a turnê ganhe datas aqui no Brasil!

Oh, eu amaria isso! Temos que fazer isso acontecer! Não importa o que aconteça, temos que fazer isso rolar!”, avisou. Nós precisamos!”, acrescentou Edwards, que não pôde se juntar às amigas da última vez que o grupo esteve em nosso país.

A passagem do Little Mix pelo Brasil aconteceu em março de 2020, num dos últimos shows antes do isolamento, e causou frenesi entre os fãs. As cantoras, inclusive, ficaram muito emocionadas com a recepção calorosa que tiveram.

“Nós já tínhamos visto esse amor todo do Brasil online — de toda a América do Sul num geral, mas o Brasil especificamente, nós víamos os fãs, sabíamos que tínhamos uma fanbase gigantesca aí, mas acho que não imaginávamos a proporção que isso teria. Foi algo… eu nem sei explicar. Foi provavelmente um dos melhores shows que já fizemos! Foi a recepção mais incrível, minha nossa… Foi muito emocionante. Vocês são barulhentos! Uau! A melhor plateia de todas!”, afirmou Leigh, com um sorriso no rosto.

Agora, nos resta esperar pra ver as rainhas em solo brasileiro novamente, né?! 

Assista à íntegra da entrevista:

Fonte: Hugo Gloss



16.11.21

“Eu estou muito orgulhosa por nós três termos conseguido estabelecer esse vínculo juntas.”

Se você puder acreditar, já fazem 10 anos do grupo britânico Little Mix. De seus dias no X Factor até atualmente, sem a ex-membro Jesy Nelson, as garotas têm feito uma longa jornada – é por isso que seu álbum de aniversário, “Between Us”, é de hit atrás de hit e um pouco de coisas novas por vir. Então, conversamos com Perrie Edwards, Leigh-Anne Pinnock e Jade Thirlwall pelo Zoom para falar sobre a nova coletânea de sucessos, suas colaborações favoritas e como elas uma vez foram subornadas com frango grátis para lançar um “certo single”.

Quem vocês têm ouvido recentemente?

Perrie: Britney [Spears] – por causa de todo o movimento #FreeBritney – Mariah [Carey], Celine [Dion]. Todos os ícones pop, na verdade.

Leigh-Anne: Todos os clássicos. Tenho ouvido lovers rock reggae – o reggae da velha guarda. Às vezes, você simplesmente passa por fases, e essa é a minha fase agora.

Jade: Tenho caído em buracos negros do YouTube, estou apenas o deixando que me digam o que assistir. Normalmente sempre começamos com “Bouncin ‘” de Tinashe, e então leva a “Wild Side” de Normani, e sempre termina em “Get Me Bodied” de Beyoncé. Você acha que o YouTube sempre entrega as mesmas músicas para vocês?

Leigh-Anne: Sim, o seu é Beyoncé, o meu é “Na fazenda tinha um cachorro chamado Bingo, B-I-N-G-O.”

 

Descreva essa compilação em três palavras:

Leigh: Icônica.

Jade: Celebração.

Perrie: Ah, celebração é uma boa! Talvez jornada, porque é literalmente um catálogo da Little Mix. A jornada das nossas carreiras.

 

Qual foi a inspiração por trás das músicas novas?

Perrie: “Between Us” – gosto de como Jade a descreve, como uma canção de amor umas para as outras. É sobre nossa amizade, nossa irmandade, sobre o amor que temos umas pelas outras, como estamos em sincronia. Tem referência de várias outras músicas lá também, o que eu acho muito inteligente. É uma daquelas músicas que não vamos conseguir tocar sem chorar, e os fãs provavelmente vão chorar toda vez que a tocarmos.

“Trash” é uma música muito atrevida. É uma música muito forte e poderosa que é tipo, “Se você não está fazendo isso, e você tem sido um idiota, vá para o lixo.”

“No” – basicamente, nós somos mulheres muito obstinadas e experientes em negócios. Mas, muitas vezes, no passado e na indústria, sempre dizíamos sim. É uma merda admitir, mas há momentos em que as pessoas nos atropelam, nos encurralam e temos que seguir em frente com tudo o que eles dizem. Nós temos sido fracotes, até certo ponto! E decidimos escrever uma música sobre dizer não, para variar.

“Cut You Off” é sobre alguém que é realmente tóxico em sua vida e você não quer mais. Na verdade, fomos para a terapia em grupo, o que achamos muito, muito útil. Disseram-nos para imaginar as pessoas que são negativas em nossas vidas e as pessoas que não nos fazem sentir muito bem com nós mesmas. Imaginamos uma tesoura grande para cortar as pessoas – e então Jade veio com o conceito para transformá-la em uma música, o que eu achei muito legal.

Então nós temos “Love Sweet Love”, que todo mundo já ouviu e é um hino!”

BuzzFeed: Eu adoro que tenha surgido por meio de terapia, isso é muito legal.

Perrie: Nós realmente amamos terapia – porque realmente precisávamos dela. Fizemos isso individualmente e como um grupo também, o que é incrível. Para que possamos estar todas juntas e chorar juntas. É muito bom.

 

Este álbum é para marcar o aniversário de 10 anos da Little Mix – quais são algumas das maiores coisas que você aprendeu com o seu tempo juntas?

Jade: Uma das principais coisas que aprendi é que essa indústria é muito instável. É muito difícil lidar com isso como mulheres e como parte de uma banda de garotas. Mas ao longo de toda essa experiência, nós nos encontramos e ajudamos umas as outras. Aprendi que não importa o que aconteça agora e ao longo do caminho no futuro, sempre terei elas para me ajudar sempre que tiver problemas e isso é realmente lindo. Estou muito orgulhosa por nós três termos conseguido estabelecer esse vínculo juntas. Sim, isso é um pouco clichê.

Perrie: Eu aprendi que Jade tem um ótimo gosto para xícaras [gesticula para a caneca de Jade]. Acho que concordo com o que Jade disse.

 

O álbum abre com “Shout Out to My Ex” – Sempre fico curiosa sobre como o processo de composição / gravação / videoclipe evolui. Quais foram algumas das principais mudanças que aconteceram desde a primeira vez que vocês começaram a compor até o produto final?

Jade: Estávamos em turnê quando ela foi escrita. O que fizemos naquela época, por estarmos muito ocupadas, foi enviar nossas próprias experiências e conceitos para nossos escritores favoritos e então eles fizeram uma sessão de escrita com base no que queríamos que fosse escrito. Então, recebemos um “Shout Out” de KAMILLE, e lembro que mudamos o segundo verso da letra para ser mais parecido com nós. Essa foi a maior mudança, mas no minuto em que ouvimos, pensamos: “Isso é um sucesso”.

 

Olhando para trás, há alguma faixa que você teria feito diferente agora?

Jade: Eu honestamente não me arrependo de nenhum de nossos singles. Vocês?

Leigh-Anne: Não me arrependo deles, porque todos serviram ao seu propósito. Mas eu não teria escolhido “Change Your Life”, pessoalmente.

Perrie: Eu sabia que você ia dizer isso.

Leigh-Anne: Mas adoro como isso teve um impacto positivo em muitas pessoas.

Jade: Não me lembro se era o Nando’s, mas estávamos em um restaurante e basicamente fomos subornadas com uma refeição grátis para [lançar] “Change Your Life” como single.

Perrie: Aposto que eles pensaram: “Sei como anunciar a novidade: vamos alimentá-las com um monte de frango e vai ficar tudo bem.”

 

Qual foi sua lembrança favorita de trabalhar com o Machine Gun Kelly?

Jade: No minuto em que entramos no set, ele disse, “Aqui está uma rodada de drinks!” No final da filmagem, eu estava bastante bêbada. Em seguida, fomos tomar uma bebida – uma bebida amigável. Ele é um grande fã do Oasis, o que eu achei bastante interessante e é por isso que “Wonderwall” é referenciado no rap de “No More Sad Songs”.

Perrie: Ele é uma pessoa tão gente boa. Ele é muito legal.

Leigh-Anne: Na verdade, foi uma de nossas colaborações favoritas. Colaboramos com pessoas incríveis, mas ficamos obcecadas por seu rap desde a primeira vez que o ouvimos. Apenas levou a música a outro nível.

 

Vocês podem compartilhar uma lembrança de trabalhar com o Jason Derulo?

Leigh-Anne: Ele é um amor. Meu sobrinho era obcecado por ele quando pequeno e ele foi tão adorável e tirou uma foto com ele. Ele conheceu seu ídolo e foi muito legal!

 

Eu tenho que agradecer seus dias no X Factor – como seus pensamentos sobre os reality shows evoluíram, se é que evoluíram, desde então?

Jade: Eu acho que programas assim, e como eles eram executados, provavelmente não poderiam mais existir. É um equilíbrio difícil, porque obviamente sabíamos o que era aquela experiência, mas ao mesmo tempo, sempre seremos gratas a esse show porque ele literalmente nos deu a oportunidade de formar o grupo. Por isso, temos muito orgulho e muita gratidão por essa experiência.

Quando criamos The Search , nosso próprio reality show na TV, meio que usamos isso para criar a nossa forma de fazer o programa em termos de dar um pouco mais de apoio, porque naquela época aqueles programas eram muito programas de entretenimento.

BuzzFeed: Eu fiz 25 anos este ano e vi um tweet  “Você estaria na categoria dos participantes mais velhos no The X Factor” e me senti muito humilhada.

Perrie: Isso é estranho, porque quando eu costumava assistir, pensava “Oh, Deus, eles são velhos!”

Jade: Isso é absolutamente louco, que todos nós fazemos parte da categoria “veteranos” agora.

Leigh-Anne: Meu Deus [risos]. Sim, isso é louco.

 

Leigh-Anne e Perrie, como tornar-se mães afetou a abordagem na música, se é que afetou?

Leigh-Anne: Mal posso esperar para voltar ao estúdio e escrever sobre eles.

Perrie: Eles colocaram as coisas em perspectiva, e você ouve música de forma diferente – o que é estranho.

 

O que você espera do próximo ano? Como será essa interação da Little Mix?

Perrie: Mal posso esperar para entrar em turnê: ver todos os fãs, tocar, sinto muita falta. Eu só quero cantar, dançar, estar perto de todos e ter a equipe próxima novamente.

 

Fonte: Buzzfeed

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil



16.11.21

O legado da Little Mix: Como um dos melhores grupos femininos que já fez isso ainda está, bem, fazendo isso

Enquanto Jade Thirlwall, Leigh-Anne Pinnock e Perrie Edwards se preparam para lançar seu álbum de maiores sucessos, “Between Us”, o trio se abriu para o BuzzFeed News sobre sua irmandade de dez anos, as lições que aprenderam ao longo do caminho e o que podemos esperar a seguir.

No decorrer das atividades de sexta-feira, dissecar a discografia titânica de um dos maiores e mais bem-sucedidos grupos femininos do mundo definitivamente está entre as melhores. A única maneira de melhorar, na verdade, é discutir essa discografia com as mulheres que cantaram essas canções.

É assim que me encontro em uma tarde de sexta-feira em outubro, vestindo um moletom de “Wasabi” e dizendo à Jade Thirlwall pela enésima vez que a Little Mix só serviu hinos nos 10 anos em que estão juntas. Leigh-Anne Pinnock está fora da câmera cuidando de seus gêmeos recém-nascidos quando nossa ligação começa, enquanto a nova mãe Perrie Edwards está um pouco atrasada, o que me dá a oportunidade perfeita para encher os ouvidos da Jade sobre seu catálogo icônico antes de começarmos.

“Eu sei, é hino atrás de hino”, diz Jade, de 28 anos. Mas com sucessos ao longo de uma década, deve ter sido uma jornada e tanto relembrar para escolher quais músicas entrariam em “Between Us”, o próximo álbum de maiores sucessos da banda, que também oferece cinco faixas novas.

“Quando você está nessa indústria, a cada ano você faz um ciclo, você passa por isso, blá, blá, blá,” diz Jade. “Mas quando você realmente tem que sentar e olhar para todas as faixas e ouvi-las pela primeira vez depois de um tempo, eu fiquei tipo, ‘Nossa, nós realmente conseguimos. Nós realmente fizemos isso.'”

E é impossível argumentar contra isso. A edição standard de “Between Us”, com lançamento em 12 de novembro, apresenta quatro sucessos número um, dez singles top 5 e 16 músicas que chegaram ao top 10. Somadas, a tracklist recebeu mais de 3,5 bilhões de streams no Spotify. O legado de Little Mix continua a tomar forma, sua magia perdura e sua longevidade é inegável.

Uma coisa que mudou é a própria composição do grupo. Em 2020, Jesy Nelson anunciou sua saída da Little Mix, citando razões de saúde mental. No entanto, o foco desta entrevista é falar com as integrantes restantes, enquanto elas comemoram mais um marco em suas carreiras.

Mas por onde você começa quando está entrevistando um grupo que está junto há uma década e teve o sucesso com o qual a maioria das pessoas só pode sonhar? Bom, do início, é claro…

DNA
Depois de se tornar o primeiro grupo a vencer o The X Factor UK em 2011, Little Mix recebeu um single de estreia que não representava muito bem o seu estilo. Então, elas voltaram no verão de 2012 com “Wings” – uma música que realmente fez jus a quem elas eram – e encerraram o ano com o lançamento de seu álbum de estreia, DNA.

“Não acho que estávamos realmente preparadas”, diz Leigh-Anne, 30, olhando para o início de sua carreira. “Aprendemos literalmente ao longo do caminho. Acho que nem lemos nosso maldito contrato quando o assinamos. Éramos ingênuas e jovens nesse nível”.

Mas se elas estavam sentindo a pressão, isso não transpareceu – “Wings” se tornou o segundo single número um do grupo, com o álbum “DNA” alcançando o 3º lugar no Reino Unido e o 4º nos Estados Unidos – algo tradicionalmente difícil de conseguir.

Naquele início, o grupo era despreocupado, absorvendo a nova vida como jovens estrelas do pop.

“De certa forma, sinto falta da inocência”, diz Perrie, 28, depois de alguns segundos sem perceber que ela está no mudo e não conseguimos ouvir o que ela está dizendo.

Um breve interlúdio para relembrar o pesadelo de nos comunicarmos virtualmente durante o primeiro isolamento nos distrai por um momento, mas estamos rapidamente de volta aos trilhos.

“Acho que sinto falta de como tudo era novo e empolgante. Eu ficava meio, ‘Ai, meu Deus, uau! Ai, meu Deus, uau!’ em relação a tudo, era tão especial no começo.”

Como mulheres que viram e experimentaram mais do mundo agora, há algo que elas gostariam de dizer a si mesmas quando entraram na indústria?

“Eu diria: ‘Querida, não gaste esse pagamento antecipado em uma viagem para Marbella. Você poderia ter guardado isso e colocado como um depósito em um apartamento ou algo assim”, brinca Jade. “Acho que no início, obviamente, éramos tão ingênuas, não sabíamos o que estávamos assinando, recebemos um pagamento antecipado, pensamos que de repente éramos muito ricas e eu desperdicei todo o dinheiro em seis meses. Ele se foi.”

“Você se lembra daquele prato de camarões que eu pedi no hotel?” Leigh-Anne pergunta a Jade e Perrie enquanto ambas caem na risada com a memória. “Eles eram tão caros que não tinham o preço ao lado… Eu basicamente achei que a gravadora pagava por tudo, então quando nós estávamos saindo do hotel, minha conta estava muito alta e as garotas ficaram tipo ‘O que diabos você fez?’ E eu ‘’Bom, já está pago, não é?’ E elas disseram, ‘Não, não está!”

“Ela pedia as coisas mais caras todas as noites pensando que a gravadora estava pagando”, acrescenta Perrie entre risos. “Ela estava tipo, ‘Vou querer dois desses. Vou querer esses camarões. Sazonais, não são? Bom, é melhor eu pedir!’ Sua conta ficou bizarra.”

Jade também se lembra de um momento em que foi acusada de roubar um pernil de cordeiro de um hotel, uma memória que Perrie acrescenta que nunca vai esquecer.

“Nós, do norte, chegamos àquele hotel chique, e eles pensaram que éramos necessitadas”, diz Jade. “Essa foi uma lição rápida aprendida. Foi muito estilo Pretty Woman.”

Mas camarões, pernil de cordeiro e torragem de dinheiro de lado, há mais alguma coisa que elas diriam a si mesmas?

“Não confie tanto em todos ao seu redor”, diz Jade. “Éramos tão jovens e, obviamente, nossa família e amigos também não faziam ideia de como as coisas funcionavam, então literalmente não havia ninguém para nos aconselhar. Isso é uma coisa que eu diria.”

Salute
As integrantes do grupo são as primeiras a reconhecer que enfrentaram uma pressão imensa com o lançamento do segundo álbum – elas queriam capitalizar o sucesso do primeiro enquanto continuavam a elevar seu som.

“Acho que o DNA foi uma grande estreia para nós, então definitivamente houve muita pressão em trazer o Salute”, diz Leigh-Anne, apontando que a Little Mix sempre quis se inclinar para o R&B e se mostrar como um grupo de harmonia vocal. “O DNA foi muito pop, e queríamos voltar ao que originalmente queríamos ser. Por isso que o Salute foi muito mais voltado para R&B.”

Embora o álbum não tenha chegado ao mesmo sucesso que o “DNA” nas paradas, alcançou o 4º lugar no Reino Unido e o 6º nos Estados Unidos, nas palavras de Leigh-Anne, “serviu ao seu propósito” em continuar a construir a reputação da Little Mix, e é um trabalho de que o grupo ainda “se orgulha muito”.

“Acho que estávamos bem à frente do nosso tempo quando lançamos essas músicas”, diz Perrie em resposta ao meu monólogo sobre a atemporalidade de “Move” e “Salute”.

“Sim, atemporais, definitivamente. O que eu amo é que sempre tentamos fazer um esforço consciente para lançar músicas que [não] eram comuns na época. Quando lançamos ‘Move’ – digo, sim, esse tipo de som estava estourando na América, mas acho que não no Reino Unido.”

E “Salute” fala por si.

“Se você pensar bem, já temos dez anos de carreira e muitas vezes ainda abrimos nossos shows ou festivais, com ‘Salute’, porque essa música é aquela vadia”, continua Perrie. “Ela te dá um soco na cara, e é isso que eu amo nela. Então, sim, você está certa – são atemporais.”

Eu pergunto se elas consideraram regravar as músicas para o seu álbum de maiores sucessos, dado o quanto já mudou. No entanto, embora a ideia fosse atraente, não era realista devido à licença-maternidade de Leigh-Anne e Perrie. E Jade também destaca que preservar as músicas comprova o quão longe elas foram.

“Eu gosto de não termos feito isso, porque é bacana ouvir o crescimento e a evolução”, diz ela. “É legal ouvir como nossas vozes mudaram, como mudamos como grupo. Mas acho que quando lançarmos [Between Us], haverá algumas coisinhas que faremos, obviamente nós três, o que vai ser bom.”

Get Weird
Os dois primeiros álbuns da Little Mix as estabeleceram como grupo. Mas o terceiro atirou-as para a estratosfera e deu-lhes o sabor adequado da adoração global.

No cerne de “Get Weird” – um projeto nascido das cinzas de um álbum que o grupo descartou depois da era “Salute” – estava, claro, a música “Black Magic”. A canção incrivelmente cativante pode ter disparado direto para o número um, mas Jade estava inicialmente desconfiada quando o grupo a ouviu pela primeira vez.

“Ninguém poderia negar que era uma boa música”, diz ela. “Lembro de quando ouvimos pela primeira vez, eu não tinha tanta certeza sobre ‘Black Magic’ porque era muito pop.”

Mas Jade também estava preocupada porque o grupo não havia escrito a música, em um período em que elas estavam desesperadas para provar que eram mais do que apenas cantoras.

“Foi a primeira música que não tínhamos escrito ativamente, e acho que tive um pouco de orgulho, porque era muito importante para nós também sermos vistas como compositoras de credibilidade”, diz Jade. “Então, ficar com essa música sem ter feito parte dela foi difícil de engolir, eu acho. Mas, quanto mais nos envolvíamos, e uma vez que gravamos, eu fiquei tipo ‘sim!’”.

No entanto, como o próprio grupo admite, “Black Magic” foi oferecida exatamente quando elas estavam procurando por um hit – e o então chefe de sua gravadora, Sonny Takhar, acreditou tanto na música que lançou um enorme orçamento e uma grande campanha.

“A campanha foi incrível”, lembra Jade. “Voamos para LA e gravamos o clipe. Foi uma filmagem de dois dias. Pela primeira vez em nossa carreira, realmente sentimos algo borbulhando, tipo, ‘Isso vai ser enorme e vai ser um momento’. E assim foi. Isso nos catapultou mais internacionalmente. Foi número um por semanas.”

Mas, embora sua terceira era tenha sido um sucesso em todos os sentidos, o melhor ainda estava por vir.

Glory Days
Pensando bem, Glory Days é apropriadamente nomeado. É a Little Mix no auge de seus poderes, descobrindo novos níveis de fama e de sucesso que as puxaram por todo o mundo.

“Eu olho para trás e acho que foi um dos momentos mais felizes e incríveis da minha vida”, diz Perrie com um sorriso, após ser repreendida por sua mãe por não carregar seu celular antes da entrevista.

“Me deixa feliz, e acho que é por isso que sou tão apegada ao álbum e aos singles, porque só me lembro de nós nos divertindo. Isso é tudo que me lembro dessa campanha. Viajávamos pela Europa, dávamos cambalhotas nos corredores dos hotéis, pedíamos serviço de quarto e dormíamos juntas. Foram bons momentos.”

Mesmo que pareça impossível, eu pergunto se o turbilhão em torno de Little Mix neste momento aproximou o grupo.

“Acho que sim”, diz Perrie. “Sempre fomos próximas e sempre apoiamos umas às outras, mas acho que por algum motivo naquela época, lembro de pensar ‘Meu Deus, não consigo sobreviver sem essas meninas’. Mesmo que eu já pensasse assim antes, aquela época realmente consolidou isso.”

Mas Perrie também aponta que elas estiveram lá uma para a outra nos momentos difíceis também.

“Sim, nós nos divertimos e rimos juntas, mas também choramos juntas e apoiamos umas as outras quando estamos passando por merdas e coisas pessoais”, diz ela. “Só acho que realmente consolidamos nossa irmandade naquela época. Tudo significou muito para nós.”

“Shout Out to My Ex” deu início à era com uma declaração difícil de distorcer. Era óbvio que términos anteriores foram uma inspiração. Mas isso torna difícil lançar uma música que é tão pessoal para você, especialmente quando você sabe que o público vai querer examinar cada letra em busca de significados ocultos?

“As músicas podem ser interpretadas da maneira que a pessoa quiser, o que às vezes é uma coisa boa, mas também pode gerar rumores e causar todo o tipo de confusão”, diz Jade. “Mas, você sabe, se você está orgulhosa da sua música e se mantém fiel à mensagem dela, você tem que assumir, não é?”

“Especialmente se as pessoas se identificam” Perrie concorda. “Se você lança uma música e centenas de milhares – milhões, até – de pessoas podem ouvir, se relacionar com ela e se sentirem fortalecidos por ela, então vale a pena nos sentirmos um pouco desconfortáveis, porque é muito maior do que nós. É muito maior do que isso.”

Como se o single principal de “Glory Days” não fosse grande o suficiente, Little Mix então seguiu com outro hino na forma de “Touch”, uma música que eu ressalto que tem muita versatilidade quando você compara a versão original com a acústica.

“Acho que arrasamos. Na verdade, acho que não fazemos o suficiente”, diz Leigh sobre o acústico.

“Touch é provavelmente um dos acústicos mais bonitos que já fizemos.” Jade deixa escapar que elas têm outro saindo em breve, mas o grupo permanece calado sobre qual música.

Mas quando se trata da primeira apresentação acústica de “Touch”, em 2016, eu e todos os outros fãs percebemos que, enquanto o grupo brilhava como de costume, foi Leigh-Anne que realmente reluziu, dominando o palco e atingindo aquela impressionante nota alta que ela continuou a fazer desde então. Eu pergunto se essa música e apresentação em particular ajudaram a aumentar sua confiança, ou se isso foi apenas uma interpretação de alguém de fora que pode estar muito errada.

“Não, você está totalmente certa. Definitivamente aumentou a minha confiança, nunca vou esquecer o dia em que tocamos ao vivo pela primeira vez”, diz Leigh-Anne. “Deu alguma coisa em mim. Eu só pensei ‘Dane-se, eu simplesmente vou com tudo’. E me conhecendo, eu provavelmente estava no camarim enlouquecendo com isso, tipo, ‘Será que vou alcançar a nota?’ Eu simplesmente fui em frente, então fico muito orgulhosa de mim mesma por ter feito isso.”

A apresentação deu a Leigh-Anne uma nova perspectiva, que ela tem levado adiante desde então.

“A partir daquele momento, eu penso ‘Meu Deus, pare de ser tão dura consigo mesma. Vá fundo”

A era “Glory Days” também permitiu que a Little Mix elevasse sua moda ao começar a trabalhar com os estilistas Zack Tate e Jamie McFarland, cujo perfil do BuzzFeed News foi feito em 2020. Até aquele ponto, o grupo estava feliz em se vestir apenas para o conforto, algo que as colocou em apuros com sua gravadora.

“Lembra quando levamos bronca da gravadora?” Perrie diz, levando todas as três para outra rodada de risos. “Íamos para o trabalho ou para reuniões vestindo moletom. Disseram que basicamente parecíamos um pouco desleixadas, então tínhamos que fazer mais esforço.”

E foi aí que Zack e Jamie entraram em ação. Todas as três notam que seus estilistas têm um trabalho incrivelmente difícil, não menos porque, de alguma forma, têm que atender a cada um de seus gostos individuais, ao mesmo tempo que se certificam de que elas têm um visual coeso como grupo. Mesmo assim, eles parecem conseguir sempre.

“Acho que foi a primeira vez que eles entraram em cena onde tudo se tornou individual, mas coeso”, diz Jade, enquanto as outras concordam. “Zack e Jamie são muito importantes para nos fazer parecer um grupo feminino elegante e incrível.”

LM5
Enquanto “Glory Days” era uma perfeição pop jovem e despreocupada, “LM5” era elegante e descolado, com seu single principal, “Woman Like Me”, estabelecendo o grupo como mulheres crescidas e independentes. No entanto, enquanto a Little Mix estava pronta para desfrutar de outra campanha promocional de grande orçamento, as coisas logo mudaram quando elas deixaram sua gravadora dias antes do lançamento do “LM5”.

“[“Woman Like Me”] estava realmente servindo tudo. O conceito era incrível. Então era muito grandioso e especial”, Jade diz agora. “Então, obviamente, a mudança de gravadora aconteceu no meio disso e meio que dificultou as coisas, o que foi uma pena, porque fomos para a América tentar criar um álbum americano e não fomos lá nenhuma vez para promover.”

Ela acrescenta:

“Foi uma grande curva de aprendizado para nós. Não me lembro de ter sentido muita pressão em termos de fazer o álbum, porque acho que LM5 é um álbum fenomenal. Está entre os nossos melhores, então merecia a campanha como a do Glory Days e a campanha mundial, mas você sabe, estava meio que fora de nosso controle.”

Mas uma coisa que mais se destaca no “LM5” é a maneira como seu som divergia drasticamente de seu antecessor, “Glory Days”. É a prova mais uma vez que a Little Mix está sempre tentando mudar, em vez de fazer o que é seguro.

“Adoro o fato de não termos feito apenas outro álbum semelhante ao Glory Days”, diz Leigh-Anne. “Temos que progredir continuamente, temos que continuar, e acho que isso é o que há de bom nele também.”

Confetti
Infelizmente para Little Mix, a campanha de seu próximo álbum também estaria fora de suas mãos, com seu sexto álbum, “Confetti”, pego no fogo cruzado pandêmico. Como outros artistas lançando música na época, o grupo teve que promover o álbum em casa e desistir de ideias para um videoclipe para acompanhar o single principal, “Break Up Song”.

“Foi difícil, não foi?” Jade fala da época. “Foi muito difícil, porque estamos acostumadas a literalmente fazer o máximo, tudo o que somos capazes. Little Mix é tão extra. Não fazemos nada pela metade.”

No entanto, elas não deixaram o isolamento abalar seus ânimos.

“Você tem que se manter em movimento”, diz Jade. “Acho que só queríamos ter certeza de que nossos fãs também teriam algo pelo qual ansiar. Foi uma época de merda – não queríamos privar nossos fãs de músicas novas, então simplesmente fizemos acontecer.”

Agora, o grupo está feliz que as coisas aconteceram da maneira que aconteceram, até porque isso acabou dando a elas seu single número um na forma de “Sweet Melody”, pelo qual elas foram capazes de dar tudo de si após seu lançamento. Mas há um universo alternativo onde “Sweet Melody” poderia ter sido vítima do destino de “Break Up Song” enquanto Perrie pressionava para que fosse o single principal, até mesmo ameaçando deixar o grupo se não fosse, em uma chamada de Zoom. Isso pode ter sido uma piada, mas é claro que ela amou a faixa desde o início – mesmo que outras pessoas não gostassem.

A história diz que Jade e Leigh-Anne estavam em LA com Tayla Parx, que já trabalhou com a amiga Ariana Grande no hit “7 Rings”, quando Tayla tocou a faixa para elas. No entanto, embora o grupo e sua equipe sejam geralmente um tanto “coesos” em seus sentimentos por uma música, “Sweet Melody” inicialmente causou uma reação mista. Jade afirma, no entanto, que ela teve o “mesmo sentimento” que teve com “Wings” e “Shout Out”, em que ela soube imediatamente que a música era um sucesso.

“Eu sinto que ‘Sweet Melody’ cumpre todos os requisitos do que uma música pop deve ser.”

Between Us
Isso nos leva aos dias atuais, quando Little Mix se prepara para lançar seu álbum de grandes sucessos, “Between Us”, marcando sua primeira era como um trio.

Gravar as cinco novas músicas foi um processo “natural” e “fácil” de acordo com Leigh-Anne, até porque não houve qualquer pressão.

“Queríamos apenas ir lá e descobrir o que nos inspirou na época ou falar sobre as coisas que estávamos passando”, diz ela. “Foi bem natural.”

Ela acrescenta que “Between Us”, que foi lançada como uma música na semana passada, é a favorita do grupo, pois é sobre sua irmandade depois de dez anos juntas.

“É uma música que não vamos conseguir terminar na turnê. Todas nós vamos chorar. Os fãs vão chorar. Sim, peguem os lencinhos para essa.”

A turnê é algo que as empolga, especialmente porque marcará sua primeira apresentação para os fãs desde o início da pandemia.

“Muito ansiosa. Desesperada. Mal posso esperar. Por mais que eu ame estar em licença maternidade, eu vou ficar tipo, ‘Mãe, segure meu bebê’”, diz Perrie enquanto Leigh-Anne ri e concorda.

“É para isso que vivemos. Performar é o que fazemos. É para isso que fazemos tudo isso – ver os fãs e sentir em nossas barrigas a ansiedade antes de subir no palco. Eu sinto muita falta de tudo isso. Então, esperem grandes coisas dessa turnê, porque eu acho que estamos desesperadas para voltar ao palco. Nós queremos que seja o melhor show de todos.”

Então, depois de 47 minutos de bate-papo e minha sugestão para me tornar o quarto membro da Little Mix, eu só tenho uma pergunta final: Quando elas pensam em sua carreira, com todas as conquistas e sucesso que isso lhes trouxe, qual elas querem que seja o seu legado?

“Eu quero ser o grupo que, daqui a 40 anos, ainda somos citadas como um modelo de como ser um grupo feminino”, diz Jade. Todas elas concordam. “E abrir o caminho para outros grupos femininos no futuro, porque é muito difícil para grupos femininos prosperarem e florescerem, então espero que tenhamos aberto um pouco o caminho para que isso aconteça.”

“Eu só quero que resistamos ao teste do tempo, e acho que faremos isso”, ela conclui. “Acho que conquistamos tantas coisas, e acho que ainda estaremos aqui em dez anos, 20 anos. Estaremos fazendo isso de vez em quando, outra turnê, tenho certeza – não importa o que aconteça.”

 

Fonte: Buzzfeed News

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil



11.11.21

Little Mix tem divulgado a chegada iminente de seu novo single “No”, retirado da coletânea dos seus maiores sucessos: ‘Between Us’.

O videoclipe da nova faixa será lançado junto com o álbum do grupo nesta sexta-feira (12 de novembro), e na preparação para o lançamento, Perrie, Leigh-Anne e Jade explicaram o que os fãs podem esperar.

Junto com a notícia de que “No” foi co-escrita e produzida com MNEK (Touch, Sweet Melody), Kamille (Shoutout To My Ex, Confetti) e Tre Jean-Marie (No Time For Tears), as meninas também revelaram que “No” foi a primeira música que elas escreveram juntas como um trio após a saída de Jesy Nelson da banda.

“Foi muito divertido escrever e fazer [a musica], porque foi nossa primeira sessão de composição como um trio”, disse Jade. “Foi uma energia muito boa, [nós] tivemos um bom e velho reencontro e então começamos a escrever alguns hinos!”

As meninas também lançaram nas redes sociais um trailer de arregalar os olhos do colorido videoclipe de “No”, que mostra o trio desfilando com carrinhos de bebês em uma rua residencial – muito conveniente, dado que Perrie e Leigh-Anne recentemente conceberam seus primeiros filhos com seus respectivos parceiros.

“Between Us” é a primeira coletânea de sucessos da carreira de Little Mix, que também contará com cinco novas faixas, incluindo “No”, “Trash” e o recente lançamento “Between Us”.

Em seu tempo juntas, Little Mix alcançou um total de cinco singles número 1 no Reino Unido (o mais recente sendo Sweet Melody) e 31 singles no Top 40 dos charts.

Este ano, elas também se tornaram o primeiro girl group da história dos Charts Oficiais a reivindicar 100 semanas no Top 10 do Official Singles Chart, superando nomes como Girls Aloud, The Supremes e Sugababes.

Fonte: Official Charts
Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil



11.11.21

Pela primeira vez, Little Mix abordou as especulações de que elas poderiam se separar, após o aniversário de 10 anos do grupo.

Os rumores de uma separação já circulam há algum tempo, principalmente após a saída de Jesy Nelson do grupo. Além disso, os fãs têm especulado que o “Between Us”, uma coletânea com os maiores sucessos do grupo, pode ser o último, especialmente em resposta às letras que parecem apontar para um final.

No entanto, os membros da banda Leigh-Anne Pinnock, Jade Thirlwall e Perrie Edwards agora indiretamente abordaram a conversa pela primeira vez – garantindo aos fãs que elas ainda irão até pelo menos 2031.

Falando sobre o futuro do grupo após seu aniversário de 10 anos, Jade revelou:

“[Nos próximos 10 anos] eu gosto de pensar que ainda estaremos ativas. Estaremos fazendo outra turnê, outros shows com mais músicas.”

Jade então foi longe ao prever o que a banda fará daqui a duas décadas, dizendo:

“Eu adoraria que daqui a 20 anos houvesse um documentário fabuloso sobre quão incríveis nós somos.”

Jade então acrescentou docemente em entrevista para o programa de rádio australiano Smallzy’s Surgery:

“Não importa o que aconteça no futuro, sempre teremos umas as outras. Somos um trio, estamos juntas nisso.”

Rumores de uma separação têm circulado por um tempo, com fãs discutindo teorias de que o grupo poderia seguir caminhos separados seguindo a letra do novo single “Between Us” do álbum de mesmo nome.

As letras incluem: “Quando as cortinas se fecham e todas as luzes se apagam / É seguro dizer que vou ficar, sempre vou ficar por aqui” e “Droga, temos história / Mesmo quando a vida continua.”

Os comentários de Thirlwall vêm apenas algumas semanas depois de Nelson confirmar que ela e o trio restante “não estão mais conversando” durante uma aparição no The Graham Norton Show.

“É triste, mas, honestamente, não há rivalidade da minha parte, e eu ainda os as amo e genuinamente desejo a elas tudo de bom”, disse ela ao apresentador, insistindo que não há ressentimentos entre o ex-quarteto.
“Eu adorei meu tempo com elas, e nós temos as memórias mais incríveis juntas, mas é apenas uma daquelas coisas que precisa de um tempo, então quem sabe. Para mim, elas ainda são a banda feminina mais incrível do mundo.”

Fonte: Cosmopolitan UK

Tradução e adaptação: Equipe Little Mix Brasil

 



Little Mix Brasil • Hospedado por Flaunt • Layout por Lannie D &