visite a galeria de fotos littlemixpics.com

últimas imagens enviadas
06.05.21

Em seus primeiros dias com o grupo feminino, Pinnock se sentia invisível e não conseguia entender por quê. Então o assunto sobre racismo ficou evidente.

Leigh-Anne Pinnock vive o sonho de uma estrela pop desde os 19 anos de idade quando subiu no palco para fazer um teste para o The X Factor, cantando Only Girl (In the World) da cantora Rihanna. Ela já passou quase uma década em um dos maiores grupos femininos do Reino Unido. Mas ela teve um começo difícil com a Little Mix, e não porque ela não se dava bem com suas companheiras de banda. Ela se sentia “invisível” e costumava chorar na frente de seu “manager”.

“Eu simplesmente não conseguia encontrar meu lugar e não sabia o por quê”, disse ela em uma entrevista em 2018. “Eu não sentia que tinha tantos fãs quanto as outras garotas. Foi um sentimento estranho.”

A cantora, naquele momento, finalmente percebeu qual era o problema.

“Eu sei que existem garotas negras por aí que sentem o mesmo que eu”, disse ela. “Temos um grande problema com o racismo, que está embutido em nossa sociedade.”

Se ela esperava que a entrevista mudasse alguma coisa, ficou desapontada.

“Eu realmente senti como se tivesse entrado por um ouvido e saído por outro”, diz ela hoje, falando da mansão Surrey que ela divide com seu noivo jogador de futebol, Andre Gray.

“Era quase como se as pessoas ainda não estivessem prontas para falar sobre raça.”

Agora ela está tentando de novo, como protagonista de um documentário da BBC Three, intitulado como “Leigh-Anne: Race, Pop & Power”.

“A maior parte do documentário sou eu falando sobre minhas experiências, sendo a integrante negra da minha banda no meu mundo pop muito branco”, diz ela. “Eu realmente queria que as pessoas vissem que só porque sou bem-sucedida não significa que eu não serei afetada pelo racismo.”

O documentário foi gravado no ano de 2020, um ano em que convergiu o assassinato de George Floyd e a quarentena da Covid-19, o que proporcionou a muitas pessoas um tempo incomum para refletir sobre o racismo na sociedade.

A própria declaração de Pinnock, num vídeo de cinco minutos postado no Instagram, se tornou viral em junho, com 3,5 milhões de visualizações. Além de enviar suas condolências à “família de George Floyd e a todas as outras famílias que perderam alguém devido à brutalidade policial e ao racismo”, ela falou sobre a solidão que sentiu durante as turnês em países “predominantemente brancos”.

“Eu canto para os fãs que não me veem, não me ouvem, nem me animam”, disse ela. “Minha realidade é me sentir ansiosa antes de eventos de fãs ou sessões de autógrafos porque eu sempre me sinto excluída.”

O documentário surgiu de uma conversa durante um jantar com antigos colegas de escola.

“Leigh-Anne se abriu para mim, pela primeira vez, sobre como ela se sentia em relação as suas experiências na banda”, diz Tash Gaunt, diretor que trabalhou com a BBC e o Channel 4. “Ela estava tendo uma série de percepções bastante dolorosas sobre o quão profundamente racista o mundo é, e se ela identificar [um problema], ela quer fazer algo a respeito”.

Os dois uniram forças e o ativismo do Black Lives Matter (BLM) no verão de 2020 deu a eles um renovado senso de missão.

“Sempre quisemos fazer algo que fosse complicado e que realmente desafiasse o público”, diz Gaunt. “Algo que se aproxima das conversas difíceis, ao invés de evitar o assunto.”

Em uma das primeiras cenas, Pinnock literalmente participa de uma conversa em um protesto do movimento BLM em Londres e pergunta como os jovens ativistas acham que ela deveria usar sua plataforma. Eles respondem que ela deve se educar e falar abertamente. Mais tarde, ela repreende o noivo Gray por uma série de tweets que ele postou antes de eles se conhecerem, descrevendo-os como “um exemplo flagrante de colorismo”. Ela também se senta com seus pais – ambos criados por um pai negro e uma mãe branca – para discutir a identidade racial. (“Eu me identifico como John Pinnock”, diz o pai dela, sem rodeios.)

Racismo  não era algo muito discutido em casa, em High Wycombe, quando Pinnock e suas duas irmãs estavam crescendo. Seu pai (mecânico) e mãe (professora) “foram ambos criados em famílias caribenhas, então, por sua vez, fomos criados em uma família caribenha, mas eles não tiveram ‘a conversa’ conosco. Eles não disseram:Olha, a vida vai ser difícil para você porque você é mestiça’.

Ela não encontrou nenhum racismo em sua escola secundária em Buckinghamshire, que ela descreve como “muito multicultural”, e olhando para trás ela entende o desejo de seus pais de isolar os seus filhos do resto do mundo. No entanto, ela revela:

“Se tivéssemos tido essa conversa, provavelmente eu estaria mais preparada para quando fosse colocada no grupo”.

Depois de tanto tempo como uma mulher negra aos olhos do público, Pinnock estava preparada para o tipo de reação raivosa que o documentário já recebeu de pessoas que, como ela diz, “não querem entender o racismo, não ligam para o racismo. Eles nunca se importaram.”

No entanto, assim que o projeto foi anunciado, uma reação diferente começou. O título provisório, Leigh-Anne: Colourism & Race, levou alguns a concluir que Pinnock estaria falando da discriminação baseada no tom de pele dentro da comunidade negra, de uma forma que ignorava o seu próprio privilégio por ser negra com a pele clara. É uma crítica que ela quer abordar de frente.

“Eu conheço meu privilégio, e o que exploro no documentário é o fato de que se eu fosse negra retinta, provavelmente nem estaria aqui.”

A decisão de incluir as vozes das mulheres negras retinta não foi uma tentativa precipitada de abafar as críticas:

“Definitivamente foi sempre o plano, 100%. Já sabemos que não há representação suficiente de mulheres de pele escura na mídia – isso é apenas um fato.”

 



06.05.21

Depois de dois anos desde o lançamento do seu empoderado e inesquecível quinto álbum de estúdio, intitulado como LM5, a Little Mix garantiu mais um álbum de platina em solo brasileiro por vender mais de 40 mil cópias.

Agora as meninas possuem 3 álbuns platinados no país, sendo eles? “LM5”; “Glory Days” (2016); e “Get Weird” (2015).

Além do mais, o álbum LM5 conseguiu atingir a incrível marca de mais de 1 bilhão de reproduções no Spotify, conquistando o recorde de girlgroup com mais álbuns a atingir essa marca na plataforma, sendo 3 álbuns diferentes a conseguirem esse feito (LM5, Glory Days e Get Weird).



06.05.21

Jade Thirwall tem uma letra favorita do novo verso de Saweetie no remix da música “Confetti”:

Eu gosto de quando ela diz sobre cortar o pau de alguém fora e colocá-lo em um ensopado”, diz Thirwall. “Esse é o meu trecho favorito.

Suas companheiras de banda, Perrie Edwards e Leigh-Anne Pinnock, caem na gargalhada quando ela recita a frase numa chamada de live que ocorreu um dia antes do lançamento oficial do single. Isso acontece muito quando conversamos com Little Mix: gargalhadas aleatórias de piadas internas e apoio constante ao que as outras estão dizendo. Isso porque apesar do ano 2020 ter sido difícil – além da pandemia global, que teve a sua turnê mundial adiada, a integrante, Jesy Nelson deixou a banda em dezembro – Little Mix tem que estar muito feliz.

Em janeiro, a banda conseguiu seu quinto single número um; um mês depois, elas venceram o prêmio “Gamechangers in Music” da Glamour UK e estão atualmente competindo na categoria de Best Group no Brit Awards deste ano – para não mencionar, poucos dias após esta entrevista (seu primeiro como um trio nos Estados Unidos), Pinnock publicou um anúncio da gravidez de seu primeiro filho.

“Começamos 2021 quando ‘Sweet Melody’ alcançou o primeiro lugar, o que foi um estímulo incrível depois do tempo que ficamos em quarentena”, diz Edwards. “Estávamos tão animadas para voltar. Durante a quarentena, eu acho que percebemos em casa o quanto sentimos falta de fazer tudo e o quanto nós amamos isso.

De certa forma, o remix de  Saweetie para “Confetti” é uma celebração perfeita de onde Little Mix está agora: é divertido, é livre e é, acima de tudo, uma celebração do poder feminino.

“Sempre há espaço para o empoderamento feminino”, diz Pinnock. “Acho que é o que fazemos de melhor. Então, nós absolutamente amamos ter mulheres nas nossas músicas – é bom ter tantas mulheres a bordo o quanto possível quando se trata de colaborações. Saweetie em ‘Confetti’ foi simplesmente perfeito. Ela é definitivamente alguém que sentimos que incorpora isso.”

A música em si é um hino pop que te faz sentir bem, pronta para os dias em que todos nós possamos realmente voltar para a boate novamente – algo de que a banda está consciente ao escolher que música lançar neste momento.

“Todo mundo está querendo festejar e eu acho que temos algumas músicas para serem lançadas que [podem ajudar] as pessoas a fazerem isso”, observa Pinnock.

Até lá, as meninas improvisaram uma boate fake para a música, graças a um clipe divertido com as meninas vestidos como seus alter-egos com barba e tudo. Embora seja “um dos dias mais engraçados de [sua] vida”, de acordo com Pinnock, a filmagem teve muitas dificuldades.

“Eu estava tipo,‘Oh, esta é uma ideia tão incrível, eu mal posso esperar para ser um cara’, diz Edwards. “Então, no segundo que eles começaram a colocar as próteses, eu literalmente não conseguia respirar. Eu estava tipo, ‘Oh não. Este é um plano ruim.”

O conceito, no entanto, é algo que elas desejavam fazer há muito tempo e, neste momento, elas não estão mais se segurando.

“Chegamos a um ponto em que pensamos, ‘Sim, vamos fazer qualquer coisa que não fomos capazes de executar antes ou que ainda não tenhamos marcado na nossa lista de coisas que queremos alcançar como banda,”, diz Thirwall.

Esse pensamento vem em parte em razão do ano passado ter sido colocado em espera, mas toda a história da banda também teve parte nisso, de certa forma: este ano marca dez anos de Little Mix. Elas não têm mais nada a provar.

“Quando fomos colocadas juntas, estávamos muito entusiasmadas e um pouco ingênuas para tudo. Nós meio que concordamos com o que pensávamos que deveríamos ser”, relembra Thirwall. “Estávamos apenas descobrindo quem éramos de verdade. Nós tivemos de nos tornar mulheres aos olhos do público, o que foi muito difícil. No meio de tudo isso, tivemos momentos em que nos sentimos constantemente criticadas e julgadas por quem éramos e como soávamos, e tentamos ganhar credibilidade como uma banda vinda de um reality show e apenas por ser uma girlgroup no geral.

“Com o passar dos anos, começamos a nos importar cada vez menos”, ela continua. “Agora, estamos neste momento em que sinto que conquistamos o direito de ser exatamente quem queremos ser, sem nos desculpar, usar nossas vozes mais do que nunca, vestir o que quisermos e com a aparência que quisermos, e sem nos importarmos tanto com o que as outras pessoas pensam.”

Ao falar sobre 2021 e o que está por vir, a banda usa a palavra “era” com frequência – como em, aperte o cinto dos Mixers, estamos no precipício de uma nova era da Little Mix.

“Estamos sentindo muita liberdade criativa. Estamos ultrapassando os limites e fazendo coisas criativas que talvez não tivéssemos feito antes”, conta Thirwall.

“Queremos apenas ter boa energia, boas vibrações neste ano.” Edwards acrescenta: “Ficarmos juntas é a coisa mais importante. Permanecendo juntas e protegendo umas as outras. Nós teríamos nos separado sem isso.”

“Acho que as pessoas não podem mais nos cobrar nada – já resistimos ao teste do tempo”, diz Pinnock. “Estamos juntas há 10 anos. Que banda pode realmente dizer isso nos dias atuais?”

Tradução e Adaptação: EquipeBRLM | Fonte: Nylon



04.05.21

Leigh-Anne Pinnock anunciou a gravidez do seu primeiro filho com o noivo Andre Gray.

 

Em uma publicação em suas redes sociais na data de hoje, 04 de abril, a cantora de 29 anos mostrou o ensaio que fez exibindo o barrigão ao lado do jogador de futebol Andre.

“Nós sonhamos com este momento por muito tempo e não podemos acreditar que esse sonho está finalmente se tornando realidade… Mal podemos esperar para te conhecer”

 

As fotos do anúncio foram curtidas por milhões de pessoas e com diversos famosos a parabenizando, dentre eles: Millie Bobby Brown, Anne Marie, Tinashe, Chloe Bailey, Victoria Monet, Zara Larsson, Cher Lloyd, Kelly Rowland, Aja Naomi King, Nathan Dawe, Normani, Lauren Jauregui, Louisa, Ella Henderson, Alexandra Burke, Mollie King, Rochelle Humes, Fleur East, Kamille, Mae Muller, Mabel, Nadine Samuels, Jessica Wright, e claro Perrie e Jade.

“Te amo muito, olha essa família”, comentou Jade. “Não consigo parar de olhar essas fotos. Você é uma visão. PARABÉNS, minha bela irmã”, escreveu Perrie.

 

Com o anuncio, o nome da Leigh entrou para os assuntos mais comentados do mundo com os fãs a parabenizando e impressionados que ela gravou já grávida o clipe de “Confetti feat. Saweetie”, o single mais recente da Little Mix, no mês passado.

 

Lembrando ainda que a Little Mix já havia declarado em entrevistas que a Leigh seria a mais provável delas a ficar gravida primeiro e elas estavam certas!

 

Andre pediu a Leigh em casamento em maio do ano passado, após quatro anos de namoro, e a previsão é que o casamento ocorra em 2022.



04.05.21

Às 17h01 da segunda-feira, 14 de dezembro de 2020, veio o anúncio que os fãs de Little Mix temiam há meses: Jesy Nelson estava deixando a banda.

“Depois de nove anos juntas, Jesy decidiu deixar Little Mix”, trecho do comunicado das três integrantes restantes da banda. “Este é um momento incrivelmente triste para todos nós, mas apoiamos totalmente Jesy.”

Ao mesmo tempo, Jesy, 29, usou sua conta no Instagram para explicar seus motivos para mais de 7 milhões de seguidores. “A verdade é que estar na banda realmente afetou minha saúde mental. Acho a pressão constante de estar em um grupo de garotas e corresponder às expectativas muito difícil.”

É algo que ela já havia dito em seu documentário da BBC Three, “Odd One Out”, no qual ela revelou que o bullying nas redes sociais sobre sua aparência e peso a levou a overdose. Ela acrescentou no comunicado: “Chega um momento na vida em que precisamos reinvestir em cuidar de nós mesmos, em vez de [nos concentrar] em fazer outras pessoas felizes, e sinto que agora é a hora de começar esse processo”.

E assim, ela e um dos grupos femininos do Reino Unido de maior sucesso na história se separaram.

Enquanto Perrie Edwards, Jade Thirlwall e Leigh-Anne Pinnock continuaram como um trio, confirmando uma turnê em 2022, Jesy levou algum tempo para concentrar em si mesma. Além das postagens ocasionais no Instagram mostrando uma imagem mais relaxada, novo cabelo cacheado e alguns vídeos de si mesma no estúdio de gravação, quase não ouvimos nada dela. Até agora.

É um dia ensolarado no início de março quando ela chega toda sorridente para a nossa sessão de fotos no leste de Londres. Desde o início, há uma diferença notável na cantora até quando nós a filmamos pela última vez, 13 meses atrás, com suas ex-companheiras de banda. Ela sempre foi amigável e super educada, mas às vezes no ano passado, ela parecia um pouco distante. Hoje, ela está feliz, confiante e animada para contar à equipe da Cosmopolitan sobre seus planos para o futuro.

Mesmo às 17h, quando ela se sentou para ser entrevistada por uma de suas melhores amigas, a modelo Felicity Hayward, depois de oito horas sendo fotografada, não há como mudar o seu humor.

“Alôôô, mamãe sexy”, Jesy canta enquanto se senta para a ligação do Zoom com Felicity. Ela está vestindo uma jaqueta jeans, uma blusa branca, calças cargo e um colar de ouro grosso.

“Olá, sexy!” grita Felicity de alegria. “Eu coloquei perfume para você esta manhã.”

“Oh, você cheira bem”, ri Jesy.

“Eu não estou usando nenhuma calça, só esse top”, fala sem rodeios Felicity. “Você sabe, a vida de Zoom.”

Felicity, 32, ativista da positividade corporal e fundadora da campanha de mídia social #AmorPróprioTrazBeleza, é uma das amigas mais próximas de Jesy. Eles se conheceram durante as gravações do videoclipe de 2018 do Little Mix, “Strip”, e está claro que Felicity tem sido um grande apoio para a Jesy desde então.

Há muita conversa animada sobre o verão passado, quando a dupla aproveitou ao máximo o fato de Londres estar vazia devido à pandemia, e andava regularmente pela cidade em bicicletas com um boombox tocando R&B e garagem da velha escola. “Eu amei tanto isso”, sorri Jesy.

“Essas são algumas das minhas memórias mais felizes, o que parece loucura porque estávamos em uma pandemia. Mas era ser livre e simplesmente ser capaz de não dar a mínima. Eu estava apenas tendo o melhor momento da minha vida.”

Como ela conhece Jesy tão bem, pedimos que Felicity perguntasse tudo, desde por que ela deixou a Little Mix até o que ela tem feito musicalmente. Embora Jesy não quisesse comentar sobre seu relacionamento atual com as meninas, ela se abriu sobre como é realmente ser comparada a elas por quase 10 anos de sua vida.

FELICITY: Como foi hoje? Você parecia sexy?

JESY: Oh sim!

FELICITY: O que você vestiu?

JESY: Agora que estou em carreira solo, posso realmente usar o que quero. Antes, eu vestia o que achava que deveria vestir, porque tinha muito medo de usar certas coisas no caso de parecer maior do que as outras. Eu usaria espartilhos e merdas assim para ficar do tamanho que elas eram. Agora, eu não estou olhando para a tela pensando: ‘Oh meu Deus, eu não pareço tão bom quanto elas.’ Sinto-me livre.

FELICITY: Eu vi suas fotos no Instagram desde que você saiu e sinto que você saiu da sua concha. Você tem vestido coisas de meninos, jaquetas do time do colégio e grandes calças cargo. Você está muito sexy. E é bom ver você sendo você mesmo. Quão confiante você estava, em uma escala de um a 10, antes de entrar no grupo, durante o seu período no grupo e também agora?

JESY: Isso não é realmente um exagero – antes de entrar no grupo, eu teria dito que em uma escala de [um a] 10, eu tinha 9 ou 10. Não tinha inseguranças, nunca olhei para mim mesma e disse: “Eu não gosto disso.” Quando entrei na banda, minha confiança era 0. Depois que eu fiquei mais velha e aprendi a não me importar tanto, provavelmente cheguei a 4,5. E então eu diria que agora eu saí, sou um 8,5 sólido.

FELICITY: Isso é muito.

JESY: É a sensação mais estranha para mim. Eu sinto que vou ficar triste. [Jesy fica emocionada.] Eu não sabia que poderia ser tão feliz. Quando eu estava no grupo, pensei que era normal me sentir assim. E porque me senti assim por 10 anos, pensei: ‘Isto é a vida.’ Desde que saí, me sinto livre. Não acordo com ansiedade, pensando: ‘Eu tenho que fazer um videoclipe hoje, eu preciso me matar de fome.’ Ou: ‘Eu preciso fazer uma dieta extrema para ficar parecida com as outras três.’ Isso estava me consumindo.

Eu constantemente me comparei as outras. Claro, muito disso estava na minha cabeça, mas muito disso era traumas do passado. Mesmo recentemente, eu ainda estava sendo comparada a elas. É horrível quando você já não gosta de algo em si mesmo e milhares de pessoas apontam para isso. Agora me sinto como eu. Quando eu olho para trás [na minha época] na banda, eu realmente não era eu. Eu não posso acreditar o quão miserável eu estava.

FELICITY: Lembro-me de vê-la no set de filmagem e pensar: ‘Você é tão linda e passou por muito bullying e trollagem desde o início de sua carreira’. É muito difícil de ver. Sou uma mulher de tamanho grande – sou abusada porque sou genuinamente classificada como gorda. O tamanho médio do Reino Unido é 16, então você está bem abaixo disso e estava sendo enganada por ser grande. Você acha que teria sido tratada da mesma forma se tivesse passado como artista solo no The X Factor [em 2011]?

JESY: Não, eu realmente não acho. O X Factor estava tão acostumado a ter grupos femininos típicos que eram muito magros, e pareciam como os grupos femininos deveriam ser. Éramos descuidadas que usavam o que queríamos e todo mundo dizia: “Isso é diferente”. Eu pesava mais do que as outras três, e nunca houve isso em um grupo de garotas. Fui classificada como obesa e gorda.

FELICITY: É uma loucura, porque você era adolescente. Você tem garotas olhando para todas essas mulheres diferentes e pensando: “Por que ela está sendo chamada assim?” e “Se ela está sendo chamada assim, o que isso me torna?”

JESY: ExatamenteNos primeiros cinco anos de Little Mix, sempre estive na capa das revistas [semanais]. Você nunca vê um homem na capa de uma revista sendo examinado por sua aparência. Sempre envergonha as mulheres. Como devemos nos parecer? O que é perfeito? Para mim, perfeito é alguém que abraça seus defeitos e é 100% ele mesmo e confortável com isso.

FELICITY: Por que foi importante para sua saúde mental deixar a banda?

JESY: O último videoclipe que fizemos [Sweet Melody] foi o ponto de ruptura. Estávamos em quarentena e [essa foi] a primeira vez que pude dar um tempo e ficar em casa com as pessoas que eu amo. Foi o mais feliz que já me senti, e não percebi isso até voltar ao trabalho. Eu imediatamente me tornei uma pessoa diferente. Tive ansiedade. Sempre que tínhamos um videoclipe, eu colocava uma pressão enorme em mim mesma para tentar perder peso. Eu tenho medo de olhar para trás na câmera. Se eu não gosto do que vejo, acho muito difícil estar na frente da câmera e me sentir incrível.

Eu estava em quarentena e ganhei um pouco de peso, mas não me importei. E [então] eles disseram: “Você tem um videoclipe em algumas semanas”, e eu entrei em pânico . Fiz essa dieta extrema com shakes, e tentei comer o mínimo possível. No dia do vídeo de Sweet Melody eu tive um ataque de pânico nas gravações porque não parecia como eu queria e achei muito difícil apenas ser feliz e me divertir. Eu olhei para os outras três e elas estavam se divertindo muito. Eu fico com tanto ciúmes, porque quero me sentir assim e curtir, porque a música é minha paixão. Ter esse sonho e não estar gostando por causa da minha aparência, eu sabia que não era normal.

Há uma cena em Sweet Melody na qual eu não estou, porque foi quando eu tive um ataque de pânico e desabei. Eu estava tipo, ‘Eu só quero ir para casa.’ Eu estava chorando no camarim. Alguém muito próximo de mim disse: “Isso tem que parar. Você não pode continuar fazendo isso consigo mesmo. Você vai acabar onde estava antes.”

FELICITY: Sim…

JESY: Para mim, esse foi o ponto culminante. Eu estava tipo, ‘Eu preciso começar a cuidar de mim agora, porque isso não é saudável.’ Não era bom para as outras três estarem perto de alguém que não queria estar ali. Então fiz uma pausa. Eu passei por um período muito sombrio após o videoclipe. Minha mãe disse: “Isso tem que parar agora. Eu vi você sofrer muito. Já se passaram dez anos da sua vida.” 

Por muito tempo, eu me preocupei com os outros e decepcionei as pessoas. A única pessoa que eu deveria estar tentando fazer feliz era eu mesma, e eu não estava fazendo isso. Eu precisava fazer isso para minha saúde mental, porque sei que teria voltado para onde estava há cinco anos, e isso é assustador.

FELICITY: Agora é um momento tão emocionante, porque você tem todo esse novo capítulo para ser você mesma sem remorso. Continue nesses 8,5 e leve-o para 10! Além disso, vi que você está no estúdio – no que está trabalhando agora?

JESY: Música é minha vida. É tão poderoso para mim. Estou no estúdio apenas me divertindo. Eu amei a música que fiz com o Little Mix, mas não era o tipo de música que eu ouvia. É tão bom fazer músicas que eu amo. Não sei quando eu vou lançar. Eu me sinto muito contente e feliz. É a sensação mais estranha e a melhor do mundo.

FELICITY: Por essa felicidade, sei que vão sair alguns hinos de verão! Você pode me dar três palavras que a representavam na Little Mix e três que a representam agora?

JESY: Na Little Mix: honesta, trabalhadora, triste.

FELICITY: E agora?

JESY: Honesta, em paz, livre.

FELICITY: O que você fez um dia depois de deixar o Little Mix?

JESY: Eu estava em casa com a minha família, ouvindo todas as notícias. Todo mundo estava falando sobre isso em Lorraine. Quando postei a minha declaração, desliguei os comentários porque estava com medo – pensei: ‘Vou receber muita reação negativa por causa disso’. Minha irmã me ligou e disse: “Acho que você deveria ativar seus comentários. Tudo o que eu vi é muito positivo.”

Ativei meus comentários e apenas sentei na cama e chorei porque estava maravilhada com o quão amáveis ​​todos estavam sendo. Foi um choque para mim. Eu não conseguia entender o quanto as pessoas estavam me apoiando e entendiam. Eu estava em uma estranha montanha-russa de emoções. Fiquei triste, pois foram 10 anos da minha vida que estava desistindo. Fiquei com medo, tipo, “Merda, o que vai acontecer agora?”

Ao mesmo tempo, tive vislumbres de felicidade, de: ‘Posso fazer o que eu quero agora’. Eu não me sinto presa. Se eu quisesse ir à porra do mercado hoje e comer 10 barras de chocolate, poderia, porque não preciso mais me preocupar em fazer dieta. Não preciso me preocupar em ter um videoclipe ou em uma entrevista vestindo uma roupa que não quero usar porque as três outras meninas querem usá-la.

FELICITY: E então você sente que está sendo difícil?

JESY: Sim. E é horrível. Às vezes, eu sentia como se estivesse entrando em um ambiente onde as pessoas não queriam que eu estivesse. Às vezes, eu não era uma energia positiva porque estava muito deprimida. Quando você se sente assim de qualquer maneira, estar perto de certas pessoas da minha equipe que não me queriam lá era difícil.

FELICITY: Alguém surpreendente entrou em contato com você quando você saiu?

JESY: Tantas pessoas. Liam Payne do One Direction. E o Rag’n’Bone Man me mandou uma mensagem e disse: “Acabei de assistir ao seu documentário e me ajudou muito. Acho você brilhante.” Eu não achei isso corajoso, mas as pessoas diziam: “Você sabe como você é corajosa por fazer isso? Você vai mostrar a tantas garotas que elas podem fazer o que quiserem e se quiserem ser felizes, elas podem.” Você tem que ter fé de que tudo vai ficar bem e não permitir que o medo atrapalhe.

FELICITY: Estou muito animada por você. Eu não acho que você percebe o quanto você é amada. Você faria outro documentário? Você foi tão boa nisso.

JESY: Estou conversando sobre fazer outra coisa que é muito próxima de mim pessoalmente. Não tem nada a ver com o que passei, é sobre a jornada de outras pessoas. Não esperava a resposta que recebi do meu documentário. Eu adoraria fazer mais. Se ajuda as pessoas, não é incrível? Que possamos fazer nosso trabalho e ajudar as pessoas a superar seus piores dias apenas contando nossas histórias.

FELICITY: Estou vendo você assumindo o controle da sua música, e precisamos de algum tipo de linha de moda! Vou começar o fã-clube. Há mais alguma coisa que você queira falar?

JESY: Eu sinto que algumas pessoas não entendem porque eu deixei a Little Mix e agora estou no estúdio fazendo música. Muitas pessoas disseram: “Achei que você tivesse saído da banda para se concentrar na sua saúde mental?” Eu nunca disse quando fiz a minha declaração que estava saindo da banda para nunca mais estar aos olhos do público ou me apresentar novamente ou fazer música. Eu disse que estava saindo da banda porque realmente não conseguia lidar com a pressão de estar em uma banda de garotas.

É uma loucura as pessoas pensarem que eu simplesmente pararia de trabalhar completamente, porque [para] mim, trabalhar na minha saúde mental é ir para o estúdio e criar músicas que adoro. É isso que clareia minha cabeça e me deixa feliz. É bom para minha saúde mental. Eu não conseguia lidar com a pressão de estar no grupo feminino. Não que eu não pudesse lidar com a pressão de estar no centro das atenções. Eu era constantemente comparada as três outras garotas e isso mentalmente me levou a um lugar muito ruim, e eu não conseguia mais passar por isso.

Preciso fazer coisas que me deixem feliz agora, e as pessoas podem pensar que isso é egoísmo, mas às vezes na vida você tem que se colocar em primeiro lugar, tem que se amar e fazer o que te faz feliz.

FELICITY: E as pessoas que a amam e a apóiam não gostariam que você estivesse na banda e sofresse. Acho que você vai se dar muito bem por conta própria.

JESY: Muito obrigada – esta foi a entrevista mais agradável que já fiz. Você me fez perguntas que eu precisava responder. Eu não gostaria de mais ninguém.

Fonte: Cosmopolitan UK. Tradução e adaptação: BRASILLM.



04.05.21

O documentário de uma hora intitulado “Leigh-Anne: Race, Pop & Power” foi produzido por Kandise Abiola e será o filme de estreia do diretor e amigo de infância de Leigh-Anne, Tash Gaunt.

Esse poderoso documentário único segue a estrela do pop, Leigh-Anne Pinnock, enquanto ela confronta sua experiência como a única integrante negra da Little Mix e como uma mulher negra na indústria da música.

Leigh-Anne fala sobre o racismo que viveu enquanto crescia. Seus pais são descendentes do Caribe e Leigh-Anne se identifica como negra. Ela também está ciente de que ter a pele mais clara e ser uma celebridade significa que ela está em uma posição mais privilegiada do que as outras. Leigh-Anne embarca em sua própria jornada muito pessoal, para entender como ela pode usar sua plataforma e privilégio para combater o profundo racismo que ela vê na sociedade ao seu redor.

Após ela abordar isso, sua maior e mais importante missão, a notícia da morte de George Floyd e os protestos do movimento Black Lives Matter começam a tomar conta do mundo. Com a força de um movimento global agora por de trás dela, Leigh-Anne confronta as pessoas mais próximas a ela e tenta trazer conversas difíceis sobre a representação negra até o topo da indústria musical.

Com acesso irrestrito a integrante da maior banda feminina do mundo, nos juntamos a Leigh-Anne com suas parceiras de banda da Little Mix nos bastidores, em casa com o seu noivo profissional de futebol Andre Gray e com outras estrelas pop, políticos e podcasters enquanto ela abre uma importante conversa sobre raça. Leigh-Anne analisa as complexidades e o impacto das atitudes discriminatórias inconscientes, estereótipos raciais e colorismo, tanto dentro quanto fora dos olhos do público.

Desde que venceu o The X-Factor, Leigh-Anne sempre se sentiu tratada de maneira diferente, e agora ela está se perguntando se os anos em que se sentiu ignorada nas sessões de autógrafos, não ouviu seu nome ser aplaudido em eventos e os fãs passando por ela em favor das outras garotas da banda pode depender de sua raça.

Para entender sua experiência, ela contratou o diretor criativo de Beyoncé, Frank Gatson, cujas palavras em seu primeiro ensaio de vídeo há quase uma década foram: “você é a garota negra, você tem que trabalhar dez vezes mais“, ficaram com ela desde então.

Em uma cena emocionante com seus pais, vemos como eles reagiram pela primeira vez quando Leigh-Anne lhes contou como se sentia como a única integrante negra da banda. O pai de Leigh-Anne, John, lembra:

Na época eu pensei comigo mesmo, Leigh-Anne, seja forte, controle-se, você está em uma boa posição, vá em frente, não reclame disso.

Mas os pais dela viram as atitudes mudarem à medida que viram o efeito que a experiência teve em sua filha ao longo dos anos.

Sua mãe disse:

“Você pode usar sua voz e suas experiências para ajudar outras pessoas e permitir que outras pessoas saibam que as coisas vão mudar.”

Reunindo um grupo de realeza pop negra para uma mesa redonda que é quase como uma terapia, Leigh-Anne ouve experiências com Alexandra Burke, NAO, Raye e Keisha Buchanan dos Sugababes. Por sua vez, cada artista revela suas próprias experiências chocantes na indústria musical por causa da cor de sua pele. Ao discutir o colorismo, Leigh-Anne é forçada a confrontar a incômoda questão – “Se eu tivesse pele escura, estaria na Little Mix?

Se Leigh-Anne vai fazer perguntas difíceis ao mundo ao seu redor, ela precisa fazer o mesmo em casa. Em 2012, Andre Gray, o noivo e jogador de futebol de Leigh-Anne, escreveu uma série de tweets ofensivos, alguns dos quais eram sobre mulheres negras. Leigh-Anne confronta Andre sobre esses tweets e tenta entender o que o levou, quando jovem, a pensar coisas tão horríveis.

Colocar a cabeça acima do orgulho não é fácil e Leigh-Anne começa a receber críticas de todos os ângulos. Ela busca conselhos sobre como lidar com essa reação da Membro do Parlamento, Dawn Butler, que enfrentou abusos raciais horríveis ao longo de sua carreira. Dawn a aconselha para continuar:

“Quando os livros de história são escritos, as pessoas precisam se perguntar, o que vai ser dito ao lado do seu nome?”

Durante a aparição de Leigh-Anne no podcast Trilly Trio, o assunto do mundo de trabalho de Leigh-Anne surge.

Eu vou para o trabalho e não há negros, e tem sido assim durante toda a minha carreira, só não percebi, é normal!”

Os podcasters lançam o desafio para ela:

Você sente que tem confiança agora para ter uma conversa com sua gravadora, o que a administração realmente está fazendo para colocar o Black Lives Matter como um assunto a ser falado?

Leigh-Anne decide que deve confrontar sua gravadora sobre o que eles estão fazendo para fazer uma mudança positiva. Mas encontrá-los diante das câmeras para unir forças e trabalhar juntos para a frente será mais difícil do que ela imaginava.

Sobre o documentário, Leigh-Anne revelou:

Eu quero fazer isso porque sempre fui apaixonada pelos direitos dos negros. Conversas sobre racismo e colorismo são algo que tenho constantemente com meu namorado e minha família e, como tenho uma plataforma, quero usá-la para levar essa conversa a um público mais amplo e defender minha comunidade negra. O racismo sistêmico é complexo; ao fazer este documentário, quero aprender a melhor forma de emprestar minha voz ao debate para que os jovens que me admiram não tenham que enfrentar o que eu e minha geração tivemos que enfrentar. 

Fiona Campbell, produtora da BBC Three, acrescentou:

Estamos constantemente tendo conversas sobre raça e discriminação e como podemos cobrir isso na BBC Three de uma forma que pode contribuir para fazer mudanças positivas e permanentes. Este é um documentário que encomendamos há alguns meses e o início das filmagens com Leigh-Anne coincidiu com a trágica morte de George Floyd e os protestos e debates atuais que colocaram essas questões raciais em foco para ela, para a Grã-Bretanha e o mundo.

Ao trabalhar com celebridades de alto perfil, como Leigh-Anne, e outras pessoas importantes que ela conhecerá durante este processo, esperamos que as conversas honestas que este documentário apresentará tenham o poder de mudar atitudes, oferecer uma visão e ajudar a prevenir o racismo em nossa sociedade.

O documentário de uma hora será transmitido via BBC Three a partir do dia 13 de maio. O documentário também irá ao ar na BBC One às 21h na quinta-feira, 13 de maio.

 Tradução e Adaptação: EquipeBRLM | Fonte original: BBC UK



30.04.21

Perrie Edwards contou tudo sobre as colaborações ideais da girlband e parece que os artistas que ela espera – Chloe x Halle – já reagiram sobre isso. Perrie Edwards conversou com Marvin Humes do Capital FM em uma live no Instagram na noite de quinta-feira (antes de ir para Londres para o Capital Breakfast com Roman Kemp), então, naturalmente, a cantora da Little Mix foi bombardeada com perguntas sobre os planos da banda e as colaborações dos sonhos.

Quando Marv perguntou com quem as meninas gostariam de colaborar, Perrie revelou que adorariam trabalhar com Chloe X Halle e Normani. Os sonhos de PerrieLeigh-Anne Pinnock e Jade Thirlwall podem não ser tão rebuscados, já que Perrie confessou que todas as colaborações que elas esperavam até agora aconteceram. Ela disse durante a live no Instagram:

Chloe e Halle seriam uma boa. É difícil porque todas nós dissemos que fizemos isso agora, então foi Nicki Minaj e Machine Gun Kelly e coisas assim e nós conseguimos marcar cada um. Eu acho que Normani seria uma boa também, ela seria épica.

Confira o que a Perrie disse:

Ainda sobre uma possível colaboração, Perrie admitiu para a Hits Radio que ama as meninas do duo Chloe x Halle:

Seria insano. Tipo, seria surreal. Muitos de vocês disseram isso recentemente, seria absolutamente incrível. Elas são tão maravilhosas, icônicas, talentosas e incrível. Então colaborar com elas seria absolutamente maravilhoso.

Jade acrescentou que a colaboração com Chloe x Halle funcionaria muito bem por causa das coreografias e looks do duo:

Honestamente, a coreografia e os looks. As vezes sinto que elas se vestem tipo… sabe, como elas vestem tipo fantasias e tem as coisas feitas exclusivamente para elas. Sinto que isso realmente daria muito certo com a gente.

Confira trecho da entrevista:

Fãs da Little Mix rapidamente pegaram o momento em que Perrie despejou suas colaborações ideais e enviou para a própria Chloe Bailey, que respondeu com um emoji de coração e seguiu a cantora no Instagram.

Tradução & Adaptção: EquipeBRLM | Fonte: CapitalFM e Hits Radio



30.04.21

Little Mix conversou sobre a saída de Jesy do grupo e as meninas explicaram que “apoiam” qualquer que seja sua decisão.

Elas começaram a nova era como um trio após Jesy ter saído do grupo em dezembro do ano passado.

Perrie Edwards, Jade Thirlwall e Leigh-Anne Pinnock têm trabalhado em coisas animadoras enquanto continuam suas carreiras como um grupo feminino.

Apesar da saída de Jesy, as hitmakers de ‘Sweet Melody‘ colocaram a amizade em primeiro lugar e provaram mais uma vez que elas dão apoio umas às outras não importa o que aconteça.

Ao participar do Capital Breakfast with Roman Kemp, as cantoras de ‘Power’ conversaram sobre como foi que aconteceu, com Jade falando:

Eu acho que, sabe, se o coração de alguém não está mais em um lugar e a pessoa não quer mais, nós nunca vamos forçar umas às outras à fazermos algo que não queremos.

Continuando a dizer que ainda estão dando completo apoio à Jesy, ela continuou:

Nós apoiamos aquela decisão e foi bem estranho, pensar em continuar como um trio. Mas não estávamos prontas para desistir, então, nós apoiamos qualquer que seja a decisão da Jesy.

 

Confira o trecho da entrevista:

Isso vem depois das meninas baterem um papo com a revista Euphoria na primeira entrevista como um trio e disseram que a chave foi adaptação.

Jade os contou:

É aprender a se adaptar com o tempo. É meio que animador. E tivemos um bom início como um trio ao ter nosso single Nº 1 no Reino Unido. Isso foi tipo, ‘Ai nossa, esse é um bom sinal, bom presságio, de que esse ano vai ser bom para nós.

Perrie, Leigh-Anne e Jade acabaram de lançar o videoclipe do primeiro single como um trio, ‘Confetti‘, com participação de Saweetie, e deixou os fãs animados pela nova era.

Perrie também se juntou a Marvin Humes da Capital em uma live no Instagram na noite de quinta, soltando alguns detalhes sobre a nova turnê no ano que vem.

 

Os mixers definitivamente estão felizes por ter algumas músicas novas das meninas!

 

Tradução e Adaptação: EquipeBRLM | Fonte: CapitalFM



30.04.21

Na manhã desta sexta feira, 30 de abril, as meninas da Little Mix lançaram o videoclipe de seu novo single “Confetti“, um remix ao lado da rapper norte-americana Saweetie. Gravado há exatamente um mês, a girl band, agora como um trio, não deixou de nos surpreender mais uma vez com seus looks impecáveis, a famosa vibe R&B dos anos 90 e muita dança, além de aparecerem transformadas em suas versões masculinas nos trazendo a nostalgia do clipe de Lose My Breath das Destiny’s Child.

Dando fim à era de seu sexto álbum de estúdio do mesmo nome, o clipe conta com a direção de Samuel Doeuk, participações especiais de drag queens e muito mais. Confira o clipe oficial logo abaixo!

 



30.04.21

Little Mix está pronta para encerrar a era “Confetti” com seu mais novo single, “Confetti feat. Saweetie”, que acaba de ser lançado nas plataformas digitais. “Confetti” foi co-escrita por seus colaboradores de longa viagem, Kamille, Maegan Cottone, MNEK, Tom Barnes e Pete Kelleher e produzida por TMS.

Em uma live no Instagram realizada ontem, 29 de abril, a Perrie contou que a faixa irá encerrar a era “Confetti” e também revelou alguns detalhes do clipe que será lançado hoje, 30 de abril, às 05:00h (horário de Brasília):

O clipe de “Confetti” foi gravado em 2 dias e parece um mini-filme. As meninas se vestiram de homens e usaram dinheiro no lugar de confetes. É a primeira vez que um clipe foi aprovado de primeira, sem pedidos de alterações.

Confira o novo single da Little Mix com a rapper revelação Saweetie agora em todas as plataformas digitais:

Spotify:

Apple Music:

 

Deezer:

Youtube:

Tidal:

 

Tradução:

Little Mix
Hey
Saweetie, hmm
Oh-oh
Vamos lá

Queremos celebrar
Como se estivéssemos em uma balada todos os dias
Ter todos os meus amigos aqui comigo
E eu não preciso de você, não preciso de você
Coloquei esse vestido
Para não ter que me estressar com voce
Está tudo acabado entre nós, é a vida
Agora não preciso de você, não preciso de você
Deveria ter te deixado há muito tempo
Eu não me amava, mas agora amo
Costumava ficar em casa chorando por você
Diamantes no meu pescoço, eu brilho pra você
Não vai mais atrapalhar as minhas bênçãos, nunca mais
Não vou ser mais a garota que era antes
Vou deixar as coisas boas choverem na minha vida
Do céu, caem como confete
Todos os olhos em mim
Tão VIP
Todos os meus sonhos
Do céu, caem como confete
Deixe cair
Você sente minha falta
Mas eu finalmente estou livre
Tenho o que preciso
Então deixe chover confete
Luzes brilhantes
Não tenho preocupações na minha mente
Sei que está com raiva por eu ter entendido
Que eu não preciso de você, não preciso de você
Então, DJ diga meu nome
Como se fosse meu aniversário
Você é só uma memória e cara eu não preciso de você
Deveria ter te deixado há muito tempo
Eu não me amava, mas agora amo
Vou deixar as coisas boas choverem na minha vida
Do céu, caem como confete
Todos os olhos em mim
Tão VIP
Todos os meus sonhos
Do céu, caem como confete
Deixe cair
Você sente minha falta
Mas eu finalmente estou livre
Tenho o que preciso
Então deixe chover confete
Oh la la la
Deixe chover, oh la la la
Deixe chover, oh la la la
Deixe chover, oh la la la

[Saweetie]: Então minha garota me contou sobre um cara safado
Eu disse, espera aí, espere aí, o que ele disse que fez com você?
Peguei ele mandando fotos do pinto e alguns nudes
Merda, nós poderíamos acabar com ele, só sou um corpo para esse cara
Eu não brinco com essa merda, (não, não), vou acabar com ele (Trauma)
Dirija ou morra, ah mano, Eu sou a Yoko Ono (Ono)
Eu sou uma artista vadia, você vai sentir falta desses lábios
Agora terei que bater em você ou posso aumentar sua
sua gorjeta
Sou de Câncer querido, mas tenho trejeitos de uma Escorpiana
Créditos lá em cima, eu estou com as cartas na manga,
Topo um é o meu rosto
Faço pedicure no meu Tesi, sim, há muito espaço nele
Nova e-girl na quebrada, todos eles copiam e colam
Rosto da Halle, corpo da Chloe, sim
Você me deu a chance, agora darei para seu colega
Bunda raivosa, muito promíscua, você não me terá

Do céu, caem como confete
Todos os olhos em mim
Tão VIP
Todos os meus sonhos
Do céu, caem como confete
Deixe cair
Você sente minha falta
Mas eu finalmente estou livre
Tenho o que preciso
Então deixe chover confete
Deixe chover, oh la la la
Deixe chover, oh la la la
Deixe chover.

Tradução e Adaptação: Equipe Little Mix Brasil



Little Mix Brasil • Hospedado por Flaunt • Layout por Lannie D &